• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A dama de ferro

Opinião  »  2008-07-03  »  João Lérias

A formação adquirida junto das instituições oficiais, muito embora não seja o único vector de aprendizagem possível, tem uma característica que a torna substancialmente diferente de todas as restantes: mau grado algumas nuances de estilo, têm como público-alvo a esmagadora maioria da população. Assim, assume um papel inequivocamente formatador da sociedade em geral, função que vai sendo utilizada, com gradações várias de subtileza, pelos detentores do poder político. Seja com propaganda declarada ou enviando sinais quase subliminares, os usufrutuários do Estado, mantêm apertada vigilância sobre os conteúdos vinculados. Nos últimos anos, com a argumentação basilar da adaptação dos currículos às necessidades estruturais do mercado de trabalho, tem-se desprezado de forma continuada, disciplinas como a Sociologia, História ou Filosofia.

No entanto, a escola deveria ser não apenas uma linha de montagem de mãos laboriosas, diplomadas ou não, mas antes o esteio da cidadania. Afastando aquelas disciplinas estamos a criar uma massa amorfa de cidadão cuja integração na política - no sentido etimológico da palavra, significando o governo da cidade – não assenta na sua análise a partir de posturas éticas, organizacionais ou diacrónicas, mas meramente na procura de satisfação de necessidades individuais a curto prazo, reduzindo a sua participação a um impulso afectivo.

O que alimenta problemas estruturais, que em última instância se traduzem no definhamento da própria democracia, que todos denunciam, mas muitos apreciam. Um deles o mais evidente, o afastamento da população em geral de tudo o que tenha um leve odor a associativismo, com outra dimensão que não a lúdica, diminuindo assim, voluntariamente, a sua capacidade para se fazer ouvir.

Depois, faltando a noção de devir, o eleitor está constantemente refém da chantagem do mal menor, uma vez que não possui bagagem informativa suficiente para compreender que, sucessivamente, as verdades absolutas de hoje, são construções ideológicas que tem como missão manter o status quo. Tomemos o exemplo da escravatura ou do domínio colonial, que a seu tempo, foram vendidos às populações como modelos económicos, que a serem desmantelados, provocariam recessões e misérias generalizadas.

Por fim, mesmo a mais atávica da medidas ou o mais conservador dos discursos, será conscientemente mascarado de Modernidade, o único produto que vende neste País que foge do cinzentismo salazarista infestando o seu belíssimo território com betão, comprando compulsivamente e endividando-se até aos limites do razoável, sem que o destinatário da mensagem perceba que vêm aí retrocessos civilizacionais de proporções gigantescas.

No fundo, é o cenário ideal para quem tem na vitória do próximo round eleitoral, senão o único, pelo menos o grande estímulo para participar na coisa pública. Mas, por vezes, também ocorrem dissabores, e a mole que foi sufragando cegamente um senhor, apertada pelo torniquete da crise, corre para o regaço de um outro populismo, empurrando-o, e aos seus, para longas travessias do deserto. E todos conhecem estas regras básicas. Na outra bancada do centrão, a Dama de Ferro lusa é agora, toda ela, subsídios sociais e apoios «a quem mais precisa». No país real, já poucos se lembram da amazona tecnocrata e do combate sem tréguas ao défice, usando como munição preferida os rendimentos dos mais descapitalizados.

E o País, o conjunto de todas as nossas pequenas vidas e anseios, enredado na ”alternância democrática”, vai empobrecendo, culturalmente e financeiramente. Felizmente, pelo menos por agora, com o nosso beneplácito.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa