• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O problema do Pai Natal

Opinião  »  2008-12-18  »  Fernando Faria Pereira

O Juiz olhou demoradamente aquela figura caricata de barbas brancas e barriga rubicunda que parecia ausente, sem perceber o que se passava, dir-se-ia divagando pelas estrelas. Depois de ponderar cuidadosamente a matéria submetida a juízo e avaliar as alegações de todas as partes concluiu que, manifestamente, não podia produzir qualquer acusação, (considerando embora a gravidade das mesmas), pela simples razão de que o réu presente em tribunal não constituía figura jurídica não estando por isso abrangida pelas leis que regiam a nação. Assim como entrou, calmo e ponderado mas mantendo aquele olhar distante onde se pressentia o eco da noite mais fria do ano, assim saiu do tribunal sumindo-se de imediato na claridade o dia, caso nunca visto, ludibriando assim o exercito de repórteres que esperavam uma declaração sua, não para esclarecer o caso, mas para justificar perante a opinião pública tão estranho processo judicial. Manteve-se capa de jornal durante bastante tempo, primeira notícia de telejornal, tema de programas radiofónicos, mas o facto incontroverso é que, embora correndo o mundo inteiro, nunca ninguém, nem o mais apurado faro jornalístico, consegui descortinar o mais elementar rasto de tão estranho personagem.

A história tinha começado há algum tempo. Mais concretamente numa longa noite de Inverno no pólo norte, tão a norte que nunca aí chega o nariz preto dum urso polar. O Pai Natal estava sentado confortavelmente junto à sua janela de vidro duplo. Estranhamente melancólico olhava para a imensidão branca, uma paisagem sem cor, ondulada pelo vento forte, agreste e desoladora, sem vida nenhuma mas viva porque faz parte da teia mundial que une o floco de neve do interminável deserto gelado ao mais pequeno ser vivo no oásis de vida da linha imaginária do equador. Mamãe Natal pressentiu a tristeza de Papai Noel e foi-se chegando dengosa, meneando as ancas. Enroscou-se na barba branca, tal ave no ninho, e deixou, como que distraidamente, o roupão, vermelho forte com uma franja branca, deslizar mostrando as pernas esbeltas de pele macia e perfumada… Fez-se calor! E no final do gostoso combate, apenas no final, quando o Pai Natal descansava a imensa barriga sob os lençóis feitos dos mais finos líquenes, só então lhe perguntou qual a razão de ser de tão estranha melancolia, ainda por mais numa figura que tem por principal função distribuir, embora apenas numa noite por ano, a alegria e a paz pelo mundo inteiro dos que acreditam. Ele, depois de demorar as palavras por alguns minutos, respondeu que era justamente por isso; porque estava farto de tentar distribuir a esperança pelo mundo e muito embora soubesses que, no sorriso de uma única criança existe sempre um vislumbre dum segundo da eternidade, só isso não chegava porque logo logo, voltava a fome e o desespero. Ela pesou também demoradamente a resposta para depois, como Eva para Adão, espicaçar no cérebro atormentado de São Nicolau, a dúvida que acabou por ser o rastilho de toda esta estória. Já viste que durante todos estes anos, em que te desdobraste numa noite, voando à revelia dos fusos horários, sempre te preocupaste em distribuir prendas principalmente pelos pobres? Pensa bem paizinho! Soletrou a palavra paizinho com uma voz tão dengosa e quente que, lá fora um glaciar deslizou, subitamente, mais uns metros em direcção ao degelo, com os mesmos efeitos do aquecimento global! Quando dás aos pobres a tua oferta não se multiplica porque eles gastam logo tudo em comida e noutros bens não duradouros ao passo que, se deres aos ricos, eles arranjam maneira de reproduzir o dinheiro, contrariando aquele adágio que diz que o dinheiro não cresce.

Experimente este Natal em vez de dares aos pobres dares aos ricos, para grandes males grandes remédios!

E assim foi nesse Natal o Pai Natal não distribuiu pelos pobres mas sim pelos ricos, não por aqueles que são apenas remediados, mas sim pelos muito ricos. Claro está que essas pessoas habituadas a lidar com milhões não iam aceitar apenas uns trocos que encheriam de alegria todos os pobres do mundo sujeitos a terem de recorrer ao microcrédito. Não, claro que não! A prenda para esses felizes contemplados, donos de bancos e de instituições de crédito teve de ser em metal sonante, barras de ouro, sacos de diamantes, arcas cheias de notas…

Onde é que o Pai Natal foi desencantar tais quantias, exorbitantes valores, somas inimagináveis para o comum dos mortais? Também aqui foi Mamãe Natal que lhe segredou ao ouvid fazes circular pelo mundo inteiro que vendes o teu trenó. O meu trenó? Sim! Então já viste o que valor que tem um meio de transporte que, numa era da comunicação virtual, nos leva em carne e osso, no espaço de um segundo a qualquer parte do mundo como se tivéssemos o dom da ubiquidade? Então e depois como é que eu me desloco? Fácil, tu vendes o trenó, e não é uma venda virtual, mas não vendes as renas, logo arranjas outro trenó!

Nesse natal o Menino Jesus tremeu de frio na sua cama de palhas. Os reis magos ofereceram-lhe dinheiro, ouro e diamantes, mas como S.José e Nossa Senhora não tinham onde guardar tais riquezas num pobre estábulo, ofereceram-se para, ainda para mais com uma bagatela de juros, lhes aplicar essas riquezas, advertindo-os no entanto, para que não pudessem ser acusados de qualquer má fé, da instabilidade da economia mundial. A vaquinha bafejou o menino e todas as pobres crianças do mundo, com esse gesto desinteressado, sentiram um vento quente que por segundos lhes devolveu o sorriso e escondeu a fome.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


Opções »  2019-02-21  »  Anabela Santos

E de repente, quando somos agradavelmente surpreendidos por um montante razoável em euros de que não estávamos à espera, a reação é de espanto e de alegria. Faz falta, é sempre bem vindo.

A partir do momento em que recebemos tão agradável notícia, impõe-se um pensamento … o que fazer com todo o dinheiro recebido?
O mais correto e consciente seria poupar, mas como há tantas coisas pendentes que nunca foram resolvidas por não haver essa tal quantia, a hipótese da poupança põe-se logo de parte.
(ler mais...)


Para quê tanto vermelho? »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.
(ler mais...)


Beija o chão e abraça a humilhação »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.
(ler mais...)


Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa »  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia

1. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. O que se tem vindo a saber da Caixa Geral de Depósitos dá razão aos que, na União Europeia, julgam ser necessário impor uma espécie de protectorado aos países do sul da Europa.
(ler mais...)


Lisboetas? »  2019-02-07  »  Inês Vidal

Tento fazer este exercício: o que é que as pessoas que não conhecem Torres Novas ficaram a saber sobre o nosso concelho, depois de lerem o artigo publicitário disfarçado de reportagem, que saiu no sábado numa alegada revista, de um honrado semanário nacional? Ora bem.
(ler mais...)


Caminhamos para o abismo »  2019-02-07  »  António Gomes

Foi recentemente colocado em discussão pública (já terminada) o Plano Estratégico Educativo Municipal para os próximos 4 anos. Este plano é da responsabilidade da autarquia, que o encomendou a um centro de estudos da Universidade Nova de Lisboa coordenado pelo professor David Justino.
(ler mais...)


Caridade ou justiça social »  2019-02-07  »  Anabela Santos

O “Gui” que não é Gui, torrejano que não é torrejano, miúdo que já não é miúdo, vagueia pela cidade durante o dia e noite absorvido pelos seus pensamentos, com um olhar vago, distante.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-28  »  Inês Vidal Quim
»  2019-01-25  »  Jorge Carreira Maia Lições de História
»  2019-01-30  »  Gabriel Feitor O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado
»  2019-02-07  »  Inês Vidal Lisboetas?
»  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa