• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 23 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 31° / 15°
Céu limpo
Sáb.
 29° / 14°
Céu limpo
Sex.
 26° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

COISINHAS DE ESQUERDA

Opinião  »  2016-03-16  »  José Ricardo Costa

"Ser de esquerda funciona para muitos como as cartes-de-visite, uma moda no século XIX que consistia em oferecer a amigos, conhecidos ou familiares fotografias de pequeno formato nas quais se pretendia assumir uma dada imagem perante o mundo, uma espécie de retrato moral e psicológico, fosse este verdadeiro ou falso"

Desejando motivar os alunos para o capítulo de Filosofia Política, explico que o tema ajuda a esclarecer, entre outras coisas, o que significa ser de esquerda ou de direita. Um aluno mais curioso resolveu então perguntar-me se sou de esquerda ou de direita. Expliquei-lhe que por uma razão deontológica não iria responder mas apeteceu-me divertir um bocadinho, lançando-lhe então o desafio de adivinhar. O moço observa-me, mexe no queixo, reflecte. Por fim, com ar assertivo, decide que sou de esquerda. Por fora, fiquei impassível. Por dentro, em estado de pânico. Pensei logo numa desgraçada semelhança entre mim e Mário Nogueira, algo no meu olhar que possa lembrar a Ana Avoila, enfim, sinais que me dêem aquele ar de quem vai para uma Manif. no Rossio contra qualquer coisa que mexa. Ao contrário do Nani Moretti, que implorava ao outro para dizer qualquer coisinha de esquerda, a minha preocupação era sobre o que o aluno pudesse dizer de mim para me considerar de esquerda. Temendo o pior, mas com um giocôndico sorriso nos lábios, peço-lhe para me explicar a razão. Com expressão analítica, diz-me então que devo ser de esquerda pois tenho ar de ser boa pessoa. Respirei de alívio: nada na sua resposta remeteu para um putativo ar engagé, para uma semiótica marxista-leninista-trotskista-estalinista-maoista-castrista-chavista, nada que me faça ter ar de deputado do Bloco de Esquerda ou de ser primo do João Galamba. Em suma, nada que me tirasse o sono.

Horas depois, a caminho de casa, voltei a pensar no assunto, tendo o alívio dado lugar à perplexidade. Conheço suficientemente o mundo e os seres humanos para saber que não se é melhor ou pior pessoa por se ser de esquerda ou de direita. O que é impressionante é o modo eficaz como uma capa ideológica consegue moldar o carácter de uma pessoa. De facto, dá muito jeito ser de esquerda. Pode-se ser um pulha, patife, narcisista, arrogante, egoísta, ambicioso, manipulador, vaidoso e insensível ao próximo. Mas nada como uma messiânica ideologia, a defesa de princípios éticos superiores, a retórica de uma sociedade igualitária para funcionar como sistema imunitário que sublime todos os vícios pessoais. Aliás, não é por acaso que haverá sempre maior tolerância e compreensão face a crimes e barbaridades praticados pela esquerda, desde regimes despóticos a actos terroristas, do que pela direita. Porquê? Pela nobreza da ideologia, pelo altruísmo e fraternidade inerentes aos princípios, pela bondade de uma acção que pretende redimir o mundo dos seus pecados. Passa-se pois com a esquerda o mesmo que se passa com o ser cristão. Uma pessoa apresenta-se ao mundo como cristã, vende, com bom proveito, a sua imagem cristã, podendo com isso disfarçar ou desculpar tanto os seus pecadilhos como os seus pecadilhões.


Ser de esquerda funciona assim para muitos como as cartes-de-visite, uma moda no século XIX que consistia em oferecer a amigos, conhecidos ou familiares fotografias de pequeno formato nas quais se pretendia assumir uma dada imagem perante o mundo, uma espécie de retrato moral e psicológico, fosse este verdadeiro ou falso. Hoje não há cartes-de-visite. Não há em papel mas há de outra maneira: basta ser do partido A ou B, vestir-se de certa maneira, ir às Manifs, ler os livros certos, defender as ideias ou causas certas no restaurante certo ou no bar certo. Tal como numa carte-de-visite, vender uma imagem ideal e que faça os outros acreditarem ser aquela pessoa um produto em total coerência com essa imagem. Nada melhor do que um aluno ingénuo e que nada percebe de política para termos a consciência da força e eficácia de certas ideias. 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia Crise, Professores, Brexit e Venezuela