• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 31° / 19°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 34° / 20°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  37° / 18°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

SEM SOMBRAS DE GREY

Opinião  »  2015-11-13  »  José Ricardo Costa

"Toda a parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira"

Se é verdade que embirro com a ideia de uma educação sexual, em cuja raiz se encontra uma visão racional e científica do sexo, não embirro menos com a totalitária ideologia sexual com que somos permanentemente doutrinados e catequizados através de uma comunicação social, seja esta mais séria ou menos séria, que mais parece ser escrita por pessoas que saíram de uma penitenciária, depois de 5 anos de abstinência. Uma ideologia que obriga a pensar que a vida gira em torno do sexo e, se não for esse o caso, dever-se-á pedir o apoio de especialistas, sobretudo psicólogos e sexólogos.

Acabo de folhear a revista Happy Woman, onde vou encontrar os mesmos artigos de sempre inspirados nesta opressiva, dogmática e unidimensional ideologia sexual que há décadas anseia transformar pessoas normais, que simplesmente gostam de sexo, numa espécie de doninhas em cio permanente e com a versatilidade de um contorcionista do circo Chen. Como se fica depois de se ler uma dessas revistas? Com a ideia de que se não se fizer sexo pelo menos três vezes por semana, se não se recorrer pelo menos a quinze posições, nos sítios menos ortodoxos, não passamos de umas miseráveis criaturas que fazem sexo com o entusiasmo e criatividade de um peixinho de aquário dois dias antes de morrer.

Por exemplo, a Margarida, 32 anos, diz ter cada vez mais a noção de que o seu casamento está a acabar. Porquê? Porque o sexo, que foi o motor de todos os seus relacionamentos, sérios ou não, tornou-se, agora que está casada com o Filipe, uma pasmaceira. Os preliminares foram à vida e o acto propriamente dito não dura mais do que uns miseráveis cinco ou sete minutos. Mais complexo é o caso da Helena, 25 anos, que namora há 5 meses com o Alexandre. Não tem dúvida de que o Alexandre é a pessoa certa, correndo tudo às mil maravilhas. O único problema é o sexo, em que «a lengalenga é sempre a mesma»: as mesmas posições, nos mesmos sítios e até a hora é quase sempre a mesma, ou seja, resumindo-se à penetração em três ou quatro posições diferentes, sempre depois da hora de jantar e sempre no quarto. 

Já li o suficiente para ficar a perceber que restringir o sexo a três ou quatro posições pode fazer-nos sentir como se estivéssemos na cama a ver um filme do Manoel de Oliveira, adormecendo de tédio ao fim dos tais cinco ou sete minutos que é o tempo que dura o sexo da Margarida com o marido. Ou que limitar o sexo ao quarto, desprezando sítios como o lava-loiças, a casota do cão, o interior do carro dentro da garagem, a parte superior da máquina de lavar roupa durante a centrifugação, o chão da sala atrás dos cortinados ou uma escura e apertada despensa no meio de vassouras, aspirador e pacotes de cereais, pode tornar o sexo uma coisa tão excitante como passar as tardes a ver o Canal Parlamento na cela de uma prisão (com a idade que tenho devo dar graças a Deus por morar num modesto T2 e cuja garagem é colectiva). Mas também não é razão para desesperar uma vez que as revistas estão inundadas de especialistas que nos dão bons conselhos, ideias e até tácticas, transformando o sexo numa espécie de desporto radical que faz dos seus praticantes verdadeiros atletas olímpicos em busca de medalhas como a auto-estima, o auto-conceito, a plenitude existencial ou estar em sintonia com as mais gratificantes energias cósmicas de um universo do qual somos a parte mais importante, sobretudo quando se conseguem pelo menos meia-dúzia de orgasmos durante uma noite louca, acordando na manhã seguinte com vontade de gritar «I`M THE KING OF THE WORLD» (Ou THE QUEEN). E se o casal não se conseguir entender quando há divergência de energias, de libido, de desempenhos, haverá sempre os viagras masculinos ou femininos, umas macacadas pornográficas ou brinquedos para poderem ajudar a «salvar a relação» Para os mais conservadores e tímidos haverá sempre o psicólogo ou o sexólogo.

Certo? Não, errado. Toda esta parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira. Transformar o casal numa máquina de sexo e o casamento numa mansão dos prazeres, reduzir a felicidade e o sentido da vida ao desempenho sexual ou fazer da libido o núcleo da identidade pessoal é um erro que leva muita a gente a ter de o pagar caro, ainda que estupidamente e sem necessidade disso. Já não se aguenta tanto sexo, sendo altura de virar o disco e passar a ouvir uma música diferente.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)