• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 19 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 15° / 4°
Céu limpo
Qua.
 19° / 6°
Céu limpo
Ter.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os agradecimentos de Santa Comba Dão

Opinião  »  2018-01-30  »  Carlos Tomé

"Homenagearam Salazar gritando palavras de ordem em defesa do ditador fascista"

Durante muitos anos, mesmo muitos anos, o regime fascista vigorou neste país á beira-mar plantado. Saber como foi possível manter-se esse regime tanto tempo, perceber o que esteve na base dessa longevidade, que artimanhas criou para embalar as almas no melhor dos amparos criando a mais feliz das ilusões, e que modos utilizou na opressão e em mil e um mecanismos para subjugar os portugueses durante tantos anos, é um assunto muito interessante. No regime fascista, foram sempre só alguns que tomaram a dianteira, que resistiram e mobilizaram o povo no percurso de muitas formas de resistência. Algumas encaradas mais pacificamente e outras enchendo a via oposicionista e dando-lhe corpo e alma, coerência e consistência.

Na passada sexta-feira numa entrevista ao Público, António Araújo, assessor de Cavaco e também de Marcelo, disse para quem o quis ouvir “é mais importante estudar como o Salazar dominava os conformistas do que como como esmagava os oposicionistas”.

Mas o problema é que os conformistas, gente que por definição se conforma com tudo, não precisam de ser grandemente estudados para se perceber como são levados. Interessará pouco saber qual foi a estratégia que Salazar usou, que manto diáfano da fantasia utilizou para convencer os conformistas porque à partida eles estão convencidos, conformam-se com tudo, não será preciso grandes coisas para os iludir.
Agora, aqueles que à partida não se conformam, não se deixam levar às primeiras, os que veem mais além, muito para lá da espuma dos dias, esses sim merecem ser estudados. Não só merece ser estudada a forma como Salazar esmagava os oposicionistas mas acima de tudo a forma como resistiam a esse esmagamento. E esse estudo merece ser feito em cada lugar, porque a resistência tinha nomes e era localizada. Por cá ainda está por fazer a história da resistência dos torrejanos ao fascismo, e se nada se fizer entretanto tudo será esquecido.

No sábado seguinte, em Santa Comba Dão quatro dezenas de militantes da extrema-direita com Mário Machado à cabeça, homenagearam Salazar gritando palavras de ordem em defesa do ditador fascista, afirmando que foi o único político honesto em Portugal nos últimos 100 anos.

No manifesto da nova organização política que pretende ser partido, NOS (Nova Ordem Social), pode ler-se “O desemprego crescente, o monstruoso défice orçamental, a perda de soberania, os elevados impostos sobre as famílias e sobre as empresas, a quebra da natalidade, a supressão de valores e do solidarismo, a ausência de futuro! É esta a herança que nos deixaram todos aqueles que têm governado o país, com a conivência de outros que se têm servido à mesma mesa do orçamento”.

Isto é, não estamos longe de aparecer alguém que de forma populista consiga levar muita gente atrás de balelas, futuros imaculados, criados por gente honesta e intrujices similares. E depois lá aparecerão os resistentes, aqueles que não se deixam embalar facilmente.

Seja qual for a estratégia que os novos salazares usem para assomar às luzes da ribalta, será extremamente fácil levar os conformistas atrás. Quanto aos outros, os tais oposicionistas, os que não vão atrás de qualquer canto de sereia, aqueles que resistirão sempre, os que lutam todos os dias e muitas vezes em condições desumanas, esses serão devidamente esquecidos. Se esses exemplos não forem registados e estudados, se os conformistas não forem derrotado, é o esquecimento total. Santa Comba Dão agradece.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia A esquerda e os rankings escolares
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo