• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As folgas dos democratas

Opinião  »  2008-06-26  »  João Lérias

Durante décadas, a palavra liberdade foi o ás de espadas da esgrima ideológica que ficou conhecida como Guerra-fria. Mesmo desconfiando, por exemplo de paradoxos como o Chile de Pinochet e considerando outros condicionalismos, como a disponibilidade financeira ou a instrução, importantes grilhões das opções individuais, parecia claro à imensa maioria das populações que estas contradições eram preferíveis a viver do lado de lá da Cortina de Ferro. Perspectiva que advinha essencialmente da capacidade de eleger os seus representantes, de comandar parte do seu destino. Liberdade abandonava o plano dos conceitos e tornava-se palpável, vivida a partir da democracia, que tinha nos actos eleitorais o seu esteio mais importante. Os excêntricos primeiros anos do século XXI, desenterraram um mundo espartilhado, se bem que menos polarizado. Se os democratas, eram os de sempre, os tiranos indesejáveis apresentavam agora nuances várias. Aos recém chegados ao grupo, apontou-se o estigma da interpretação radical de uma religião, com a correspondente acção terrorista. Aos mais clássicos, governos interessados em implementar novas formas de relacionamento económico, divergentes dos “democráticos” OMC e FMI, tornou-se mais difícil aplicar o carimbo. Como o de Hugo Chavez, um dos regimes mais plebiscitados de que há memória, o que não impede que a guarda pretoriana do modelo dominante, acantonada pelas colunas de opinião da imprensa escrita e pelas tertúlias televisivas e radiofónicas, propriedade dos seus Neros, continuasse a invectivar o que consideram um episódio anacrónico do “ caminho para a servidão” socialista. Revelando, no fundo, que as palavras liberdade e democracia, nalgumas vozes, são apenas uma espécie de formula mágica, com o duplo objectivo de induzir uma falsa sensação de protagonismo aos seus eleitores e, paralelamente, como forma de exorcizar qualquer heterodoxia no plano económico. Afirmação que sai reforçada pelos últimos acontecimentos, sendo sintomáticas algumas reacções ao Não irlandês, país onde praticamente toda a classe politica local tinha expresso opinião diversa. Por cá, muitos - entre os quais os mais ardentes defensores da exportação à bomba da democracia para o Iraque e Afeganistão - defenderam, com a habitual congruência que caracteriza as suas declarações, um ponto comum: 800.000 ruivos emperram agora a marcha de 500 milhões de europeus rumo ao paraíso, sendo necessário calar a sua voz, seja com novo plebiscito, seja “castigando” os ingratos com a exclusão momentânea da vanguarda da construção da sua Europa, aquela que, por exemplo, abre a porta ao prolongamento dos horários de trabalho até á insanidade ou se prepara para tratar os trabalhadores estrangeiros como criminosos. Se calhar, estou a resvalar também para a barricada do terrorismo, da tirania, da opressão, mas a minha leitura é um pouco diversa. Parece-me antes que, mais metade dos 100% de europeus efectivamente chamados a expressar a sua opinião, recusaram o diktat e não querem este modelo de integração europeia. Veremos até onde chega esta autista dissociação entre a vontade popular e os peões do poder económico, um jogo perigosíssimo para o elo mais fraco. Vários exemplos históricos demonstram, que os senhores do Mundo, em última instancia, mandam a toalha ao chão, esquecem o discurso que os legitimou anteriormente e voltam ao esquema da bota cardada e do bastão. Em geral, para o justificar, só precisam de um inimigo externo e outro interno. Ora, nos canais de propaganda da especialidade tem-se falado, demasiado insistentemente, do binómio potências emergentes/imigração ilegal…

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?