• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 24 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 33° / 22°
Períodos nublados
Qua.
 34° / 19°
Céu limpo
Ter.
 36° / 22°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  38° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Crise Inflamatória

Opinião  »  2008-10-23  »  Eduarda Gameiro

No início da era cristã, Cornelius Celsius, médico romano identificou e divulgou os principais sintimas evidenciadores de uma inflamaçã ”Rubor, Tumor [inchaço], Calor, Dor”. Posteriormente, o polaco Rudolf Virchow acrescentaria a essa lista a ”perda de função” das células lesadas no processo inflamatório. Caracterizava-se, assim, o que é uma inflamação para quem a sente ou para quem a vê. Mas, como Celsius e Virchow certamente saberiam, é impossível trata-la sem compreendermos adequadamente o que está errado no jogo de forças opostas do campo de batalha em que o nosso corpo se transforma.

O mercado mundial está em crise. A bolsa aproxima-se de um crash que pode atingir proporções semelhantes ao que abalou o mundo a nível político, económico e social em 1929. Sabemos disso porque contemplamos com desconforto o aparecimento dos seus sintomas no nosso bolso. O dinheiro começa a faltar, as dívidas vão aumentando e a confiança necessária para investir diminui drasticamente. Entra-se assim numa espiral interminável, num poço sem fundo que nos separará cada vez mais do bem-estar.

Uma crise nos mercados financeiros, para quem conhece algumas noções de economia (o que não é o meu caso), poderia ser comprada a uma inflamação, ou seja, a um jogo entre forças opostas, entre organismos maiores e mais pequenos, entre presas e predadores, que tende para um equilíbri a morte ou a saúde do capital. E o seu fim, qualquer que seja, acarreta sempre o benefício dos interesses de algumas das entidades em confronto, acompanhado por uma redistribuição ainda mais injusta dos bens em jogo. Então, se a morte desse organismo gigante que é o dinheiro lançaria o mundo num caos para que ninguém está preparado, manutenção da sua saúde acaba por envolver o sacrifício de muitas dessas pequenas células. Morrem as inocentes, que viviam a sua vida à deriva neste mar de fluxo de riquezas, sem vontade de o navegar ou de sair dele.

Porém, a crise, para nós, é apenas o conjunto de sintomas que sentimos na pele. Não é mais que o inchaço das dívidas… Que o calor que se apodera de nós quando nos ajoelhamos perante tudo o que perdemos… Que o rubor que cobre a face dum homem que percebeu subitamente que não tem como sustentar a família… Que a dor de ficar pelo caminho, abandonado à fome e à sede no deserto, nesta corrida pelo dinheiro em que a sociedade nos coloca à nascença… Que a dor de ser condenado à morte, à perda de função, pelo dólar.

Não podemos perder-nos na ignorância dos grandes movimentos financeiros mundiais, como alguém que esbarra na pele de um corpo inflamado. Mesmo não conhecendo a anatomia dos mercados ou a fisiologia das grandes transacções, é importante que cheiremos a doença bem profunda e inerente a todos estes sintomas. É importante estar alerta para a verdadeira natureza da crise, para a sua razão de ser e para quem ganha com ela.

A crise existe por uma razão, e é orientada para uma certa finalidade. Não a conheço nem me atrevo a tentar adivinhá-la, mas pressinto algo de errado por detrás destes sintomas. Precisamos de reconhecer o que está mal aqui e de o tratar, já que se está a tornar cada vez mais insuportável para cada vez mais gente…E começa-se a tornar óbvio quem são os predadores que vão ganhar com isto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)