• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 18 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 17° / 9°
Céu nublado
Sáb.
 16° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Torres Novas
Hoje  17° / 5°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Knut Hamsun

Opinião  »  2016-10-20  »  Jorge Carreira Maia

"Por muito que as posições políticas de Hamsun nos ofendam, e elas têm muito para ofender, os livros que escreveu merecem ser lidos."

Como estamos em maré de Prémio Nobel da Literatura, este ano aberto a larga controvérsia, viajemos até 1920. Nesse longínquo ano, a academia sueca decidiu laurear o norueguês Knut Hamsun. Na altura, ele tinha ultrapassado a casa dos sessenta anos, mas ainda estava longe o tempo em que ele ostentaria as posições políticas que o conduziram a sérios problemas com a justiça e a um grande ostracismo, tanto pessoal como literário, do qual só lentamente a sua obra tem vindo a sair. Na verdade, Hamsun foi um apoiante convicto do nazismo, tendo suportado a ocupação alemã da Noruega e o respectivo governo fantoche. Depois da guerra foi detido por traição e julgado.

Este apoio está em linha com posições ideológicas que se manifestaram desde muito cedo. O escritor norueguês cultivava, por um lado, um exacerbado individualismo. Por outro, uma crítica sistemática à modernidade ocidental. Estes dois traços, que não têm necessariamente de conduzir a um apoio à ideologia nacional-socialista, são centrais na sua obra literária. Os heróis são individualistas ostensivos, em conflito com as normas burocráticas da sociedade moderna. A vitória do indivíduo não se deve à trama das relações sociais, mas à sua vontade determinada em superar os obstáculos, sejam os colocados pela sociedade, sejam os que existem na natureza. Este incensar da vontade, algo que poderia também acontecer em alguém de orientação liberal e democrática, combina-se com a rejeição da modernidade, a qual é vista como um perigo para a relação fundamental do homem com a terra, por exemplo, no romance Os Frutos da Terra.

Knut Hamsun foi, apesar do seu anti-modernismo, um dos escritores mais importantes da transição do século XIX para o XX e um dos mais inovadores. Foi pioneiro no uso de técnicas literárias como o monólogo interior e a corrente de consciência que viriam a marcar toda a literatura do século XX. Para lá da personagem política que foi, Hamsun merece ser lido e relido. A Cavalo de Ferro Editores está a prestar um enorme serviço à cultura portuguesa e aos leitores ao traduzir algumas das suas obras (Fome, Pan, Victoria, Mistérios e Os Frutos da Terra). Por muito que as posições políticas de Hamsun nos ofendam, e elas têm muito para ofender, os livros que escreveu merecem ser lidos. Pode-se começar, por exemplo, com o extraordinário, embora estranho, Fome. Ou para quem ama o mundo rural com Os Frutos da Terra. Boa leitura.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Por este rio »  2018-01-18  »  João Carlos Lopes

O Rio Tejo (o vale do Tejo, a linha do Tejo, o território adjacente, o percurso português do Tejo) é porventura o recurso natural e o pedaço de território nacional potencialmente mais rico que temos, dada a diversidade dos seus elementos constitutivos: paisagísticos, pedológicos, agrários e agrícolas, hidrográficos, etnográficos, etc.
(ler mais...)


Geringonça festiva »  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro

A indignação invadiu as hostes mais puritanas deste país ao saber-se o ministro das finanças, Mário Centeno, pediu uma borla de bilhetes para o cássico Benfica/Porto na época passada. Quando questões éticas se levantam nesta associação “bola à borla” estimulando acesas discussões repudiando esse pedido especial, sinto que tenho obrigação de prestar solidariedade para o nosso pobre, quase pobrezinho, Mário.
(ler mais...)


V de Vingança »  2018-01-17  »  José Ricardo Costa

Como não entra nas contas um livro de Pablo Neruda que me ofereceram no Natal ainda eu mal sabia ler, o meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa que comprei numa feira do livro do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Patos bravos »  2018-01-17  »  Denis Hickel

Os recentes processos movidos contra ambientalistas por denunciar a poluição no Rio Tejo, Ribeira da Boa Água, Almonda, entre outros, inauguram um teatro do absurdo. Temos diante de nós empresas que sabemos serem claramente poluidoras, porém protegidas por arcabouços jurídicos e contratuais e tão poderosas nas suas redes de relações que, ao invés de tomarem a iniciativa de limpar a sua imagem, não negam o estatuto e preferem manter os negócios sujos pela força da intimidação.
(ler mais...)


Como reforçar o nosso sistema imunitário »  2018-01-17  »  Juvenal Silva

O nosso sistema imunitário protege-nos a cada instante contra batalhões de vírus, bactérias, fungos e outros parasitas. Uma debilidade de saúde ou fraqueza do sistema imunitário, é uma doença que se estabelece e se instala no nosso organismo.
(ler mais...)


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...
»  2018-01-17  »  José Ricardo Costa V de Vingança
»  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro Geringonça festiva