• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 20 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 15° / 8°
Céu muito nublado com chuva fraca
Sex.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Intemporal inquietação, por Carlos Tomé

Cultura  »  2019-07-03 

Quando os primeiros acordes da Gare de Austerlitz se fizeram ouvir no Estúdio Alfa, em Torres Novas, no último sábado de Junho, fui imediatamente transportado para a o concerto do José Mário Branco na Aula Magna, em 1982. Foi uma viagem no tempo de quase 40 anos. Os LaFontinha levaram-me, por simples toque de magia, de Torres Novas a Lisboa e a mesma extraordinária beleza do momento e a mesma inquietação inexplicável daqueles tempos pairaram no ar. Pura magia, porque voltei a sentir as mesmas emoções, aquela indefinida sensação de o que se estava a passar ser muito bom e de ser intransmissível, ser nosso para sempre. A intemporal inquietação assomou novamente à tona de água e entrou de novo em nós, porquê não sei, porquê não sei ainda.

Não foi só beleza, o que se sentiu vindo do pequeno palco do Estúdio Alfa. Foi também isso, claro, mas esteve muito longe de ser a repetição mecânica e impessoal das diversas obras de arte ali exibidas. Os LaFontinha fizeram o mais difícil: tornaram a obra de José Mário Branco uma companhia ali ao pé, era possível tocar-lhe sentir a travessia do deserto, sentir o FMI, estar sentado com esse manifesto histórico fazendo-nos companhia ali mesmo ao lado. “Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois”.

O espectáculo foi uma sentida e sincera saudação a José Mário Branco, como os LaFontinha já tinham feito com José Afonso e com Fausto, mas foi também uma partilha de prazer, um momento de compromisso e empenhamento, uma conjugação solidária de sonhos, de pensamentos e de caminhos. Foi também a força que vem de dentro, sentida e sincera, a capacidade de intervenção, a genialidade, a intimidade, a ironia, a luta dos homens, a “bandeira vermelha bem alevantada”, “de quem é o Carvalhal?”, e a resposta sentida, colectiva, vinda lá de dentro, não gritada mas bem audível, “’É nosso!”, o questionamento, a inquietação, a escolha de uma margem de certa maneira, a margem do outro lado, é esta a nossa margem, a necessidade cada vez mais urgente de “ser solidário assim para além da vida, por dentro da distância percorrida, fazer de cada perda uma raiz e improvavelmente ser feliz”.

Cada acorde, cada som, cada palavra, revelam as características que as canções de José Mário Branco sempre encerram. Houve gente, mesmo ali à nossa frente, que foi possuída pelo espírito da intemporalidade que andava pela sala à solta, “amando a inquietação que permanece para além da inquietação que me apetece”, e conseguiu transmitir esse espírito à medida que se ia libertando das amarras, como num exorcismo ateu, “cá dentro inquietação, inquietação, é só inquietação, inquietação”.

São sempre mais dúvidas do que certezas, mais perguntas do que respostas: “ensinas-me a fazer tantas perguntas na volta das respostas que eu te trazia”, assim foi esta cena, pá.

Para finalizar a saudação com chave de ouro, nada melhor do que as vozes em coro de vinte crianças torrejanas. Nunca mais se esquecerão do acontecimento, perfiladas no palco, recuperando o Coro dos Gambozinos criado para o CD “Resistir é vencer”, para explicarem por que razão a beleza é uma suave emoção. A verdadeira obra-prima que é o “Canto dos Torna-Viagem”, em que se espreita a história de outro ponto de vista, ou como aí se canta, “ver a coisa ao contrário, do ponto de vista de quem não chegou, pois se eu fosse um preto chamado Zé Mário, eu não era quem eu sou”, subiu ao palco do Alfa e foi cantada por duas vezes, mas poderiam ser muitas mais pois esta canção vale mais do que milhentos escritos contra o colonialismo ou contra o racismo.

