• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 16° / 6°
Céu nublado
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Qui.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  13° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A dama de ferro

Opinião  »  2008-07-03  »  João Lérias

A formação adquirida junto das instituições oficiais, muito embora não seja o único vector de aprendizagem possível, tem uma característica que a torna substancialmente diferente de todas as restantes: mau grado algumas nuances de estilo, têm como público-alvo a esmagadora maioria da população. Assim, assume um papel inequivocamente formatador da sociedade em geral, função que vai sendo utilizada, com gradações várias de subtileza, pelos detentores do poder político. Seja com propaganda declarada ou enviando sinais quase subliminares, os usufrutuários do Estado, mantêm apertada vigilância sobre os conteúdos vinculados. Nos últimos anos, com a argumentação basilar da adaptação dos currículos às necessidades estruturais do mercado de trabalho, tem-se desprezado de forma continuada, disciplinas como a Sociologia, História ou Filosofia.

No entanto, a escola deveria ser não apenas uma linha de montagem de mãos laboriosas, diplomadas ou não, mas antes o esteio da cidadania. Afastando aquelas disciplinas estamos a criar uma massa amorfa de cidadão cuja integração na política - no sentido etimológico da palavra, significando o governo da cidade – não assenta na sua análise a partir de posturas éticas, organizacionais ou diacrónicas, mas meramente na procura de satisfação de necessidades individuais a curto prazo, reduzindo a sua participação a um impulso afectivo.

O que alimenta problemas estruturais, que em última instância se traduzem no definhamento da própria democracia, que todos denunciam, mas muitos apreciam. Um deles o mais evidente, o afastamento da população em geral de tudo o que tenha um leve odor a associativismo, com outra dimensão que não a lúdica, diminuindo assim, voluntariamente, a sua capacidade para se fazer ouvir.

Depois, faltando a noção de devir, o eleitor está constantemente refém da chantagem do mal menor, uma vez que não possui bagagem informativa suficiente para compreender que, sucessivamente, as verdades absolutas de hoje, são construções ideológicas que tem como missão manter o status quo. Tomemos o exemplo da escravatura ou do domínio colonial, que a seu tempo, foram vendidos às populações como modelos económicos, que a serem desmantelados, provocariam recessões e misérias generalizadas.

Por fim, mesmo a mais atávica da medidas ou o mais conservador dos discursos, será conscientemente mascarado de Modernidade, o único produto que vende neste País que foge do cinzentismo salazarista infestando o seu belíssimo território com betão, comprando compulsivamente e endividando-se até aos limites do razoável, sem que o destinatário da mensagem perceba que vêm aí retrocessos civilizacionais de proporções gigantescas.

No fundo, é o cenário ideal para quem tem na vitória do próximo round eleitoral, senão o único, pelo menos o grande estímulo para participar na coisa pública. Mas, por vezes, também ocorrem dissabores, e a mole que foi sufragando cegamente um senhor, apertada pelo torniquete da crise, corre para o regaço de um outro populismo, empurrando-o, e aos seus, para longas travessias do deserto. E todos conhecem estas regras básicas. Na outra bancada do centrão, a Dama de Ferro lusa é agora, toda ela, subsídios sociais e apoios «a quem mais precisa». No país real, já poucos se lembram da amazona tecnocrata e do combate sem tréguas ao défice, usando como munição preferida os rendimentos dos mais descapitalizados.

E o País, o conjunto de todas as nossas pequenas vidas e anseios, enredado na ”alternância democrática”, vai empobrecendo, culturalmente e financeiramente. Felizmente, pelo menos por agora, com o nosso beneplácito.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder