• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 11 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 15° / 9°
Céu nublado
Qui.
 15° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 15° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 7°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Crise Inflamatória

Opinião  »  2008-10-23  »  Eduarda Gameiro

No início da era cristã, Cornelius Celsius, médico romano identificou e divulgou os principais sintimas evidenciadores de uma inflamaçã ”Rubor, Tumor [inchaço], Calor, Dor”. Posteriormente, o polaco Rudolf Virchow acrescentaria a essa lista a ”perda de função” das células lesadas no processo inflamatório. Caracterizava-se, assim, o que é uma inflamação para quem a sente ou para quem a vê. Mas, como Celsius e Virchow certamente saberiam, é impossível trata-la sem compreendermos adequadamente o que está errado no jogo de forças opostas do campo de batalha em que o nosso corpo se transforma.

O mercado mundial está em crise. A bolsa aproxima-se de um crash que pode atingir proporções semelhantes ao que abalou o mundo a nível político, económico e social em 1929. Sabemos disso porque contemplamos com desconforto o aparecimento dos seus sintomas no nosso bolso. O dinheiro começa a faltar, as dívidas vão aumentando e a confiança necessária para investir diminui drasticamente. Entra-se assim numa espiral interminável, num poço sem fundo que nos separará cada vez mais do bem-estar.

Uma crise nos mercados financeiros, para quem conhece algumas noções de economia (o que não é o meu caso), poderia ser comprada a uma inflamação, ou seja, a um jogo entre forças opostas, entre organismos maiores e mais pequenos, entre presas e predadores, que tende para um equilíbri a morte ou a saúde do capital. E o seu fim, qualquer que seja, acarreta sempre o benefício dos interesses de algumas das entidades em confronto, acompanhado por uma redistribuição ainda mais injusta dos bens em jogo. Então, se a morte desse organismo gigante que é o dinheiro lançaria o mundo num caos para que ninguém está preparado, manutenção da sua saúde acaba por envolver o sacrifício de muitas dessas pequenas células. Morrem as inocentes, que viviam a sua vida à deriva neste mar de fluxo de riquezas, sem vontade de o navegar ou de sair dele.

Porém, a crise, para nós, é apenas o conjunto de sintomas que sentimos na pele. Não é mais que o inchaço das dívidas… Que o calor que se apodera de nós quando nos ajoelhamos perante tudo o que perdemos… Que o rubor que cobre a face dum homem que percebeu subitamente que não tem como sustentar a família… Que a dor de ficar pelo caminho, abandonado à fome e à sede no deserto, nesta corrida pelo dinheiro em que a sociedade nos coloca à nascença… Que a dor de ser condenado à morte, à perda de função, pelo dólar.

Não podemos perder-nos na ignorância dos grandes movimentos financeiros mundiais, como alguém que esbarra na pele de um corpo inflamado. Mesmo não conhecendo a anatomia dos mercados ou a fisiologia das grandes transacções, é importante que cheiremos a doença bem profunda e inerente a todos estes sintomas. É importante estar alerta para a verdadeira natureza da crise, para a sua razão de ser e para quem ganha com ela.

A crise existe por uma razão, e é orientada para uma certa finalidade. Não a conheço nem me atrevo a tentar adivinhá-la, mas pressinto algo de errado por detrás destes sintomas. Precisamos de reconhecer o que está mal aqui e de o tratar, já que se está a tornar cada vez mais insuportável para cada vez mais gente…E começa-se a tornar óbvio quem são os predadores que vão ganhar com isto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder