• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A dama de ferro

Opinião  »  2008-07-03  »  João Lérias

A formação adquirida junto das instituições oficiais, muito embora não seja o único vector de aprendizagem possível, tem uma característica que a torna substancialmente diferente de todas as restantes: mau grado algumas nuances de estilo, têm como público-alvo a esmagadora maioria da população. Assim, assume um papel inequivocamente formatador da sociedade em geral, função que vai sendo utilizada, com gradações várias de subtileza, pelos detentores do poder político. Seja com propaganda declarada ou enviando sinais quase subliminares, os usufrutuários do Estado, mantêm apertada vigilância sobre os conteúdos vinculados. Nos últimos anos, com a argumentação basilar da adaptação dos currículos às necessidades estruturais do mercado de trabalho, tem-se desprezado de forma continuada, disciplinas como a Sociologia, História ou Filosofia.

No entanto, a escola deveria ser não apenas uma linha de montagem de mãos laboriosas, diplomadas ou não, mas antes o esteio da cidadania. Afastando aquelas disciplinas estamos a criar uma massa amorfa de cidadão cuja integração na política - no sentido etimológico da palavra, significando o governo da cidade – não assenta na sua análise a partir de posturas éticas, organizacionais ou diacrónicas, mas meramente na procura de satisfação de necessidades individuais a curto prazo, reduzindo a sua participação a um impulso afectivo.

O que alimenta problemas estruturais, que em última instância se traduzem no definhamento da própria democracia, que todos denunciam, mas muitos apreciam. Um deles o mais evidente, o afastamento da população em geral de tudo o que tenha um leve odor a associativismo, com outra dimensão que não a lúdica, diminuindo assim, voluntariamente, a sua capacidade para se fazer ouvir.

Depois, faltando a noção de devir, o eleitor está constantemente refém da chantagem do mal menor, uma vez que não possui bagagem informativa suficiente para compreender que, sucessivamente, as verdades absolutas de hoje, são construções ideológicas que tem como missão manter o status quo. Tomemos o exemplo da escravatura ou do domínio colonial, que a seu tempo, foram vendidos às populações como modelos económicos, que a serem desmantelados, provocariam recessões e misérias generalizadas.

Por fim, mesmo a mais atávica da medidas ou o mais conservador dos discursos, será conscientemente mascarado de Modernidade, o único produto que vende neste País que foge do cinzentismo salazarista infestando o seu belíssimo território com betão, comprando compulsivamente e endividando-se até aos limites do razoável, sem que o destinatário da mensagem perceba que vêm aí retrocessos civilizacionais de proporções gigantescas.

No fundo, é o cenário ideal para quem tem na vitória do próximo round eleitoral, senão o único, pelo menos o grande estímulo para participar na coisa pública. Mas, por vezes, também ocorrem dissabores, e a mole que foi sufragando cegamente um senhor, apertada pelo torniquete da crise, corre para o regaço de um outro populismo, empurrando-o, e aos seus, para longas travessias do deserto. E todos conhecem estas regras básicas. Na outra bancada do centrão, a Dama de Ferro lusa é agora, toda ela, subsídios sociais e apoios «a quem mais precisa». No país real, já poucos se lembram da amazona tecnocrata e do combate sem tréguas ao défice, usando como munição preferida os rendimentos dos mais descapitalizados.

E o País, o conjunto de todas as nossas pequenas vidas e anseios, enredado na ”alternância democrática”, vai empobrecendo, culturalmente e financeiramente. Felizmente, pelo menos por agora, com o nosso beneplácito.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


Opções »  2019-02-21  »  Anabela Santos

E de repente, quando somos agradavelmente surpreendidos por um montante razoável em euros de que não estávamos à espera, a reação é de espanto e de alegria. Faz falta, é sempre bem vindo.

A partir do momento em que recebemos tão agradável notícia, impõe-se um pensamento … o que fazer com todo o dinheiro recebido?
O mais correto e consciente seria poupar, mas como há tantas coisas pendentes que nunca foram resolvidas por não haver essa tal quantia, a hipótese da poupança põe-se logo de parte.
(ler mais...)


Para quê tanto vermelho? »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.
(ler mais...)


Beija o chão e abraça a humilhação »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.
(ler mais...)


Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa »  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia

1. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. O que se tem vindo a saber da Caixa Geral de Depósitos dá razão aos que, na União Europeia, julgam ser necessário impor uma espécie de protectorado aos países do sul da Europa.
(ler mais...)


Lisboetas? »  2019-02-07  »  Inês Vidal

Tento fazer este exercício: o que é que as pessoas que não conhecem Torres Novas ficaram a saber sobre o nosso concelho, depois de lerem o artigo publicitário disfarçado de reportagem, que saiu no sábado numa alegada revista, de um honrado semanário nacional? Ora bem.
(ler mais...)


Caminhamos para o abismo »  2019-02-07  »  António Gomes

Foi recentemente colocado em discussão pública (já terminada) o Plano Estratégico Educativo Municipal para os próximos 4 anos. Este plano é da responsabilidade da autarquia, que o encomendou a um centro de estudos da Universidade Nova de Lisboa coordenado pelo professor David Justino.
(ler mais...)


Caridade ou justiça social »  2019-02-07  »  Anabela Santos

O “Gui” que não é Gui, torrejano que não é torrejano, miúdo que já não é miúdo, vagueia pela cidade durante o dia e noite absorvido pelos seus pensamentos, com um olhar vago, distante.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-28  »  Inês Vidal Quim
»  2019-01-25  »  Jorge Carreira Maia Lições de História
»  2019-01-30  »  Gabriel Feitor O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado
»  2019-02-07  »  Inês Vidal Lisboetas?
»  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa