• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Intemporal inquietação, por Carlos Tomé

Cultura  »  2019-07-03 

Quando os primeiros acordes da Gare de Austerlitz se fizeram ouvir no Estúdio Alfa, em Torres Novas, no último sábado de Junho, fui imediatamente transportado para a o concerto do José Mário Branco na Aula Magna, em 1982. Foi uma viagem no tempo de quase 40 anos. Os LaFontinha levaram-me, por simples toque de magia, de Torres Novas a Lisboa e a mesma extraordinária beleza do momento e a mesma inquietação inexplicável daqueles tempos pairaram no ar. Pura magia, porque voltei a sentir as mesmas emoções, aquela indefinida sensação de o que se estava a passar ser muito bom e de ser intransmissível, ser nosso para sempre. A intemporal inquietação assomou novamente à tona de água e entrou de novo em nós, porquê não sei, porquê não sei ainda.

Não foi só beleza, o que se sentiu vindo do pequeno palco do Estúdio Alfa. Foi também isso, claro, mas esteve muito longe de ser a repetição mecânica e impessoal das diversas obras de arte ali exibidas. Os LaFontinha fizeram o mais difícil: tornaram a obra de José Mário Branco uma companhia ali ao pé, era possível tocar-lhe sentir a travessia do deserto, sentir o FMI, estar sentado com esse manifesto histórico fazendo-nos companhia ali mesmo ao lado. “Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois”.

O espectáculo foi uma sentida e sincera saudação a José Mário Branco, como os LaFontinha já tinham feito com José Afonso e com Fausto, mas foi também uma partilha de prazer, um momento de compromisso e empenhamento, uma conjugação solidária de sonhos, de pensamentos e de caminhos. Foi também a força que vem de dentro, sentida e sincera, a capacidade de intervenção, a genialidade, a intimidade, a ironia, a luta dos homens, a “bandeira vermelha bem alevantada”, “de quem é o Carvalhal?”, e a resposta sentida, colectiva, vinda lá de dentro, não gritada mas bem audível, “’É nosso!”, o questionamento, a inquietação, a escolha de uma margem de certa maneira, a margem do outro lado, é esta a nossa margem, a necessidade cada vez mais urgente de “ser solidário assim para além da vida, por dentro da distância percorrida, fazer de cada perda uma raiz e improvavelmente ser feliz”.

Cada acorde, cada som, cada palavra, revelam as características que as canções de José Mário Branco sempre encerram. Houve gente, mesmo ali à nossa frente, que foi possuída pelo espírito da intemporalidade que andava pela sala à solta, “amando a inquietação que permanece para além da inquietação que me apetece”, e conseguiu transmitir esse espírito à medida que se ia libertando das amarras, como num exorcismo ateu, “cá dentro inquietação, inquietação, é só inquietação, inquietação”.

São sempre mais dúvidas do que certezas, mais perguntas do que respostas: “ensinas-me a fazer tantas perguntas na volta das respostas que eu te trazia”, assim foi esta cena, pá.

Para finalizar a saudação com chave de ouro, nada melhor do que as vozes em coro de vinte crianças torrejanas. Nunca mais se esquecerão do acontecimento, perfiladas no palco, recuperando o Coro dos Gambozinos criado para o CD “Resistir é vencer”, para explicarem por que razão a beleza é uma suave emoção. A verdadeira obra-prima que é o “Canto dos Torna-Viagem”, em que se espreita a história de outro ponto de vista, ou como aí se canta, “ver a coisa ao contrário, do ponto de vista de quem não chegou, pois se eu fosse um preto chamado Zé Mário, eu não era quem eu sou”, subiu ao palco do Alfa e foi cantada por duas vezes, mas poderiam ser muitas mais pois esta canção vale mais do que milhentos escritos contra o colonialismo ou contra o racismo.

E novamente me enterrei no cadeirão da Aula Magna lisboeta, ou na cadeira do Estúdio Alfa torrejano, e só me levantei para saudar, há 40 anos, o José Mário Branco, e agora os LaFontinha, que espalharam por todo o lado a intemporal inquietação.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Mazgani traz o álbum “The Poet’s Death” ao Teatro Virgínia no sábado »  2019-09-16 

The Poet’s Death é o último álbum de originais de Mazgani, editado a 29 de Setembro de 2017 e com entrada directa para o 13º lugar no TOP de vendas nacional. A tour que o apresenta tem esgotado salas por todo o país.
(ler mais...)


