• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 31° / 19°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 34° / 20°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  37° / 18°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

COISINHAS DE ESQUERDA

Opinião  »  2016-03-16  »  José Ricardo Costa

"Ser de esquerda funciona para muitos como as cartes-de-visite, uma moda no século XIX que consistia em oferecer a amigos, conhecidos ou familiares fotografias de pequeno formato nas quais se pretendia assumir uma dada imagem perante o mundo, uma espécie de retrato moral e psicológico, fosse este verdadeiro ou falso"

Desejando motivar os alunos para o capítulo de Filosofia Política, explico que o tema ajuda a esclarecer, entre outras coisas, o que significa ser de esquerda ou de direita. Um aluno mais curioso resolveu então perguntar-me se sou de esquerda ou de direita. Expliquei-lhe que por uma razão deontológica não iria responder mas apeteceu-me divertir um bocadinho, lançando-lhe então o desafio de adivinhar. O moço observa-me, mexe no queixo, reflecte. Por fim, com ar assertivo, decide que sou de esquerda. Por fora, fiquei impassível. Por dentro, em estado de pânico. Pensei logo numa desgraçada semelhança entre mim e Mário Nogueira, algo no meu olhar que possa lembrar a Ana Avoila, enfim, sinais que me dêem aquele ar de quem vai para uma Manif. no Rossio contra qualquer coisa que mexa. Ao contrário do Nani Moretti, que implorava ao outro para dizer qualquer coisinha de esquerda, a minha preocupação era sobre o que o aluno pudesse dizer de mim para me considerar de esquerda. Temendo o pior, mas com um giocôndico sorriso nos lábios, peço-lhe para me explicar a razão. Com expressão analítica, diz-me então que devo ser de esquerda pois tenho ar de ser boa pessoa. Respirei de alívio: nada na sua resposta remeteu para um putativo ar engagé, para uma semiótica marxista-leninista-trotskista-estalinista-maoista-castrista-chavista, nada que me faça ter ar de deputado do Bloco de Esquerda ou de ser primo do João Galamba. Em suma, nada que me tirasse o sono.

Horas depois, a caminho de casa, voltei a pensar no assunto, tendo o alívio dado lugar à perplexidade. Conheço suficientemente o mundo e os seres humanos para saber que não se é melhor ou pior pessoa por se ser de esquerda ou de direita. O que é impressionante é o modo eficaz como uma capa ideológica consegue moldar o carácter de uma pessoa. De facto, dá muito jeito ser de esquerda. Pode-se ser um pulha, patife, narcisista, arrogante, egoísta, ambicioso, manipulador, vaidoso e insensível ao próximo. Mas nada como uma messiânica ideologia, a defesa de princípios éticos superiores, a retórica de uma sociedade igualitária para funcionar como sistema imunitário que sublime todos os vícios pessoais. Aliás, não é por acaso que haverá sempre maior tolerância e compreensão face a crimes e barbaridades praticados pela esquerda, desde regimes despóticos a actos terroristas, do que pela direita. Porquê? Pela nobreza da ideologia, pelo altruísmo e fraternidade inerentes aos princípios, pela bondade de uma acção que pretende redimir o mundo dos seus pecados. Passa-se pois com a esquerda o mesmo que se passa com o ser cristão. Uma pessoa apresenta-se ao mundo como cristã, vende, com bom proveito, a sua imagem cristã, podendo com isso disfarçar ou desculpar tanto os seus pecadilhos como os seus pecadilhões.


Ser de esquerda funciona assim para muitos como as cartes-de-visite, uma moda no século XIX que consistia em oferecer a amigos, conhecidos ou familiares fotografias de pequeno formato nas quais se pretendia assumir uma dada imagem perante o mundo, uma espécie de retrato moral e psicológico, fosse este verdadeiro ou falso. Hoje não há cartes-de-visite. Não há em papel mas há de outra maneira: basta ser do partido A ou B, vestir-se de certa maneira, ir às Manifs, ler os livros certos, defender as ideias ou causas certas no restaurante certo ou no bar certo. Tal como numa carte-de-visite, vender uma imagem ideal e que faça os outros acreditarem ser aquela pessoa um produto em total coerência com essa imagem. Nada melhor do que um aluno ingénuo e que nada percebe de política para termos a consciência da força e eficácia de certas ideias. 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)