• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 23 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 31° / 15°
Céu limpo
Sáb.
 29° / 14°
Céu limpo
Sex.
 26° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FURAR OU NÃO FURAR

Opinião  »  2016-01-09  »  José Ricardo Costa

"Há coisas que furam os ouvidos de uns mas não furam os ouvidos de outros. Cabe a cada um decidir o que fura ou não os seus, tendo apenas que não se furar ouvidos que não querem ser furados."

Bem nos podemos esforçar por explicar, com os mais sofisticados dotes retóricos, que somos a favor disto ou daquilo. Mas é nas reacções espontâneas que mais verdadeiramente nos revelamos. Pelo que observei do mundo e por livros que li cujas posições achei sensato adoptar, há muito que me considero política e filosoficamente liberal. Mas eu podia dizer que sou liberal apenas da boca para fora. Há muita gente que defende certos valores mas depois age de um modo completamente diferente. Ora, aconteceu-me ontem uma coisa que, apesar da sua insignificância, me levou a confirmar a minha convicção a esse respeito.

Ainda antes de contar o que me aconteceu, gostaria de dizer que sou habitualmente contido no que diz respeito a asneiras. E se é raro dizê-las mais raro ainda é escrevê-las. Será por isso com o mesmo tipo de constrangimento sentido nos julgamentos quando se trata de reproduzir certos diálogos registados nos processos, que irei aqui invocar algumas pérolas do nosso património vernacular.

Ontem, durante a minha hora de almoço, saí da escola para ir a uma caixa Multibanco, regressando depois pelo passeio junto ao gradeamento da escola até ao portão. É ainda no passeio que, de repente, oiço e vejo, no interior da escola, um fedelho (7º ou 8ºano) a gritar: «Pára com essa merda, caralho, estou farto disso, foda-se», enquanto se afastava do colega contemplado com tão sublimes impropérios. Afastava-se mas não se calava, e quanto mais longe estava do colega mais alto gritava as mesmas palavras, «caralho, foda-se, foda-se, caralho» de um tal modo que se ouvia não apenas numa área considerável da escola como também no seu exterior. De certeza que quem estivesse nas lojas e cafés em frente à escola estava também a levar com toda a diarreia verbal da criança.

Eu, habitualmente tolerante e paciente, passei-me dos carretos e num gesto pouco habitual em mim, gritei para o chamar. Resistiu ao meu primeiro grito mas já não resistiu ao segundo, dirigindo-se então até à grade para falar comigo. Num tom crispado que a mim próprio me surpreendeu, vociferei que não admitia que dissesse aquelas palavras aos gritos numa escola ou em qualquer parte fora da escola onde estivessem outras pessoas. O rapaz, humilde, pediu logo desculpa e dizendo que não voltaria a acontecer. Foi nesse momento que eu, sensibilizado com o arrependimento imediato e sincero do rapaz, disse num tom já bem apaziguador: «Baixinho, podes dizer o que quiseres, as asneiras que quiseres, não podes é dizê-las daquela maneira, havendo pessoas por perto».

Mal acabei de dizer isto, caí em mim: «Meu deus, eu sou professor, educador, formador. A minha obrigação seria dizer-lhe que não deve dizer asneiras, que é feio dizer asneiras, seja alto, seja baixinho, seja em em público, seja em privado». Tal como o rapaz se arrependeu do seu disparate, eu arrependi-me do meu, reconhecendo que não devia ter dito o que disse. Mas como gosto de perseguir um problema enquanto não tenho uma visão clara dele, horas depois, ao regressar a casa, voltei a pensar na minha atitude, para depois concluir que nada fiz que mereça censura.

O que eu fiz com aquele garoto foi tomar uma posição mais política do que moral. Se eu lhe tivesse dito que não deve dizer asneiras, seja quais forem as circunstâncias, eu estaria a intrometer-me na sua vida privada. Nunca aceitarei que fale assim numa sala de aula, numa escola aos gritos ou, fora da escola, se estiver a incomodar outras pessoas. Mas quem sou eu para lhe dizer que não pode falar assim se estiver em casa com um colega a jogar playstation, quando vê o Benfica sofrer um golo ou se entalar o dedo numa porta? Sim: quem sou eu? Qual a minha autoridade enquanto cidadão da mesma polis? A polis é a polis, o domus é o domus. Espaço público é uma coisa, espaço privado uma outra.  Quem advertiu aquela criança não foi pois um moralista que deseja impor certos valores cujo desrespeito não implica uma ameaça para a sociedade mas também não foi um relativista, um anarquista, um anómico, um fanático de um laissez-faire radical. Foi alguém que tomou uma posição política, explicando pedagogicamente que existe um espaço social que é de todos e que dentro desse espaço há que respeitar certas regras. Mas que fora dele, e desde que não se prejudique ninguém, cada um deve viver a sua vida da maneira que mais lhe agrada, tendo todo o direito de o fazer.

A dimensão política não deve ser completamente independente de uma dimensão moral. No fundo, em termos de teoria dos conjuntos, temos uma intersecção. Há coisas da política que nada têm que ver com a moral, há coisas da moral que nada têm que ver com a política, havendo, sim, é verdade, uma área que é comum a ambas, mas que não contempla a situação que acabei de descrever. Neste caso, uma incondicional defesa da liberdade individual. Há coisas que furam os ouvidos de uns mas não furam os ouvidos de outros. Cabe a cada um decidir o que fura ou não os seus, tendo apenas que não se furar ouvidos que não querem ser furados.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia Crise, Professores, Brexit e Venezuela