• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 23 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 31° / 15°
Céu limpo
Sáb.
 29° / 14°
Céu limpo
Sex.
 26° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

SEM SOMBRAS DE GREY

Opinião  »  2015-11-13  »  José Ricardo Costa

"Toda a parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira"

Se é verdade que embirro com a ideia de uma educação sexual, em cuja raiz se encontra uma visão racional e científica do sexo, não embirro menos com a totalitária ideologia sexual com que somos permanentemente doutrinados e catequizados através de uma comunicação social, seja esta mais séria ou menos séria, que mais parece ser escrita por pessoas que saíram de uma penitenciária, depois de 5 anos de abstinência. Uma ideologia que obriga a pensar que a vida gira em torno do sexo e, se não for esse o caso, dever-se-á pedir o apoio de especialistas, sobretudo psicólogos e sexólogos.

Acabo de folhear a revista Happy Woman, onde vou encontrar os mesmos artigos de sempre inspirados nesta opressiva, dogmática e unidimensional ideologia sexual que há décadas anseia transformar pessoas normais, que simplesmente gostam de sexo, numa espécie de doninhas em cio permanente e com a versatilidade de um contorcionista do circo Chen. Como se fica depois de se ler uma dessas revistas? Com a ideia de que se não se fizer sexo pelo menos três vezes por semana, se não se recorrer pelo menos a quinze posições, nos sítios menos ortodoxos, não passamos de umas miseráveis criaturas que fazem sexo com o entusiasmo e criatividade de um peixinho de aquário dois dias antes de morrer.

Por exemplo, a Margarida, 32 anos, diz ter cada vez mais a noção de que o seu casamento está a acabar. Porquê? Porque o sexo, que foi o motor de todos os seus relacionamentos, sérios ou não, tornou-se, agora que está casada com o Filipe, uma pasmaceira. Os preliminares foram à vida e o acto propriamente dito não dura mais do que uns miseráveis cinco ou sete minutos. Mais complexo é o caso da Helena, 25 anos, que namora há 5 meses com o Alexandre. Não tem dúvida de que o Alexandre é a pessoa certa, correndo tudo às mil maravilhas. O único problema é o sexo, em que «a lengalenga é sempre a mesma»: as mesmas posições, nos mesmos sítios e até a hora é quase sempre a mesma, ou seja, resumindo-se à penetração em três ou quatro posições diferentes, sempre depois da hora de jantar e sempre no quarto. 

Já li o suficiente para ficar a perceber que restringir o sexo a três ou quatro posições pode fazer-nos sentir como se estivéssemos na cama a ver um filme do Manoel de Oliveira, adormecendo de tédio ao fim dos tais cinco ou sete minutos que é o tempo que dura o sexo da Margarida com o marido. Ou que limitar o sexo ao quarto, desprezando sítios como o lava-loiças, a casota do cão, o interior do carro dentro da garagem, a parte superior da máquina de lavar roupa durante a centrifugação, o chão da sala atrás dos cortinados ou uma escura e apertada despensa no meio de vassouras, aspirador e pacotes de cereais, pode tornar o sexo uma coisa tão excitante como passar as tardes a ver o Canal Parlamento na cela de uma prisão (com a idade que tenho devo dar graças a Deus por morar num modesto T2 e cuja garagem é colectiva). Mas também não é razão para desesperar uma vez que as revistas estão inundadas de especialistas que nos dão bons conselhos, ideias e até tácticas, transformando o sexo numa espécie de desporto radical que faz dos seus praticantes verdadeiros atletas olímpicos em busca de medalhas como a auto-estima, o auto-conceito, a plenitude existencial ou estar em sintonia com as mais gratificantes energias cósmicas de um universo do qual somos a parte mais importante, sobretudo quando se conseguem pelo menos meia-dúzia de orgasmos durante uma noite louca, acordando na manhã seguinte com vontade de gritar «I`M THE KING OF THE WORLD» (Ou THE QUEEN). E se o casal não se conseguir entender quando há divergência de energias, de libido, de desempenhos, haverá sempre os viagras masculinos ou femininos, umas macacadas pornográficas ou brinquedos para poderem ajudar a «salvar a relação» Para os mais conservadores e tímidos haverá sempre o psicólogo ou o sexólogo.

Certo? Não, errado. Toda esta parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira. Transformar o casal numa máquina de sexo e o casamento numa mansão dos prazeres, reduzir a felicidade e o sentido da vida ao desempenho sexual ou fazer da libido o núcleo da identidade pessoal é um erro que leva muita a gente a ter de o pagar caro, ainda que estupidamente e sem necessidade disso. Já não se aguenta tanto sexo, sendo altura de virar o disco e passar a ouvir uma música diferente.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia Crise, Professores, Brexit e Venezuela