• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 22 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 17° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir a Lisboa

Opinião  »  2018-05-03  »  José Ricardo Costa

"Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas"


Uma coisa é o vagaroso e até algo aborrecido ritmo das eras geológicas, outra será o alegre ritmo da evolução social. É como estar uma manhã a ouvir Steve Reich e passar para uma ópera de Verdi. Serve este erudito preâmbulo para explicar que se a distância entre o que é hoje Lisboa e Torres Novas é a mesma há milhões de anos, já num plano social, e num espaço de poucas décadas, essa distância faz lembrar aqueles anúncios de produtos para emagrecer que mostram a diferença entre o antes e o depois, sendo hoje bem mais magra.

Quando cheguei a Lisboa para estudar, levava uma mala de cartão na mão e uma cabeça deslumbrada com a grande urbe: cinemas, teatros, livrarias, discotecas (chamava-se assim às lojas que vendiam discos), cafés, lojas e mais lojas. Já não era mais o provinciano que ia de propósito a Lisboa para ir aos Porfírios ou ao Imaviz. Não, eu estava lá, acordava e adormecia lá, onde o coração bombeia o sangue da pátria, e já não numa periférica veia do corpo humano. Isto, apesar de lá chegar ainda antes do “Manel” ter inventado o Bairro Alto, outorgando à cidade a “noite” moderna e cosmopolita de Londres ou NY e como novo e heróico Salgueiro Maia desse outro 25 de Abril que foi permitir à labrega nação ficar a saber quem é a Eduarda Abbondanza.

Mas se eu saí da província, a província teimava em não sair de mim como um pedaço de fita-cola do dedo. Há coisas que não se esquecem, como ter de repetir mais uma vez que não era de Torres Vedras e, como se acabasse de chegar do Djibouti, explicar depois que vinha, neste caso, não do Corno de África, mas de algures entre Santarém e Tomar. Se ser de Torres Novas era ser provinciano e pertencer à “paisagem” enquanto resto de Lisboa, imagine-se ser de Alcorriol, Rexaldia ou Resgais, pequenos satélites à volta de outro pequeno satélite, cuja arrastada órbita à volta da brilhante capital seria para aí como a de Saturno à volta do Sol.

Terras cujos habitantes, na sua maioria, não tinham telefone em casa ou carro, sendo a esporádica ida a Lisboa uma odisseia. De tal modo, que era comum estrear roupa para se poder chegar com a mesma digna e honrada urbanidade dos de lá, embora mal disfarçada pelas duas horas e meia de distância, com tanta curva para tornear, tanta localidade para atravessar, tanto tractor para ultrapassar, só faltando mesmo as pombas assassinadas mas também convém não exagerar. Ainda há pouco tempo fiz esse percurso e fiquei com a sensação de que mais do que percorrer uma estrada estava a folhear um calendário para trás como no início do Written on the Wind, do Douglas Sirk.
Hoje, qualquer torrejano de 18 anos chega a Lisboa para estudar de cabeça levantada, sendo apenas mais um jovem português com h grande. Que importância tem ser de Torres Novas ou morar nas Avenidas Novas num mundo em que o espaço real é cada vez menos importante? O jovem de Alcorriol já viu no youtube os mesmos vídeos do betinho de Lisboa, o da Brogueira sacou os mesmos filmes, o de Alcorriol anda com o mesmo smartphone com as mesmas centenas de música e o de Assentiz comunica via whatsapp ou skype com qualquer pessoa do mundo inteiro e à caixa do correio do de Liteiros vão parar os mesmos produtos comprados na Amazon ou na OLX, descobertos num espaço que já não é medido em quilómetros mas em segundos.

Mesmo ir hoje estudar para Lisboa é apenas ir estudar para a cidade onde já se foi inúmeras vezes para ir dar uma volta pelo Colombo, aos pastéis de Belém ou até mesmo a concertos, que hoje já toda a gente tem carro para ir levar os filhos ao Entroncamento para apanhar o Intercidades. Bem, talvez precise de continuar a explicar que em Torres Novas não há Carnaval, mas já sem qualquer complexo de inferioridade, sabendo que isso se deve apenas à estupidez do lisboeta que passou centenas de vezes na saída da A1 para Torres Novas mas cuja pobre cabeça é como a daqueles americanos broncos que não sabem localizar a França no mapa da Europa.

Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas. A frase, sendo elogiosa aqui para a terra, não deixava de espelhar um certo provincianismo e orgulho paroquial. Hoje, quantos jovens a dirão? É que, como diria Sócrates (o filósofo, claro), ou até S. Paulo, não há lisboeta, nem torrejano, nem riachense, apenas cidadãos de um mesmo espaço que é de todos e não é de ninguém. Atenas e Jerusalém continuam a ser os eixos da nossa civilização, nem que seja para ligar o Terreiro do Paço ao largo da Botica.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas