• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Há-de vir um Natal

Opinião  »  2017-12-15  »  Jorge Carreira Maia

"Quando na mesa de Natal começa a haver ausências, percebemos que há alguma coisa errada na exuberância que tomou conta da quadra festiva."

Cheguei àquela idade em que os versos, de David Mourão-Ferreira, “Há-de vir um Natal e será o primeiro / em que se veja à mesa o meu lugar vazio” começam não só a fazer sentido, demasiado sentido, como crescem espectrais sobre mim. Há muitas pessoas que não cultivam o Natal ou, mesmo, que o desprezam. Não me incluo nesse grupo. O meu culto do Natal foi-me trazido por um não crente, o meu pai. E nunca passou. Nesse culto, eduquei os meus filhos, e espero que eles eduquem os meus netos. Há uma coisa, porém, que se alterou radicalmente. Antigamente, o Natal era marcado pelas presenças. Agora, pelas ausências. E com o passar vertiginoso dos Natais, o meu lugar vazio à mesa está cada vez mais próximo.

Ora, no Natal, o doloroso não é o sentimento desse dia em que não estaremos já presentes, nem o dia em que não haverá ninguém na terra que de nós se recorde. Se olho para esse facto póstumo, nada nele me comove a não ser que outros, devido à minha ausência, se tornarão, para mim, ausentes. Doloroso não é perdermo-nos a nós, mas é perdermo-nos daqueles que mais amamos. O Natal surge assim, na sua plenitude, como uma celebração da presença. Que isso tenha sido sublinhado por um mito, onde se narra que nascido do seio virginal de uma mulher o filho de Deus se tornou presente no mundo, é irrelevante. Podemos dizer que o filho de Deus veio ao mundo para que nós, pobres mortais, possamos celebrar a vida e a precariedade da presença dos que aqui estão.

Quando na mesa de Natal começa a haver ausências, percebemos que há alguma coisa errada na exuberância que tomou conta da quadra festiva. O excesso de luzes pelas ruas, o turbilhão comercial que sobre nós desaba, a necessidade de presentear, no excesso que as nossas sociedades exigem, os próximos, tudo isso surge como um véu para ocultar a realidade. E a realidade é a da fugacidade da nossa presença sobre a terra, a fugacidade da presença dos que amamos.

Este Natal mundano e mercantil, ah o velho fetiche da mercadoria, aquele que nos cabe viver no tempo presente, é não apenas um adversário poderoso desse outro Natal, mas um inimigo terrível e sem complacência. O Natal do mito fala-nos da presença para sublinhar que mesmos os que deixaram o seu lugar vazio ainda fazem parte de nós e da pequena comunidade que se reúne à mesa. O Natal da realidade de hoje é um exercício falso de alegria cuja finalidade é esquecermos o que nunca deveremos esquecer. Sim, eu sei: “Há-de vir um Natal e será o primeiro / em que não viva já ninguém meu conhecido”.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...