Museu Carlos Reis, Torres Novas: Setembro com concertos, conferências, programa educativo e visitas grátis »  2019-09-05 

A rentrée do Museu Municipal Carlos Reis, em Torres Novas, não podia ser melhor: Kumpania Algazarra no pátio, no dia 21 de Setembro, concerto integrado no festival Brass it, com entrada livre, e um programa especial nas Jornadas Europeias do Património-JEP 2019 que decorrem no fim de semana de 27, 28 e 29 de Setembro, com oficinas educativas na sexta à tarde e no sábado de manhã e visitas guiadas no domingo de manhã.
(ler mais...)


Pedro Barroso assinala 50 anos de carreira no Teatro Virgínia »  2019-09-05 

O concerto comemorativo dos 50 anos de carreira do músico Pedro Barroso, a 21 de Dezembro, fecha a programação deste ano do Teatro Virgínia, em Torres Novas, com Cuca Roseta e comédia de improviso também em cartaz.
(ler mais...)


Célia Barroca: nova versão de Lágrima Tola disponível na Internet »  2019-09-05 

Originalmente lançada em 2003 para o álbum homónimo “Lágrima Tola”, esta canção, com o mesmo nome, foi agora apresentada ao público na Internet com uma nova roupagem, na sequência do projecto “Célia Barroca & O Indifado”.
(ler mais...)


Bons Sons: uma aldeia que é um festival! »  2019-08-25 

Há um passo gigante que separa uma ideia da sua concretização. Sonhar é fácil e move o mundo, mas daí à sua colocação em prática vai um passo importante: o acreditar. Para que a ideia que um grupo de jovens de Cem Soldos teve há 13 anos - uma ideia à partida impossível de concretizar – vingasse, foi preciso que houvesse confiança e auto-estima suficientes para acreditar nela.
(ler mais...)


Convento de Cristo: visitas gratuitas aos domingos até às 14 horas »  2019-08-25 

Já conhece o Convento de Cristo? Tem aqui uma boa oportunidade: todos os domingos (dia de entrada livre no monumento até às 14H00, para residentes em Portugal) realiza-se uma visita guiada a começar às 11H00, com ponto de encontro na Cafetaria do Castelo.
(ler mais...)


Município paga 100 mil por imóveis para o Museu Agrícola de Riachos »  2019-08-13 

 

O Município de Torres Novas vai adquirir fracções urbanas junto ao antigo lagar, na Rua do Sargaço e Rua Dr. José Marques, em Riachos, onde estão a funcionar diversos departamentos do NAR - Núcleo de Artes Riachense e do Museu Agrícola de Riachos.
(ler mais...)


Actualização: Passatempo Bons Sons até domingo »  2019-07-29 

Aproxima-se o festival Bons Sons e, como habitualmente, o JORNAL TORREJANO tem cinco entradas para distribuir por leitores, que só têm de participar neste passatempo para se habilitarem ao sorteio. Dado que o fluxo de participantes, especialmente forte nos primeiros dias, já praticamente parou, não adianta manter aberto o passatempo por mais tempo e assim, domingo, será o limite.
(ler mais...)


Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13 »  2019-07-06 

“O Vento das Sete Serras” é o título do novo livro do professor e jornalista Manuel Fernandes Vicente, um beirão radicado no Entroncamento há décadas e um dos mais apreciados repórteres e cronistas da região.
(ler mais...)


ZêzereArts regressa com a melhor música erudita »  2019-07-03 

O ZêzereArts está de regresso, comprometido com a divulgação da música erudita da região. Entre os dias 14 e 27 de Julho de 2019, Ferreira do Zêzere, Tomar, Vila Nova da Barquinha, e também Batalha e, ainda, Dornes recebem concertos, recitais e exposições de arte.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  Bons Sons: uma aldeia que é um festival!
»  2019-08-25  Convento de Cristo: visitas gratuitas aos domingos até às 14 horas
»  2019-09-05  Museu Carlos Reis, Torres Novas: Setembro com concertos, conferências, programa educativo e visitas grátis
»  2019-09-05  Pedro Barroso assinala 50 anos de carreira no Teatro Virgínia
»  2019-09-05  Célia Barroca: nova versão de Lágrima Tola disponível na Internet