• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 20 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 36° / 21°
Céu limpo
Sáb.
 36° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 31° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 17°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A COMBINAÇÃO

Opinião  »  2015-06-03  »  José Ricardo Costa

"O fim da combinação é o de toda uma concepção de sensualidade feminina"

Há peças de roupa que só vimos em museus ou em pinturas, gravuras, filmes históricos. Podemos ter a consciência do que é um gibão um chaperon, a crinolina, uma casaca, um espartilho, um corpete ou uma cartola, mas trata-se de uma consciência indirecta, não intuitiva, muito diferente da consciência espontânea e imediata que temos de um casaco, saia, calças, polo ou pijama.

Há um pequeno texto de Jorge Luís Borges chamado A Testemunha, onde somos levados até uma Idade Média ainda longe das catedrais, dos frescos de Giotto, dessa outra majestática catedral de conceitos que é a Summa Theologica, das cidades com os seus artesãos, comerciantes e banqueiros, para nos apresentar um homem de um mundo ainda pagão mas em cujo quotidiano já se ouvem os primeiros sinos cristãos. Quando estudamos História, dizemos que há um mundo antes de Cristo e outro depois de Cristo. Mas entre os dois? Não haverá duas correntes distintas que coincidem num único ponto onde sobrevive um "último homem" de um universo que irá brevemente morrer?

Ora, foi uma espécie de "último homem" que me senti, há dias, numa aula, ao descobrir que nenhum aluno ou aluna sabia o que é uma combinação. Enquanto lhes explicava o que é, olhavam para mim como se fosse um professor de História a falar do gibão ou da crinolina. Como o homem do conto de Borges, eu faço parte de um mundo onde existe ainda uma consciência espontânea e imediata do que é uma combinação, a qual, entretanto, já se tornou um objecto de uma consciência histórica.

O fim da combinação representa muito mais do que o fim de uma peça de roupa com uma determinada função: é o fim de toda uma concepção de sensualidade feminina. A combinação é um vestido que não é um vestido. O vestido tem uma natureza pública, sendo escolhido pela mulher para ser publicamente vista com ele, e tendo um papel importante na sua identidade pessoal e social. A combinação, pelo contrário, está protegida do olhar público, surgindo na fronteira entre a área privada da pele e a área pública do vestido. É precisamente essa fronteira que lhe confere toda a sua superlativa sensualidade, mais até do que a lingerie mais íntima. Porquê?

Um corpo feminino apenas coberto com a lingerie mais íntima já é um corpo sobreexposto, tal como acontece com um biquíni, que é uma peça de roupa pública. Se virmos a Terra a partir do espaço, o que mais se observa é água. Do mesmo modo, num corpo apenas coberto com a lingerie mais íntima, o que mais se vê é pele, sendo, por isso, um corpo aberto ao olhar. Já um corpo coberto por uma combinação possibilita um nível de sensualidade bem mais complexo. Já não se trata de uma intimidade aberta e sem segredos como a da lingerie mais íntima mas de uma intimidade marcada por um jogo dialéctico entre a lógica do pudor, do velamento, da discrição e da insinuação de uma morfologia carnal possibilitada pela presença de um tecido sedoso e fino que contorna subtilmente as formas do corpo.

Neste sentido, a combinação surge já como uma metonímia, a expressão de uma contiguidade entre a textura do corpo e a textura que o cobre, uma textura velada e outra que a desvela. A combinação é um isco que atrai o olhar para o corpo mas com ardiloso pretexto de o proteger desse olhar. Maior sensualidade é impossível. Paz à sua alma e ao nosso olhar masculino desgraçadamente privado dessa dádiva do vestuário feminino.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée