• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Intemporal inquietação, por Carlos Tomé

Cultura  »  2019-07-03 

Quando os primeiros acordes da Gare de Austerlitz se fizeram ouvir no Estúdio Alfa, em Torres Novas, no último sábado de Junho, fui imediatamente transportado para a o concerto do José Mário Branco na Aula Magna, em 1982. Foi uma viagem no tempo de quase 40 anos. Os LaFontinha levaram-me, por simples toque de magia, de Torres Novas a Lisboa e a mesma extraordinária beleza do momento e a mesma inquietação inexplicável daqueles tempos pairaram no ar. Pura magia, porque voltei a sentir as mesmas emoções, aquela indefinida sensação de o que se estava a passar ser muito bom e de ser intransmissível, ser nosso para sempre. A intemporal inquietação assomou novamente à tona de água e entrou de novo em nós, porquê não sei, porquê não sei ainda.

Não foi só beleza, o que se sentiu vindo do pequeno palco do Estúdio Alfa. Foi também isso, claro, mas esteve muito longe de ser a repetição mecânica e impessoal das diversas obras de arte ali exibidas. Os LaFontinha fizeram o mais difícil: tornaram a obra de José Mário Branco uma companhia ali ao pé, era possível tocar-lhe sentir a travessia do deserto, sentir o FMI, estar sentado com esse manifesto histórico fazendo-nos companhia ali mesmo ao lado. “Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois”.

O espectáculo foi uma sentida e sincera saudação a José Mário Branco, como os LaFontinha já tinham feito com José Afonso e com Fausto, mas foi também uma partilha de prazer, um momento de compromisso e empenhamento, uma conjugação solidária de sonhos, de pensamentos e de caminhos. Foi também a força que vem de dentro, sentida e sincera, a capacidade de intervenção, a genialidade, a intimidade, a ironia, a luta dos homens, a “bandeira vermelha bem alevantada”, “de quem é o Carvalhal?”, e a resposta sentida, colectiva, vinda lá de dentro, não gritada mas bem audível, “’É nosso!”, o questionamento, a inquietação, a escolha de uma margem de certa maneira, a margem do outro lado, é esta a nossa margem, a necessidade cada vez mais urgente de “ser solidário assim para além da vida, por dentro da distância percorrida, fazer de cada perda uma raiz e improvavelmente ser feliz”.

Cada acorde, cada som, cada palavra, revelam as características que as canções de José Mário Branco sempre encerram. Houve gente, mesmo ali à nossa frente, que foi possuída pelo espírito da intemporalidade que andava pela sala à solta, “amando a inquietação que permanece para além da inquietação que me apetece”, e conseguiu transmitir esse espírito à medida que se ia libertando das amarras, como num exorcismo ateu, “cá dentro inquietação, inquietação, é só inquietação, inquietação”.

São sempre mais dúvidas do que certezas, mais perguntas do que respostas: “ensinas-me a fazer tantas perguntas na volta das respostas que eu te trazia”, assim foi esta cena, pá.

Para finalizar a saudação com chave de ouro, nada melhor do que as vozes em coro de vinte crianças torrejanas. Nunca mais se esquecerão do acontecimento, perfiladas no palco, recuperando o Coro dos Gambozinos criado para o CD “Resistir é vencer”, para explicarem por que razão a beleza é uma suave emoção. A verdadeira obra-prima que é o “Canto dos Torna-Viagem”, em que se espreita a história de outro ponto de vista, ou como aí se canta, “ver a coisa ao contrário, do ponto de vista de quem não chegou, pois se eu fosse um preto chamado Zé Mário, eu não era quem eu sou”, subiu ao palco do Alfa e foi cantada por duas vezes, mas poderiam ser muitas mais pois esta canção vale mais do que milhentos escritos contra o colonialismo ou contra o racismo.

E novamente me enterrei no cadeirão da Aula Magna lisboeta, ou na cadeira do Estúdio Alfa torrejano, e só me levantei para saudar, há 40 anos, o José Mário Branco, e agora os LaFontinha, que espalharam por todo o lado a intemporal inquietação.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13 »  2019-07-06 

“O Vento das Sete Serras” é o título do novo livro do professor e jornalista Manuel Fernandes Vicente, um beirão radicado no Entroncamento há décadas e um dos mais apreciados repórteres e cronistas da região.
(ler mais...)


ZêzereArts regressa com a melhor música erudita »  2019-07-03 

O ZêzereArts está de regresso, comprometido com a divulgação da música erudita da região. Entre os dias 14 e 27 de Julho de 2019, Ferreira do Zêzere, Tomar, Vila Nova da Barquinha, e também Batalha e, ainda, Dornes recebem concertos, recitais e exposições de arte.
(ler mais...)


BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira »  2019-06-28 

 O BONS SONS está à porta, entre 8 e 11 de Agosto, em Cem Soldos, uma aldeia em manifesto aqui tão pertinho Quatro dias, dois novos palcos (10 palcos) e mais de cinquenta concertos, num recinto mais alargado. Há mais aldeia e menos pessoas, tendo a lotação diminuído de 40 mil para 35 mil pessoas, nesta edição comemorativa dos 13 anos e das 10 edições.
(ler mais...)


Phydellius: música em festa no Teatro Virgínia »  2019-06-20 

O Teatro Virgínia foi ontem palco de mais uma excelente jornada artística, com a realização do Concerto Semper Phydellius 2019, num encerramento em beleza das actividades lectivas do Conservatório.

Em palco estiveram 70 jovens músicos e coralistas a solo, em ensemble e em orquestra, numa magnífica mostra do trabalho realizado pela instituição, através de uma selecção classes disciplinares e dos 28 docentes e colaboradores especializados da escola de música.
(ler mais...)


Sérgio Godinho fecha última noite das festas da cidade »  2019-06-19 

As Festas da Cidade (ou do Almonda, consoante os humores), que assinalam anualmente a elevação de Torres Novas a cidade, realizam-se este ano entre 4 e 7 de Julho, como habitualmente no Jardim da Fontinha. Destaque para a presença de Sérgio Godinho, 25 anos após a sua primeira actuação na cidade.
(ler mais...)


Por este rio abaixo: fotografias de Abílio Dias »  2019-06-06 

“O Almonda da nascente à foz” - foi este o programa cumprido por Abílio Dias, fotógrafo amador torrejano, que durante alguns anos fez imagens do curso do rio e agora as mostra numa exposição patente no edifício do antigo hospital até final de Julho.
(ler mais...)


Bertino Coelho Martins homenageado pelo Fórum Ribatejo na Barquinha »  2019-05-25 

Bertino Coelho Martins, natural de Lapas, um dos maiores vultos da cultura torrejana e da região ribatejana, foi homenageado hoje, dia 25, na Barquinha, no decorrer do II Encontro de Cultura Popular do Ribatejo, organizado pelo Fórum Ribatejo em parceria com a autarquia barquinhense.
(ler mais...)


Andreia Carreira - mulher, mãe, médica, música e maestrina: “A maternidade foi a única coisa que me fez sentir diferente por ser mulher” »  2019-04-20 

Andreia Carreira tem 35 anos e é natural de Torres Novas. É médica, mãe, mulher. Toca clarinete na Banda da Mata e frequenta o curso de direcção de banda e coro no Orfeão Foz Douro, no Porto, uma formação que sentiu necessidade de fazer para melhor cumprir a sua tarefa de maestrina na banda Nabantina, de Tomar.
(ler mais...)


Bons Sons: Júlio Pereira a fechar a grande festa da música portuguesa deste ano »  2019-04-19 

Diabo na Cruz, First Breath After Coma + Noiserv, Glockenwise + JP Simões, Joana Espadinha + Benjamim, Lodo + Peixe, Sensible Soccers + Tiago Sami Pereira, Sopa de Pedra + Joana Gama, são alguns dos nomes do enrome cartaz artísitico do BONS SONS deste ano, numa edição que vai encerrar com Júlio Pereira, que recentemente ganhou o prémio José Afonso com o seu álbum Praça do Comércio.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2019-07-03  Intemporal inquietação, por Carlos Tomé
»  2019-06-28  BONS SONS: o cartaz em detalhe, todos os artistas e final com Júlio Pereira
»  2019-07-03  ZêzereArts regressa com a melhor música erudita
»  2019-07-06  Manuel Fernandes Vicente: novo livro é apresentado dia 13