E novamente me enterrei no cadeirão da Aula Magna lisboeta, ou na cadeira do Estúdio Alfa torrejano, e só me levantei para saudar, há 40 anos, o José Mário Branco, e agora os LaFontinha, que espalharam por todo o lado a intemporal inquietação.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Cine-Clube: balanço dos 60 anos »  2021-01-10 

“Um ano que apresentou desafios como há muito o associativismo em geral e o cineclubismo em particular não sentiam, foi objectivo da direcção não parar a actividade, pois a responsabilidade cultural assumida há 60 anos, o amor ao cinema, ao associativismo e ao contacto presencial com o público, com os sócios, com os amigos, ditaram que não tombássemos os braços nem desistíssemos de alguma forma de actividade que, reinventada, pudesse subsistir” – assim começa a nota de imprensa do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Samuel Úria: concerto suspenso »  2021-01-08 

O concerto de Samuel Úria, aprazado para amanhã no teatro Virgínia, em Torres Novas, foi suspenso e reagendado para o próximo dia 15, uma nova data que deverá merecer, contudo, todas as reservas.

O agravamento da situação sanitária em quase todo o país e nomeadamente no concelho de Torres Novas (um dos três municípios do distrito com maior índice de contágios), obriga a medidas mais restritivas: neste fim de semana passa a vigorar o recolher obrigatório a partir das 13 horas, enquanto nos dias de semana esse regime tem início às 23 horas.
(ler mais...)


Liteiros: “Os Ceifeiros” festejam 32.º aniversário »  2020-11-21 

“Apesar dos constrangimentos que estamos a atravessar devido ao complexo contexto desencadeado pela actual pandemia e das saudades de estarmos em palco e próximos das pessoas e amigos, não poderíamos deixar passar em claro o aniversário dos “Ceifeiros” e da sua escolinha de folclore”, começa por realçar a colectividade em comunicado de imprensa.
(ler mais...)


Alice Vieira condecorada pelo Presidente da República »  2020-11-17 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou hoje, terça-feira a escritora Alice Vieira e também e os músicos Jorge Palma e António Variações, este a título póstumo.
(ler mais...)


Virgínia: homenagem a Pedro Barroso com concerto dia 28 »  2020-11-09 

Torres Novas é uma das cidades onde se vai homenagear Pedro Barroso no dia em que o cantautor completaria 70 anos. “Viva quem canta!”, título de uma das mais conhecidas cantigas do músico de origens riachenses, é o mote do espectáculo que terá lugar no teatro Virgínia, no próximo dia 28 de Novembro.
(ler mais...)


Virgínia: Teatro Maior de Idade estreia “A Cantora Careca” »  2020-11-06 

O Teatro Maior de Idade, do projecto “Teatro em Formação” do Teatro Virgínia, estreia sábado, dia 7 de Novembro, às 21h30 o seu mais recente espectáculo, fruto do trabalho desenvolvido ao longo do último ano de ensaios.
(ler mais...)


SMUT de Lapas: fez 100 anos a mais jovem filarmónica do concelho »  2020-10-22 

Fundada em 18 de Outubro de 1920, rezam os anais por Joaquim Silva Nuno, Joaquim Vieira Borga Sobrinho, António Sousa Martins, Olímpio Vieira Borga, Augusto César Lince, Joaquim Ferreira Agulha, Joaquim Santos Emílio, José Martins e António Faria Laureano, e nessa altura a designação oficial indicava que se fundara a Banda Recreativa de Lapas.
(ler mais...)


Tiago Bettencourt no Virgínia, em concerto com lotação “muito limitada” »  2020-10-15 

Tiago Bettencourt apresenta-se ao público no Teatro Virgínia, a 27 de Outubro, no âmbito do 15.º aniversário daquela sala de espectáculos (após obras de renovação). O músico, ex-Toranja, dará um concerto com uma lotação muito limitada e sem venda de bilhetes, às 21h30.
(ler mais...)


Sábado, no Teatro Taborda: "Obrigado Bernardo, Santarém de Portugal" »  2020-10-05 

Depois de ter estreado em Almeirim, “Obrigado Bernardo Santarém de Portugal”  terá apresentação ao público escalabitano numa sessão única, no Teatro Taborda, do Círculo Cultural Scalabitano, amanhã, dia 10 de Outubro, pelas 21H30.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: reabertura promete Clã, Rodrigo Leão e Calcanhotto »  2020-09-28 

O Teatro Virgínia reabre após o anterior confinamento provocado pela Covid-19, reagendando espectáculos anteriormente previstos e que tiveram de ser cancelados e com muitas outras novidades, seguindo todas as recomendações da Direção Geral de Saúde.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 30 dias)
»  2021-01-08  Samuel Úria: concerto suspenso
»  2021-01-10  Cine-Clube: balanço dos 60 anos