• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Piloto automático

Opinião  »  2010-09-10  »  Denis Hickel

SELECÇÃO de Portugal seguiu a convicção de Gilberto Madaíl, presidente da esgotada direcção da Federação de Portuguesa de Futebol (FPF), ao empatar 4-4 no confronto com a débil selecção do Chipre, que se deslocou a Portugal para disputar o primeiro jogo da fase de apuramento para o campeonato Europeu de futebol.

A propósito da condenação do seleccionador Carlos Queirós em seis meses pela Adop, entidade que controla o doping no desporto, declarou o presidente da FPF, numa expressão infeliz, e que tem sido glosada pelos mais variados sectores afectos à causa do futebol, de que a selecção de Portugal pode jogar em ”piloto automático”, o que significa que não precisa de quem a oriente para defrontar os seus adversários. E foi o que se viu, a quatro dias de defrontar, na Noruega, a selecção daquela país nórdico, tradicionalmente mais difícil que a selecção do Chipre, mais a mais a jogar no seu terreno e perante o seu público. Fraco e triste desempenho da selecção de Portugal (dirigentes, técnicos e jogadores), que deixou os seus apaniguados desiludidos e a perguntarem-se como é possível tão frouxo desempenho.

Afigura-se que a selecção portuguesa subestimou os cipriotas, selecção de nível inferior, muito mal cotada no ranking europeu, jogando um futebol desgarrado, sem critério, mais ou menos no estilo de solteiros contra casados, bola para a frente e fé em Deus. Ora, uma selecção da craveira da equipa nacional não pode apresentar-se num estádio a jogar como jogou, agravado pelo facto de jogar no seu país perante os seus adeptos, deixando um amargo de boca até naqueles que normalmente não vivem o futebol com intensidade.

Dizem alguns, talvez menos esclarecidos, que a culpa é da entidade que aplicou um castigo a Carlos Queirós e que o impede de orientar a selecção nacional. Mas esta asserção não corresponde à realidade. Carlos Queirós, apesar de castigado, sofrendo as consequências de um acto irreflectido e das palavras insultuosas que proferiu sobre os médicos do controlo antidopagem no estágio da selecção, impensáveis num homem sobre quem recai a condução da selecção de Portugal, e cuja vivência no futebol, em vários países, torna inverosímil que as tenha proferido num vernáculo inqualificável, para além da infeliz entrevista que concedeu ao semanário Expresso em que atingiu, levianamente, o vice-presidente da FPF, provocando novo processo disciplinar que vai, certamente, agravar a sua permanência à frente da selecção, continua a ser seleccionador nacional e é, ele próprio, quem convoca os jogadores e que transmite aos seus adjuntos as suas orientações sobre os jogos e a forma como devem ser encarados.

Para completar o descalabro a que chegou a selecção de Portugal, segundo jogo nesta fase de apuramento para o Europeu e derrota na Noruega por 1-0, num jogo muito mal jogado pelos portugueses, patenteando enorme falta de profundidade no tipo de futebol apresentado, desorganizada em todos os sectores do terreno, e com uma defesa que mostrou instabilidade que se tornou clara na forma como o guarda-redes Eduardo, que tão boa figura havia feito do Mundial, abordou o lance que deu origem ao golo da vitória da selecção nórdica, que nunca havia ganho a Portugal.

Com esta derrota, e só com dois jogos já disputados, a selecção de Portugal já perdeu cinco pontos, o que deixa apreensivos os portugueses que gostam da sua selecção quanto ao apuramento para o Europeu de 2012. A Federação Portuguesa de Futebol terá, naturalmente, de tomar as decisões que melhor sirvam os interesses da selecção de Portugal. Mas, se calhar, os principais problemas da selecção e do futebol nacional estão exactamente na gestão da FPF, cujos gestores ainda não perceberam que estão há demasiado tempo nos respectivos cargos e que aquela entidade, como tantas outras que, infelizmente, grassam neste País, não poderá servir para uma feira de vaidades dos seus dirigentes. Terão que ser substituídos. Com urgência.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno