• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Benfica sem rumo

Opinião  »  2010-08-27  »  Denis Hickel

BENFICA soma quatro derrotas consecutivas, o que deixa os seus adeptos apreensivos quanto à prestação da sua equipa. Nesta jornada, na Choupana frente ao Nacional da Madeira, o Benfica somou nova derrota, a segunda seguida na Liga Zon Sagres e zero pontos na classificação de uma prova em que defende o título que ostenta.

Com uma entrada forte no jogo, os encarnados dominaram durante a primeira parte, conseguindo algumas jogadas para golo anuladas pela forte e bem organizada defesa dos madeirenses, com destaque para o seu guarda-redes que impediu, categoricamente, que a sua baliza fosse violada. Nas escassas tentativas de ataque do Nacional, com muito labor do seu meio campo, muito trabalhador e com bons executantes, a defesa lisboeta não sentiu grandes dificuldades em controlar os lances, excepção feita na marcação de um livre para o interior da área do Benfica, que provocou alguns calafrios aos seus adeptos, devido a uma saída em falsa do guarda-redes Roberto que não conseguiu chegar à bola que, por sorte, não se dirigiu para a baliza, saindo rente ao poste.

Na segunda parte, o jogo prosseguiu na mesma toada, mas o Benfica não conseguia chegar ao golo, também devido à falta de eficácia dos seus atacantes. Aproveitou o Nacional que numa descida à área do Benfica aproveitou a marcação de uma falta cometida por um jogador encarnado para chegar ao golo, num lance em que toda a defesa encarnada tem responsabilidade. A partir deste lance, o Benfica surgiu mais inconsequente, atirando-se deliberadamente para a frente na procura do empate, mas sem discernimento. Pouco depois, falha grave do guarda-redes do Benfica ao não sacudir uma bola pela linha de fundo, permitindo que esta ressaltasse na barra e viesse para a cabeça do ponta de lança do Nacional que, sem dificuldade, fez o segundo golo. Benfica destroçado, mas ainda a conseguir reduzir a desvantagem já nos minutos finais.

Boa vitória do Nacional perante um Benfica ineficaz que só pode queixar-se de si próprio.

SPORTING no seu estádio de Alvalade defrontou o Marítimo do Funchal num jogo muito fraco, em que mostrou as mesmas debilidades de jogos anteriores, sem um fio de jogo consistente e com uma organização da equipa que lança muitas desconfianças nos seus adeptos, o que prova a derrota sofrida, dias antes, para a UEFA League.

Durante todo o jogo, não se viu boa circulação da bola por parte do Sporting, com os sectores muito distanciados e futebol directo para os seus avançados, cujas bolas esbarravam, invariavelmente, na boa organização defensiva do Marítimo que afastava o perigo sem dificuldades. Por seu lado, a equipa madeirense não arriscava, jogava na expectativa do erro do adversário para partir em rápidos contra ataques em direcção à baliza do Sporting, obrigando o guarda-redes leonino, por várias vezes, a sair da sua grande área e rechaçar a bola a pontapé para não ser surpreendido, o que ia sucedendo num lance em que um grande chapéu de um jogador do Marítimo quase dava golo.

E foi nesta toada que decorreu todo o jogo, que mereceu alguns assobios dos adeptos do Sporting, valendo aos lisboetas uma grande penalidade arrancada no último minuto que lhe deu a vitória, aliás feliz mas merecida porque foi a equipa que mais a procurou.

PORTO frente ao Beira-Mar num jogo interessante no estádio do Dragão, com futebol de boa qualidade por parte dos azuis e brancos e excelente réplica dos aveirenses, principalmente na primeira parte, em que criou muitas dificuldades no miolo do terreno, não permitindo que o Porto fizesse boa circulação de bola, como gosta, o que bloqueava o seu futebol. Mas numa arrancada fulgurante pela esquerda, o uruguaio Álvaro Pereira fez um centro perfeito para o interior da área do Beira-Mar e Falcao fez de cabeça um bonito golo, desbloqueando o jogo. Já no fim do primeiro período surgiu o segundo golo, aliás um bonito golo na marcação de um livre, que tranquilizou os azuis e brancos.

Na segunda parte, o domínio do jogo foi totalmente do Porto que aumentou a vantagem para 3-0, desperdiçando algumas oportunidades flagrantes de golo.

Vitória merecida do Porto numa boa exibição perante os seus adeptos, conseguindo a liderança na tabela acompanhado pelo Nacional da Madeira.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno