• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 19 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 30° / 13°
Períodos nublados
Sex.
 26° / 14°
Períodos nublados
Qui.
 24° / 14°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Piloto automático

Opinião  »  2010-09-10  »  Denis Hickel

SELECÇÃO de Portugal seguiu a convicção de Gilberto Madaíl, presidente da esgotada direcção da Federação de Portuguesa de Futebol (FPF), ao empatar 4-4 no confronto com a débil selecção do Chipre, que se deslocou a Portugal para disputar o primeiro jogo da fase de apuramento para o campeonato Europeu de futebol.

A propósito da condenação do seleccionador Carlos Queirós em seis meses pela Adop, entidade que controla o doping no desporto, declarou o presidente da FPF, numa expressão infeliz, e que tem sido glosada pelos mais variados sectores afectos à causa do futebol, de que a selecção de Portugal pode jogar em ”piloto automático”, o que significa que não precisa de quem a oriente para defrontar os seus adversários. E foi o que se viu, a quatro dias de defrontar, na Noruega, a selecção daquela país nórdico, tradicionalmente mais difícil que a selecção do Chipre, mais a mais a jogar no seu terreno e perante o seu público. Fraco e triste desempenho da selecção de Portugal (dirigentes, técnicos e jogadores), que deixou os seus apaniguados desiludidos e a perguntarem-se como é possível tão frouxo desempenho.

Afigura-se que a selecção portuguesa subestimou os cipriotas, selecção de nível inferior, muito mal cotada no ranking europeu, jogando um futebol desgarrado, sem critério, mais ou menos no estilo de solteiros contra casados, bola para a frente e fé em Deus. Ora, uma selecção da craveira da equipa nacional não pode apresentar-se num estádio a jogar como jogou, agravado pelo facto de jogar no seu país perante os seus adeptos, deixando um amargo de boca até naqueles que normalmente não vivem o futebol com intensidade.

Dizem alguns, talvez menos esclarecidos, que a culpa é da entidade que aplicou um castigo a Carlos Queirós e que o impede de orientar a selecção nacional. Mas esta asserção não corresponde à realidade. Carlos Queirós, apesar de castigado, sofrendo as consequências de um acto irreflectido e das palavras insultuosas que proferiu sobre os médicos do controlo antidopagem no estágio da selecção, impensáveis num homem sobre quem recai a condução da selecção de Portugal, e cuja vivência no futebol, em vários países, torna inverosímil que as tenha proferido num vernáculo inqualificável, para além da infeliz entrevista que concedeu ao semanário Expresso em que atingiu, levianamente, o vice-presidente da FPF, provocando novo processo disciplinar que vai, certamente, agravar a sua permanência à frente da selecção, continua a ser seleccionador nacional e é, ele próprio, quem convoca os jogadores e que transmite aos seus adjuntos as suas orientações sobre os jogos e a forma como devem ser encarados.

Para completar o descalabro a que chegou a selecção de Portugal, segundo jogo nesta fase de apuramento para o Europeu e derrota na Noruega por 1-0, num jogo muito mal jogado pelos portugueses, patenteando enorme falta de profundidade no tipo de futebol apresentado, desorganizada em todos os sectores do terreno, e com uma defesa que mostrou instabilidade que se tornou clara na forma como o guarda-redes Eduardo, que tão boa figura havia feito do Mundial, abordou o lance que deu origem ao golo da vitória da selecção nórdica, que nunca havia ganho a Portugal.

Com esta derrota, e só com dois jogos já disputados, a selecção de Portugal já perdeu cinco pontos, o que deixa apreensivos os portugueses que gostam da sua selecção quanto ao apuramento para o Europeu de 2012. A Federação Portuguesa de Futebol terá, naturalmente, de tomar as decisões que melhor sirvam os interesses da selecção de Portugal. Mas, se calhar, os principais problemas da selecção e do futebol nacional estão exactamente na gestão da FPF, cujos gestores ainda não perceberam que estão há demasiado tempo nos respectivos cargos e que aquela entidade, como tantas outras que, infelizmente, grassam neste País, não poderá servir para uma feira de vaidades dos seus dirigentes. Terão que ser substituídos. Com urgência.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?