• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A COMBINAÇÃO

Opinião  »  2015-06-03  »  José Ricardo Costa

"O fim da combinação é o de toda uma concepção de sensualidade feminina"

Há peças de roupa que só vimos em museus ou em pinturas, gravuras, filmes históricos. Podemos ter a consciência do que é um gibão um chaperon, a crinolina, uma casaca, um espartilho, um corpete ou uma cartola, mas trata-se de uma consciência indirecta, não intuitiva, muito diferente da consciência espontânea e imediata que temos de um casaco, saia, calças, polo ou pijama.

Há um pequeno texto de Jorge Luís Borges chamado A Testemunha, onde somos levados até uma Idade Média ainda longe das catedrais, dos frescos de Giotto, dessa outra majestática catedral de conceitos que é a Summa Theologica, das cidades com os seus artesãos, comerciantes e banqueiros, para nos apresentar um homem de um mundo ainda pagão mas em cujo quotidiano já se ouvem os primeiros sinos cristãos. Quando estudamos História, dizemos que há um mundo antes de Cristo e outro depois de Cristo. Mas entre os dois? Não haverá duas correntes distintas que coincidem num único ponto onde sobrevive um "último homem" de um universo que irá brevemente morrer?

Ora, foi uma espécie de "último homem" que me senti, há dias, numa aula, ao descobrir que nenhum aluno ou aluna sabia o que é uma combinação. Enquanto lhes explicava o que é, olhavam para mim como se fosse um professor de História a falar do gibão ou da crinolina. Como o homem do conto de Borges, eu faço parte de um mundo onde existe ainda uma consciência espontânea e imediata do que é uma combinação, a qual, entretanto, já se tornou um objecto de uma consciência histórica.

O fim da combinação representa muito mais do que o fim de uma peça de roupa com uma determinada função: é o fim de toda uma concepção de sensualidade feminina. A combinação é um vestido que não é um vestido. O vestido tem uma natureza pública, sendo escolhido pela mulher para ser publicamente vista com ele, e tendo um papel importante na sua identidade pessoal e social. A combinação, pelo contrário, está protegida do olhar público, surgindo na fronteira entre a área privada da pele e a área pública do vestido. É precisamente essa fronteira que lhe confere toda a sua superlativa sensualidade, mais até do que a lingerie mais íntima. Porquê?

Um corpo feminino apenas coberto com a lingerie mais íntima já é um corpo sobreexposto, tal como acontece com um biquíni, que é uma peça de roupa pública. Se virmos a Terra a partir do espaço, o que mais se observa é água. Do mesmo modo, num corpo apenas coberto com a lingerie mais íntima, o que mais se vê é pele, sendo, por isso, um corpo aberto ao olhar. Já um corpo coberto por uma combinação possibilita um nível de sensualidade bem mais complexo. Já não se trata de uma intimidade aberta e sem segredos como a da lingerie mais íntima mas de uma intimidade marcada por um jogo dialéctico entre a lógica do pudor, do velamento, da discrição e da insinuação de uma morfologia carnal possibilitada pela presença de um tecido sedoso e fino que contorna subtilmente as formas do corpo.

Neste sentido, a combinação surge já como uma metonímia, a expressão de uma contiguidade entre a textura do corpo e a textura que o cobre, uma textura velada e outra que a desvela. A combinação é um isco que atrai o olhar para o corpo mas com ardiloso pretexto de o proteger desse olhar. Maior sensualidade é impossível. Paz à sua alma e ao nosso olhar masculino desgraçadamente privado dessa dádiva do vestuário feminino.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição