• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O regresso da caridade

Opinião  »  2008-07-31  »  João Lérias

Para caracterizar uma época histórica, em geral, é necessário algum distanciamento dos acontecimentos, para que todas as variáveis sejam correctamente analisadas e os contraditórios possam esbater-se com a discussão. No entanto, os anos entre o fim da Segunda Guerra Mundial e choque petrolífero dos finais dos setenta, são unanimemente apresentado como um período de inaudita prosperidade.

Eric Hobsbawn, um dos mais conceituados historiadores da Contemporaneidade, não hesita mesmo em classificá-lo como as ”décadas de ouro” do modelo capitalista. De facto, o crescimento económico desta época, teve sempre uma correspondência directa com o bem-estar das populações. Tudo isto temperado com um clima de paz nunca antes observável na História. Segredo do sucesso? A incorporação de elementos de economia socialista – destaque-se a difusão do Estado Previdência, da política de altos salários e desemprego praticamente inexistente, assente na profusão de emprego público, a par da nacionalização de parte do tecido produtivo – geralmente denominados de keynesianos, para mitigar a assunção de que o modo de produção antagónico, afinal tinha virtudes indiscutíveis.

Tenhamos em atenção que partíamos de uma situação próxima da catástrofe, com a Europa em ruínas, as economias totalmente descapitalizadas, o mercado extremamente dormente e as potências coloniais espoliadas das suas coutadas de matéria-prima… Assim, a argumentação esgrimida pelos socialistas ”modernos”, que se justificam com a conjuntura internacional, para levar a cabo uma das maiores ofensivas de sempre ao que realmente importa para os comuns dos mortais – as condições da obtenção do seu salário e o valor do mesmo – apresenta-se próxima do ridículo.

Assiste-se mesmo a um recuo generalizado nas modalidades da política social, que nos transportam para os tristes momentos da via assistencial e caritativa. Muito respeitador do consenso de Washington, o nosso primeiro-ministro vai distribuindo descontos nos transportes públicos e nos impostos sobre os imóveis, deixando praticamente intactos os grilhões chamados recibos verdes, mantendo um salário mínimo que roça a indigência e preparando o assalto final ao direito às férias.

Comportamentos tão diversos de partidos denominados socialistas, conduzem inevitavelmente à conclusão avançada pelo investigador já citad o labor aparentemente socializante e democrático, entre 1945-1980, foi basicamente um aluguer da paz social, autorizado pelo Capital, entretanto assustado pela catástrofe bélica, mas ainda mais pelo expansionismo soviético. Demonstrando que, em última analise, os partidos próximos do centro, tendem a obedecer à voz do dono, esquecendo a dos seus votantes.

Aparentemente, no seio do nosso PS, vão-se levantando vozes que não abdicam da carga ideológica que a denominação deveria acarretar. Aguardemos os passos futuros, esperando que sejam consequentes com as suas reivindicações e posicionamentos. Caso contrário, cumprirão a incómoda posição de contribuir para a sobrevivência de políticas que afirmam contestar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-07-05  »  Inês Vidal Umbigos, por Inês Vidal
»  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica
»  2019-07-04  »  António Gomes PLANTAR ÁRVORES
»  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia Balanço político da legislatura