• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 18 de Julho de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 30° / 16°
Céu limpo
Sex.
 27° / 17°
Períodos nublados
Qui.
 26° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  26° / 16°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Crise Inflamatória

Opinião  »  2008-10-23  »  Eduarda Gameiro

No início da era cristã, Cornelius Celsius, médico romano identificou e divulgou os principais sintimas evidenciadores de uma inflamaçã ”Rubor, Tumor [inchaço], Calor, Dor”. Posteriormente, o polaco Rudolf Virchow acrescentaria a essa lista a ”perda de função” das células lesadas no processo inflamatório. Caracterizava-se, assim, o que é uma inflamação para quem a sente ou para quem a vê. Mas, como Celsius e Virchow certamente saberiam, é impossível trata-la sem compreendermos adequadamente o que está errado no jogo de forças opostas do campo de batalha em que o nosso corpo se transforma.

O mercado mundial está em crise. A bolsa aproxima-se de um crash que pode atingir proporções semelhantes ao que abalou o mundo a nível político, económico e social em 1929. Sabemos disso porque contemplamos com desconforto o aparecimento dos seus sintomas no nosso bolso. O dinheiro começa a faltar, as dívidas vão aumentando e a confiança necessária para investir diminui drasticamente. Entra-se assim numa espiral interminável, num poço sem fundo que nos separará cada vez mais do bem-estar.

Uma crise nos mercados financeiros, para quem conhece algumas noções de economia (o que não é o meu caso), poderia ser comprada a uma inflamação, ou seja, a um jogo entre forças opostas, entre organismos maiores e mais pequenos, entre presas e predadores, que tende para um equilíbri a morte ou a saúde do capital. E o seu fim, qualquer que seja, acarreta sempre o benefício dos interesses de algumas das entidades em confronto, acompanhado por uma redistribuição ainda mais injusta dos bens em jogo. Então, se a morte desse organismo gigante que é o dinheiro lançaria o mundo num caos para que ninguém está preparado, manutenção da sua saúde acaba por envolver o sacrifício de muitas dessas pequenas células. Morrem as inocentes, que viviam a sua vida à deriva neste mar de fluxo de riquezas, sem vontade de o navegar ou de sair dele.

Porém, a crise, para nós, é apenas o conjunto de sintomas que sentimos na pele. Não é mais que o inchaço das dívidas… Que o calor que se apodera de nós quando nos ajoelhamos perante tudo o que perdemos… Que o rubor que cobre a face dum homem que percebeu subitamente que não tem como sustentar a família… Que a dor de ficar pelo caminho, abandonado à fome e à sede no deserto, nesta corrida pelo dinheiro em que a sociedade nos coloca à nascença… Que a dor de ser condenado à morte, à perda de função, pelo dólar.

Não podemos perder-nos na ignorância dos grandes movimentos financeiros mundiais, como alguém que esbarra na pele de um corpo inflamado. Mesmo não conhecendo a anatomia dos mercados ou a fisiologia das grandes transacções, é importante que cheiremos a doença bem profunda e inerente a todos estes sintomas. É importante estar alerta para a verdadeira natureza da crise, para a sua razão de ser e para quem ganha com ela.

A crise existe por uma razão, e é orientada para uma certa finalidade. Não a conheço nem me atrevo a tentar adivinhá-la, mas pressinto algo de errado por detrás destes sintomas. Precisamos de reconhecer o que está mal aqui e de o tratar, já que se está a tornar cada vez mais insuportável para cada vez mais gente…E começa-se a tornar óbvio quem são os predadores que vão ganhar com isto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo.
(ler mais...)


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato A avó Augusta, a foice e a vassoura
»  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia Um concubinato de conveniência
»  2018-07-12  »  José Ricardo Costa F