• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 21 de Maio de 2018
Pesquisar...
Qui.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 26° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 26° / 11°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir a Lisboa

Opinião  »  2018-05-03  »  José Ricardo Costa

"Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas"


Uma coisa é o vagaroso e até algo aborrecido ritmo das eras geológicas, outra será o alegre ritmo da evolução social. É como estar uma manhã a ouvir Steve Reich e passar para uma ópera de Verdi. Serve este erudito preâmbulo para explicar que se a distância entre o que é hoje Lisboa e Torres Novas é a mesma há milhões de anos, já num plano social, e num espaço de poucas décadas, essa distância faz lembrar aqueles anúncios de produtos para emagrecer que mostram a diferença entre o antes e o depois, sendo hoje bem mais magra.

Quando cheguei a Lisboa para estudar, levava uma mala de cartão na mão e uma cabeça deslumbrada com a grande urbe: cinemas, teatros, livrarias, discotecas (chamava-se assim às lojas que vendiam discos), cafés, lojas e mais lojas. Já não era mais o provinciano que ia de propósito a Lisboa para ir aos Porfírios ou ao Imaviz. Não, eu estava lá, acordava e adormecia lá, onde o coração bombeia o sangue da pátria, e já não numa periférica veia do corpo humano. Isto, apesar de lá chegar ainda antes do “Manel” ter inventado o Bairro Alto, outorgando à cidade a “noite” moderna e cosmopolita de Londres ou NY e como novo e heróico Salgueiro Maia desse outro 25 de Abril que foi permitir à labrega nação ficar a saber quem é a Eduarda Abbondanza.

Mas se eu saí da província, a província teimava em não sair de mim como um pedaço de fita-cola do dedo. Há coisas que não se esquecem, como ter de repetir mais uma vez que não era de Torres Vedras e, como se acabasse de chegar do Djibouti, explicar depois que vinha, neste caso, não do Corno de África, mas de algures entre Santarém e Tomar. Se ser de Torres Novas era ser provinciano e pertencer à “paisagem” enquanto resto de Lisboa, imagine-se ser de Alcorriol, Rexaldia ou Resgais, pequenos satélites à volta de outro pequeno satélite, cuja arrastada órbita à volta da brilhante capital seria para aí como a de Saturno à volta do Sol.

Terras cujos habitantes, na sua maioria, não tinham telefone em casa ou carro, sendo a esporádica ida a Lisboa uma odisseia. De tal modo, que era comum estrear roupa para se poder chegar com a mesma digna e honrada urbanidade dos de lá, embora mal disfarçada pelas duas horas e meia de distância, com tanta curva para tornear, tanta localidade para atravessar, tanto tractor para ultrapassar, só faltando mesmo as pombas assassinadas mas também convém não exagerar. Ainda há pouco tempo fiz esse percurso e fiquei com a sensação de que mais do que percorrer uma estrada estava a folhear um calendário para trás como no início do Written on the Wind, do Douglas Sirk.
Hoje, qualquer torrejano de 18 anos chega a Lisboa para estudar de cabeça levantada, sendo apenas mais um jovem português com h grande. Que importância tem ser de Torres Novas ou morar nas Avenidas Novas num mundo em que o espaço real é cada vez menos importante? O jovem de Alcorriol já viu no youtube os mesmos vídeos do betinho de Lisboa, o da Brogueira sacou os mesmos filmes, o de Alcorriol anda com o mesmo smartphone com as mesmas centenas de música e o de Assentiz comunica via whatsapp ou skype com qualquer pessoa do mundo inteiro e à caixa do correio do de Liteiros vão parar os mesmos produtos comprados na Amazon ou na OLX, descobertos num espaço que já não é medido em quilómetros mas em segundos.

Mesmo ir hoje estudar para Lisboa é apenas ir estudar para a cidade onde já se foi inúmeras vezes para ir dar uma volta pelo Colombo, aos pastéis de Belém ou até mesmo a concertos, que hoje já toda a gente tem carro para ir levar os filhos ao Entroncamento para apanhar o Intercidades. Bem, talvez precise de continuar a explicar que em Torres Novas não há Carnaval, mas já sem qualquer complexo de inferioridade, sabendo que isso se deve apenas à estupidez do lisboeta que passou centenas de vezes na saída da A1 para Torres Novas mas cuja pobre cabeça é como a daqueles americanos broncos que não sabem localizar a França no mapa da Europa.

Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas. A frase, sendo elogiosa aqui para a terra, não deixava de espelhar um certo provincianismo e orgulho paroquial. Hoje, quantos jovens a dirão? É que, como diria Sócrates (o filósofo, claro), ou até S. Paulo, não há lisboeta, nem torrejano, nem riachense, apenas cidadãos de um mesmo espaço que é de todos e não é de ninguém. Atenas e Jerusalém continuam a ser os eixos da nossa civilização, nem que seja para ligar o Terreiro do Paço ao largo da Botica.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?