• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 20 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 26° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 27° / 12°
Períodos nublados
Ter.
 24° / 11°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 10°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Crise Inflamatória

Opinião  »  2008-10-23  »  Eduarda Gameiro

No início da era cristã, Cornelius Celsius, médico romano identificou e divulgou os principais sintimas evidenciadores de uma inflamaçã ”Rubor, Tumor [inchaço], Calor, Dor”. Posteriormente, o polaco Rudolf Virchow acrescentaria a essa lista a ”perda de função” das células lesadas no processo inflamatório. Caracterizava-se, assim, o que é uma inflamação para quem a sente ou para quem a vê. Mas, como Celsius e Virchow certamente saberiam, é impossível trata-la sem compreendermos adequadamente o que está errado no jogo de forças opostas do campo de batalha em que o nosso corpo se transforma.

O mercado mundial está em crise. A bolsa aproxima-se de um crash que pode atingir proporções semelhantes ao que abalou o mundo a nível político, económico e social em 1929. Sabemos disso porque contemplamos com desconforto o aparecimento dos seus sintomas no nosso bolso. O dinheiro começa a faltar, as dívidas vão aumentando e a confiança necessária para investir diminui drasticamente. Entra-se assim numa espiral interminável, num poço sem fundo que nos separará cada vez mais do bem-estar.

Uma crise nos mercados financeiros, para quem conhece algumas noções de economia (o que não é o meu caso), poderia ser comprada a uma inflamação, ou seja, a um jogo entre forças opostas, entre organismos maiores e mais pequenos, entre presas e predadores, que tende para um equilíbri a morte ou a saúde do capital. E o seu fim, qualquer que seja, acarreta sempre o benefício dos interesses de algumas das entidades em confronto, acompanhado por uma redistribuição ainda mais injusta dos bens em jogo. Então, se a morte desse organismo gigante que é o dinheiro lançaria o mundo num caos para que ninguém está preparado, manutenção da sua saúde acaba por envolver o sacrifício de muitas dessas pequenas células. Morrem as inocentes, que viviam a sua vida à deriva neste mar de fluxo de riquezas, sem vontade de o navegar ou de sair dele.

Porém, a crise, para nós, é apenas o conjunto de sintomas que sentimos na pele. Não é mais que o inchaço das dívidas… Que o calor que se apodera de nós quando nos ajoelhamos perante tudo o que perdemos… Que o rubor que cobre a face dum homem que percebeu subitamente que não tem como sustentar a família… Que a dor de ficar pelo caminho, abandonado à fome e à sede no deserto, nesta corrida pelo dinheiro em que a sociedade nos coloca à nascença… Que a dor de ser condenado à morte, à perda de função, pelo dólar.

Não podemos perder-nos na ignorância dos grandes movimentos financeiros mundiais, como alguém que esbarra na pele de um corpo inflamado. Mesmo não conhecendo a anatomia dos mercados ou a fisiologia das grandes transacções, é importante que cheiremos a doença bem profunda e inerente a todos estes sintomas. É importante estar alerta para a verdadeira natureza da crise, para a sua razão de ser e para quem ganha com ela.

A crise existe por uma razão, e é orientada para uma certa finalidade. Não a conheço nem me atrevo a tentar adivinhá-la, mas pressinto algo de errado por detrás destes sintomas. Precisamos de reconhecer o que está mal aqui e de o tratar, já que se está a tornar cada vez mais insuportável para cada vez mais gente…E começa-se a tornar óbvio quem são os predadores que vão ganhar com isto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  Ana Sentieiro Amor, vamos dar um tempo
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas
»  2019-04-20  »  Inês Vidal O porco