• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A COMBINAÇÃO

Opinião  »  2015-06-03  »  José Ricardo Costa

"O fim da combinação é o de toda uma concepção de sensualidade feminina"

Há peças de roupa que só vimos em museus ou em pinturas, gravuras, filmes históricos. Podemos ter a consciência do que é um gibão um chaperon, a crinolina, uma casaca, um espartilho, um corpete ou uma cartola, mas trata-se de uma consciência indirecta, não intuitiva, muito diferente da consciência espontânea e imediata que temos de um casaco, saia, calças, polo ou pijama.

Há um pequeno texto de Jorge Luís Borges chamado A Testemunha, onde somos levados até uma Idade Média ainda longe das catedrais, dos frescos de Giotto, dessa outra majestática catedral de conceitos que é a Summa Theologica, das cidades com os seus artesãos, comerciantes e banqueiros, para nos apresentar um homem de um mundo ainda pagão mas em cujo quotidiano já se ouvem os primeiros sinos cristãos. Quando estudamos História, dizemos que há um mundo antes de Cristo e outro depois de Cristo. Mas entre os dois? Não haverá duas correntes distintas que coincidem num único ponto onde sobrevive um "último homem" de um universo que irá brevemente morrer?

Ora, foi uma espécie de "último homem" que me senti, há dias, numa aula, ao descobrir que nenhum aluno ou aluna sabia o que é uma combinação. Enquanto lhes explicava o que é, olhavam para mim como se fosse um professor de História a falar do gibão ou da crinolina. Como o homem do conto de Borges, eu faço parte de um mundo onde existe ainda uma consciência espontânea e imediata do que é uma combinação, a qual, entretanto, já se tornou um objecto de uma consciência histórica.

O fim da combinação representa muito mais do que o fim de uma peça de roupa com uma determinada função: é o fim de toda uma concepção de sensualidade feminina. A combinação é um vestido que não é um vestido. O vestido tem uma natureza pública, sendo escolhido pela mulher para ser publicamente vista com ele, e tendo um papel importante na sua identidade pessoal e social. A combinação, pelo contrário, está protegida do olhar público, surgindo na fronteira entre a área privada da pele e a área pública do vestido. É precisamente essa fronteira que lhe confere toda a sua superlativa sensualidade, mais até do que a lingerie mais íntima. Porquê?

Um corpo feminino apenas coberto com a lingerie mais íntima já é um corpo sobreexposto, tal como acontece com um biquíni, que é uma peça de roupa pública. Se virmos a Terra a partir do espaço, o que mais se observa é água. Do mesmo modo, num corpo apenas coberto com a lingerie mais íntima, o que mais se vê é pele, sendo, por isso, um corpo aberto ao olhar. Já um corpo coberto por uma combinação possibilita um nível de sensualidade bem mais complexo. Já não se trata de uma intimidade aberta e sem segredos como a da lingerie mais íntima mas de uma intimidade marcada por um jogo dialéctico entre a lógica do pudor, do velamento, da discrição e da insinuação de uma morfologia carnal possibilitada pela presença de um tecido sedoso e fino que contorna subtilmente as formas do corpo.

Neste sentido, a combinação surge já como uma metonímia, a expressão de uma contiguidade entre a textura do corpo e a textura que o cobre, uma textura velada e outra que a desvela. A combinação é um isco que atrai o olhar para o corpo mas com ardiloso pretexto de o proteger desse olhar. Maior sensualidade é impossível. Paz à sua alma e ao nosso olhar masculino desgraçadamente privado dessa dádiva do vestuário feminino.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...