• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 21 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Sex.
 35° / 19°
Céu limpo
Qui.
 37° / 19°
Céu limpo
Qua.
 38° / 19°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  38° / 21°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

SEM SOMBRAS DE GREY

Opinião  »  2015-11-13  »  José Ricardo Costa

"Toda a parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira"

Se é verdade que embirro com a ideia de uma educação sexual, em cuja raiz se encontra uma visão racional e científica do sexo, não embirro menos com a totalitária ideologia sexual com que somos permanentemente doutrinados e catequizados através de uma comunicação social, seja esta mais séria ou menos séria, que mais parece ser escrita por pessoas que saíram de uma penitenciária, depois de 5 anos de abstinência. Uma ideologia que obriga a pensar que a vida gira em torno do sexo e, se não for esse o caso, dever-se-á pedir o apoio de especialistas, sobretudo psicólogos e sexólogos.

Acabo de folhear a revista Happy Woman, onde vou encontrar os mesmos artigos de sempre inspirados nesta opressiva, dogmática e unidimensional ideologia sexual que há décadas anseia transformar pessoas normais, que simplesmente gostam de sexo, numa espécie de doninhas em cio permanente e com a versatilidade de um contorcionista do circo Chen. Como se fica depois de se ler uma dessas revistas? Com a ideia de que se não se fizer sexo pelo menos três vezes por semana, se não se recorrer pelo menos a quinze posições, nos sítios menos ortodoxos, não passamos de umas miseráveis criaturas que fazem sexo com o entusiasmo e criatividade de um peixinho de aquário dois dias antes de morrer.

Por exemplo, a Margarida, 32 anos, diz ter cada vez mais a noção de que o seu casamento está a acabar. Porquê? Porque o sexo, que foi o motor de todos os seus relacionamentos, sérios ou não, tornou-se, agora que está casada com o Filipe, uma pasmaceira. Os preliminares foram à vida e o acto propriamente dito não dura mais do que uns miseráveis cinco ou sete minutos. Mais complexo é o caso da Helena, 25 anos, que namora há 5 meses com o Alexandre. Não tem dúvida de que o Alexandre é a pessoa certa, correndo tudo às mil maravilhas. O único problema é o sexo, em que «a lengalenga é sempre a mesma»: as mesmas posições, nos mesmos sítios e até a hora é quase sempre a mesma, ou seja, resumindo-se à penetração em três ou quatro posições diferentes, sempre depois da hora de jantar e sempre no quarto. 

Já li o suficiente para ficar a perceber que restringir o sexo a três ou quatro posições pode fazer-nos sentir como se estivéssemos na cama a ver um filme do Manoel de Oliveira, adormecendo de tédio ao fim dos tais cinco ou sete minutos que é o tempo que dura o sexo da Margarida com o marido. Ou que limitar o sexo ao quarto, desprezando sítios como o lava-loiças, a casota do cão, o interior do carro dentro da garagem, a parte superior da máquina de lavar roupa durante a centrifugação, o chão da sala atrás dos cortinados ou uma escura e apertada despensa no meio de vassouras, aspirador e pacotes de cereais, pode tornar o sexo uma coisa tão excitante como passar as tardes a ver o Canal Parlamento na cela de uma prisão (com a idade que tenho devo dar graças a Deus por morar num modesto T2 e cuja garagem é colectiva). Mas também não é razão para desesperar uma vez que as revistas estão inundadas de especialistas que nos dão bons conselhos, ideias e até tácticas, transformando o sexo numa espécie de desporto radical que faz dos seus praticantes verdadeiros atletas olímpicos em busca de medalhas como a auto-estima, o auto-conceito, a plenitude existencial ou estar em sintonia com as mais gratificantes energias cósmicas de um universo do qual somos a parte mais importante, sobretudo quando se conseguem pelo menos meia-dúzia de orgasmos durante uma noite louca, acordando na manhã seguinte com vontade de gritar «I`M THE KING OF THE WORLD» (Ou THE QUEEN). E se o casal não se conseguir entender quando há divergência de energias, de libido, de desempenhos, haverá sempre os viagras masculinos ou femininos, umas macacadas pornográficas ou brinquedos para poderem ajudar a «salvar a relação» Para os mais conservadores e tímidos haverá sempre o psicólogo ou o sexólogo.

Certo? Não, errado. Toda esta parafernália verbal a respeito do sexo é violenta, castradora, contra-natura, culpabilizadora. Tão culpabilizadora, mas em sentido contrário, quanto séculos e séculos de moralismo cristão. Para além de pindérica, inestética e grosseira. Transformar o casal numa máquina de sexo e o casamento numa mansão dos prazeres, reduzir a felicidade e o sentido da vida ao desempenho sexual ou fazer da libido o núcleo da identidade pessoal é um erro que leva muita a gente a ter de o pagar caro, ainda que estupidamente e sem necessidade disso. Já não se aguenta tanto sexo, sendo altura de virar o disco e passar a ouvir uma música diferente.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)


O operário »  2018-08-15  »  Anabela Santos

O tempo está ameno, um dia claro, de um azul celeste. O convite para sair de casa estava feito pelas cores e o som da natureza.

Não sei se foi o corpo ou a alma que me empurraram da zona alta para o centro da cidade. Mas fui… E não não vou falar da degradação do centro histórico.
(ler mais...)


Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira »  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria.
(ler mais...)


Época balnear »  2018-08-15  »  António Gomes

Na época balnear, o primeiro dia de visita à praia é sempre assim: quais são as novidades? A organização da coisa - os espaços para estacionamento, os acessos à dita, o espaço para arear… tudo na mesma, pouco mudou ou pelo contrário, grandes mudanças? Isto para quem vai sempre para o mesmo local… parece que não sabemos outro caminho, é prá li e pronto.
(ler mais...)


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira
»  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia Protectorado
»  2018-08-15  »  Anabela Santos O operário