• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os agradecimentos de Santa Comba Dão

Opinião  »  2018-01-30  »  Carlos Tomé

"Homenagearam Salazar gritando palavras de ordem em defesa do ditador fascista"

Durante muitos anos, mesmo muitos anos, o regime fascista vigorou neste país á beira-mar plantado. Saber como foi possível manter-se esse regime tanto tempo, perceber o que esteve na base dessa longevidade, que artimanhas criou para embalar as almas no melhor dos amparos criando a mais feliz das ilusões, e que modos utilizou na opressão e em mil e um mecanismos para subjugar os portugueses durante tantos anos, é um assunto muito interessante. No regime fascista, foram sempre só alguns que tomaram a dianteira, que resistiram e mobilizaram o povo no percurso de muitas formas de resistência. Algumas encaradas mais pacificamente e outras enchendo a via oposicionista e dando-lhe corpo e alma, coerência e consistência.

Na passada sexta-feira numa entrevista ao Público, António Araújo, assessor de Cavaco e também de Marcelo, disse para quem o quis ouvir “é mais importante estudar como o Salazar dominava os conformistas do que como como esmagava os oposicionistas”.

Mas o problema é que os conformistas, gente que por definição se conforma com tudo, não precisam de ser grandemente estudados para se perceber como são levados. Interessará pouco saber qual foi a estratégia que Salazar usou, que manto diáfano da fantasia utilizou para convencer os conformistas porque à partida eles estão convencidos, conformam-se com tudo, não será preciso grandes coisas para os iludir.
Agora, aqueles que à partida não se conformam, não se deixam levar às primeiras, os que veem mais além, muito para lá da espuma dos dias, esses sim merecem ser estudados. Não só merece ser estudada a forma como Salazar esmagava os oposicionistas mas acima de tudo a forma como resistiam a esse esmagamento. E esse estudo merece ser feito em cada lugar, porque a resistência tinha nomes e era localizada. Por cá ainda está por fazer a história da resistência dos torrejanos ao fascismo, e se nada se fizer entretanto tudo será esquecido.

No sábado seguinte, em Santa Comba Dão quatro dezenas de militantes da extrema-direita com Mário Machado à cabeça, homenagearam Salazar gritando palavras de ordem em defesa do ditador fascista, afirmando que foi o único político honesto em Portugal nos últimos 100 anos.

No manifesto da nova organização política que pretende ser partido, NOS (Nova Ordem Social), pode ler-se “O desemprego crescente, o monstruoso défice orçamental, a perda de soberania, os elevados impostos sobre as famílias e sobre as empresas, a quebra da natalidade, a supressão de valores e do solidarismo, a ausência de futuro! É esta a herança que nos deixaram todos aqueles que têm governado o país, com a conivência de outros que se têm servido à mesma mesa do orçamento”.

Isto é, não estamos longe de aparecer alguém que de forma populista consiga levar muita gente atrás de balelas, futuros imaculados, criados por gente honesta e intrujices similares. E depois lá aparecerão os resistentes, aqueles que não se deixam embalar facilmente.

Seja qual for a estratégia que os novos salazares usem para assomar às luzes da ribalta, será extremamente fácil levar os conformistas atrás. Quanto aos outros, os tais oposicionistas, os que não vão atrás de qualquer canto de sereia, aqueles que resistirão sempre, os que lutam todos os dias e muitas vezes em condições desumanas, esses serão devidamente esquecidos. Se esses exemplos não forem registados e estudados, se os conformistas não forem derrotado, é o esquecimento total. Santa Comba Dão agradece.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-12-19  »  Inês Vidal Alheados
»  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia O negócio dos extremos
»  2018-12-19  »  António Gomes Os(as) caixas de supermercado
»  2018-12-19  »  Juvenal Silva A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE
»  2018-12-19  »  Anabela Santos Haja fé