• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 19 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 30° / 13°
Períodos nublados
Sex.
 26° / 14°
Períodos nublados
Qui.
 24° / 14°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Pré-época

Opinião  »  2010-07-23  »  Denis Hickel

A participação da selecção de Portugal no campeonato do Mundo terá rendido à Federação Portuguesa de Futebol (FPF) cerca de sete milhões de euros. De acordo com notícias vindas a público nalguns meios da Comunicação Social, aquele valor não terá chegado para pagar as despesas com a selecção, as quais foram prontamente desmentidas pelo presidente da FPF que garantiu exactamente o contrário.

Também de acordo com informações fidedignas, nos termos contratuais o seleccionador nacional Carlos Queirós terá direito a um prémio que corresponderá a 10% do montante auferido pela FPF, que será mais que setecentos mil euros.

É inegavelmente um bom prémio para o seleccionador Carlos Queirós, que poderia ser maior se mostrasse mais ambição e a transmitisse aos próprios jogadores, incapazes de se libertar de um conceito de jogo que privilegiava a defesa em detrimento de uma forte disposição ofensiva. Poderá perguntar-se: Que jogadores para esse tipo de futebol ofensivo? Em Portugal também os há, e bons. O problema é sempre de quem escolhe e dirige, dos métodos que são a sua cartilha e da filosofia de jogo que perfilha.

Os inspectores da FIFA, organismo que organiza os campeonatos do Mundo em futebol, vão proximamente deslocar-se a Portugal para vistoriar os estádios portugueses. Esta acção inspectiva está relacionada com o facto de Portugal e Espanha, através das respectivas federações, terem apresentado uma candidatura conjunta ao campeonato do Mundo de 2018. Os dirigentes da FPF estão naturalmente confiantes na aprovação da candidatura, enquanto os espanhóis, num assomo de realismo face aos graves problemas económicos e financeiros que o seu país atravessa, se mostram mais cépticos na boa receptividade da FIFA à candidatura ibérica.

A pré-época das equipas nacionais que vão disputar os próximos campeonatos entrou já numa fase de elevada intensidade, de modo a que as equipas atinjam valores competitivos já próximos do desejado no início das provas. Principalmente as equipas que vão disputar provas de acesso à UEFA Champions League, caso do Sporting de Braga, e à Europa Cup, caso do Sporting Clube de Portugal e, mais tarde, do Futebol Clube do Porto.

No último fim-de-semana, Benfica, Porto e Sporting disputaram jogos particulares. Os encarnados no Torneio da cidade de Guimarães que saldou por um empate (3-3) com uma equipa holandesa, e uma vitória (5-3) com o Vitória de Guimarães, que lhes garantiu a conquista da taça, novamente com grandes desconfianças dos adeptos do Benfica em relação à sua defesa que sofreu seis golos em dois jogos, com a atenuante de não contar com os principais elementos do sector defensivo que disputaram o campeonato do Mundo, mas com a principal preocupação a recair no guarda-redes espanhol contratado no defeso por uma verba (8,5 milhões de euros) considerada muito elevada para um jogador que actua naquele importante posto. Não é caso para menos.

Porto e Sporting jogaram nos seus estádios perante os seus adeptos. Venceram os dois. O primeiro frente ao Ajax de Amesterdão (1-0), equipa holandesa de grande prestígio internacional, e o segundo contra o Lyon, de França (2-0), formação de grande qualidade que teve uma boa participação na fase final da última edição da UEFA Champions League.

Muito longe de deslumbrarem pelo futebol exibido, o que não surpreende nesta fase preparatória das equipas, com novos treinadores, cada um com as suas próprias ideias de organização de jogo, porventura diferentes dos seus antecessores, e com a entrada de jogadores provenientes de outros campeonatos, com diversa cultura futebolística e habituados a outros métodos de treino, as dificuldades de adaptação são notórias, como os próprios jogos demonstraram.

Os anúncios surgem em catadupa, mas os negócios milionários, principalmente dos chamados três grandes, são anunciados na Comunicação Social sem que se conheça a sua veracidade. Com o decorrer do tempo se saberá. Se entra ou sai dinheiro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?