• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 16° / 6°
Céu nublado
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Qui.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  13° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O problema do Pai Natal

Opinião  »  2008-12-18  »  Fernando Faria Pereira

O Juiz olhou demoradamente aquela figura caricata de barbas brancas e barriga rubicunda que parecia ausente, sem perceber o que se passava, dir-se-ia divagando pelas estrelas. Depois de ponderar cuidadosamente a matéria submetida a juízo e avaliar as alegações de todas as partes concluiu que, manifestamente, não podia produzir qualquer acusação, (considerando embora a gravidade das mesmas), pela simples razão de que o réu presente em tribunal não constituía figura jurídica não estando por isso abrangida pelas leis que regiam a nação. Assim como entrou, calmo e ponderado mas mantendo aquele olhar distante onde se pressentia o eco da noite mais fria do ano, assim saiu do tribunal sumindo-se de imediato na claridade o dia, caso nunca visto, ludibriando assim o exercito de repórteres que esperavam uma declaração sua, não para esclarecer o caso, mas para justificar perante a opinião pública tão estranho processo judicial. Manteve-se capa de jornal durante bastante tempo, primeira notícia de telejornal, tema de programas radiofónicos, mas o facto incontroverso é que, embora correndo o mundo inteiro, nunca ninguém, nem o mais apurado faro jornalístico, consegui descortinar o mais elementar rasto de tão estranho personagem.

A história tinha começado há algum tempo. Mais concretamente numa longa noite de Inverno no pólo norte, tão a norte que nunca aí chega o nariz preto dum urso polar. O Pai Natal estava sentado confortavelmente junto à sua janela de vidro duplo. Estranhamente melancólico olhava para a imensidão branca, uma paisagem sem cor, ondulada pelo vento forte, agreste e desoladora, sem vida nenhuma mas viva porque faz parte da teia mundial que une o floco de neve do interminável deserto gelado ao mais pequeno ser vivo no oásis de vida da linha imaginária do equador. Mamãe Natal pressentiu a tristeza de Papai Noel e foi-se chegando dengosa, meneando as ancas. Enroscou-se na barba branca, tal ave no ninho, e deixou, como que distraidamente, o roupão, vermelho forte com uma franja branca, deslizar mostrando as pernas esbeltas de pele macia e perfumada… Fez-se calor! E no final do gostoso combate, apenas no final, quando o Pai Natal descansava a imensa barriga sob os lençóis feitos dos mais finos líquenes, só então lhe perguntou qual a razão de ser de tão estranha melancolia, ainda por mais numa figura que tem por principal função distribuir, embora apenas numa noite por ano, a alegria e a paz pelo mundo inteiro dos que acreditam. Ele, depois de demorar as palavras por alguns minutos, respondeu que era justamente por isso; porque estava farto de tentar distribuir a esperança pelo mundo e muito embora soubesses que, no sorriso de uma única criança existe sempre um vislumbre dum segundo da eternidade, só isso não chegava porque logo logo, voltava a fome e o desespero. Ela pesou também demoradamente a resposta para depois, como Eva para Adão, espicaçar no cérebro atormentado de São Nicolau, a dúvida que acabou por ser o rastilho de toda esta estória. Já viste que durante todos estes anos, em que te desdobraste numa noite, voando à revelia dos fusos horários, sempre te preocupaste em distribuir prendas principalmente pelos pobres? Pensa bem paizinho! Soletrou a palavra paizinho com uma voz tão dengosa e quente que, lá fora um glaciar deslizou, subitamente, mais uns metros em direcção ao degelo, com os mesmos efeitos do aquecimento global! Quando dás aos pobres a tua oferta não se multiplica porque eles gastam logo tudo em comida e noutros bens não duradouros ao passo que, se deres aos ricos, eles arranjam maneira de reproduzir o dinheiro, contrariando aquele adágio que diz que o dinheiro não cresce.

Experimente este Natal em vez de dares aos pobres dares aos ricos, para grandes males grandes remédios!

E assim foi nesse Natal o Pai Natal não distribuiu pelos pobres mas sim pelos ricos, não por aqueles que são apenas remediados, mas sim pelos muito ricos. Claro está que essas pessoas habituadas a lidar com milhões não iam aceitar apenas uns trocos que encheriam de alegria todos os pobres do mundo sujeitos a terem de recorrer ao microcrédito. Não, claro que não! A prenda para esses felizes contemplados, donos de bancos e de instituições de crédito teve de ser em metal sonante, barras de ouro, sacos de diamantes, arcas cheias de notas…

Onde é que o Pai Natal foi desencantar tais quantias, exorbitantes valores, somas inimagináveis para o comum dos mortais? Também aqui foi Mamãe Natal que lhe segredou ao ouvid fazes circular pelo mundo inteiro que vendes o teu trenó. O meu trenó? Sim! Então já viste o que valor que tem um meio de transporte que, numa era da comunicação virtual, nos leva em carne e osso, no espaço de um segundo a qualquer parte do mundo como se tivéssemos o dom da ubiquidade? Então e depois como é que eu me desloco? Fácil, tu vendes o trenó, e não é uma venda virtual, mas não vendes as renas, logo arranjas outro trenó!

Nesse natal o Menino Jesus tremeu de frio na sua cama de palhas. Os reis magos ofereceram-lhe dinheiro, ouro e diamantes, mas como S.José e Nossa Senhora não tinham onde guardar tais riquezas num pobre estábulo, ofereceram-se para, ainda para mais com uma bagatela de juros, lhes aplicar essas riquezas, advertindo-os no entanto, para que não pudessem ser acusados de qualquer má fé, da instabilidade da economia mundial. A vaquinha bafejou o menino e todas as pobres crianças do mundo, com esse gesto desinteressado, sentiram um vento quente que por segundos lhes devolveu o sorriso e escondeu a fome.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder