• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 23 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados
Qui.
 26° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 26° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 15°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O problema do Pai Natal

Opinião  »  2008-12-18  »  Fernando Faria Pereira

O Juiz olhou demoradamente aquela figura caricata de barbas brancas e barriga rubicunda que parecia ausente, sem perceber o que se passava, dir-se-ia divagando pelas estrelas. Depois de ponderar cuidadosamente a matéria submetida a juízo e avaliar as alegações de todas as partes concluiu que, manifestamente, não podia produzir qualquer acusação, (considerando embora a gravidade das mesmas), pela simples razão de que o réu presente em tribunal não constituía figura jurídica não estando por isso abrangida pelas leis que regiam a nação. Assim como entrou, calmo e ponderado mas mantendo aquele olhar distante onde se pressentia o eco da noite mais fria do ano, assim saiu do tribunal sumindo-se de imediato na claridade o dia, caso nunca visto, ludibriando assim o exercito de repórteres que esperavam uma declaração sua, não para esclarecer o caso, mas para justificar perante a opinião pública tão estranho processo judicial. Manteve-se capa de jornal durante bastante tempo, primeira notícia de telejornal, tema de programas radiofónicos, mas o facto incontroverso é que, embora correndo o mundo inteiro, nunca ninguém, nem o mais apurado faro jornalístico, consegui descortinar o mais elementar rasto de tão estranho personagem.

A história tinha começado há algum tempo. Mais concretamente numa longa noite de Inverno no pólo norte, tão a norte que nunca aí chega o nariz preto dum urso polar. O Pai Natal estava sentado confortavelmente junto à sua janela de vidro duplo. Estranhamente melancólico olhava para a imensidão branca, uma paisagem sem cor, ondulada pelo vento forte, agreste e desoladora, sem vida nenhuma mas viva porque faz parte da teia mundial que une o floco de neve do interminável deserto gelado ao mais pequeno ser vivo no oásis de vida da linha imaginária do equador. Mamãe Natal pressentiu a tristeza de Papai Noel e foi-se chegando dengosa, meneando as ancas. Enroscou-se na barba branca, tal ave no ninho, e deixou, como que distraidamente, o roupão, vermelho forte com uma franja branca, deslizar mostrando as pernas esbeltas de pele macia e perfumada… Fez-se calor! E no final do gostoso combate, apenas no final, quando o Pai Natal descansava a imensa barriga sob os lençóis feitos dos mais finos líquenes, só então lhe perguntou qual a razão de ser de tão estranha melancolia, ainda por mais numa figura que tem por principal função distribuir, embora apenas numa noite por ano, a alegria e a paz pelo mundo inteiro dos que acreditam. Ele, depois de demorar as palavras por alguns minutos, respondeu que era justamente por isso; porque estava farto de tentar distribuir a esperança pelo mundo e muito embora soubesses que, no sorriso de uma única criança existe sempre um vislumbre dum segundo da eternidade, só isso não chegava porque logo logo, voltava a fome e o desespero. Ela pesou também demoradamente a resposta para depois, como Eva para Adão, espicaçar no cérebro atormentado de São Nicolau, a dúvida que acabou por ser o rastilho de toda esta estória. Já viste que durante todos estes anos, em que te desdobraste numa noite, voando à revelia dos fusos horários, sempre te preocupaste em distribuir prendas principalmente pelos pobres? Pensa bem paizinho! Soletrou a palavra paizinho com uma voz tão dengosa e quente que, lá fora um glaciar deslizou, subitamente, mais uns metros em direcção ao degelo, com os mesmos efeitos do aquecimento global! Quando dás aos pobres a tua oferta não se multiplica porque eles gastam logo tudo em comida e noutros bens não duradouros ao passo que, se deres aos ricos, eles arranjam maneira de reproduzir o dinheiro, contrariando aquele adágio que diz que o dinheiro não cresce.

Experimente este Natal em vez de dares aos pobres dares aos ricos, para grandes males grandes remédios!

E assim foi nesse Natal o Pai Natal não distribuiu pelos pobres mas sim pelos ricos, não por aqueles que são apenas remediados, mas sim pelos muito ricos. Claro está que essas pessoas habituadas a lidar com milhões não iam aceitar apenas uns trocos que encheriam de alegria todos os pobres do mundo sujeitos a terem de recorrer ao microcrédito. Não, claro que não! A prenda para esses felizes contemplados, donos de bancos e de instituições de crédito teve de ser em metal sonante, barras de ouro, sacos de diamantes, arcas cheias de notas…

Onde é que o Pai Natal foi desencantar tais quantias, exorbitantes valores, somas inimagináveis para o comum dos mortais? Também aqui foi Mamãe Natal que lhe segredou ao ouvid fazes circular pelo mundo inteiro que vendes o teu trenó. O meu trenó? Sim! Então já viste o que valor que tem um meio de transporte que, numa era da comunicação virtual, nos leva em carne e osso, no espaço de um segundo a qualquer parte do mundo como se tivéssemos o dom da ubiquidade? Então e depois como é que eu me desloco? Fácil, tu vendes o trenó, e não é uma venda virtual, mas não vendes as renas, logo arranjas outro trenó!

Nesse natal o Menino Jesus tremeu de frio na sua cama de palhas. Os reis magos ofereceram-lhe dinheiro, ouro e diamantes, mas como S.José e Nossa Senhora não tinham onde guardar tais riquezas num pobre estábulo, ofereceram-se para, ainda para mais com uma bagatela de juros, lhes aplicar essas riquezas, advertindo-os no entanto, para que não pudessem ser acusados de qualquer má fé, da instabilidade da economia mundial. A vaquinha bafejou o menino e todas as pobres crianças do mundo, com esse gesto desinteressado, sentiram um vento quente que por segundos lhes devolveu o sorriso e escondeu a fome.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)