• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 18° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 4°
Céu nublado
Ter.
 13° / 6°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para acabar de vez com o “convento do Carmo”

Opinião  »  2017-07-20 

"Edifício do antigo hospital é alvo de atentado à verdade histórica"

Costuma dizer-se que uma mentira mil vezes repetida acaba por ser uma verdade, mas neste caso não é possível. Não há nada a fazer e é uma verdade histórica com quase 200 anos: não há nenhum “Convento do Carmo” em Torres Novas. Existe, sim, o edifício do antigo hospital, construído de raiz e inaugurado em 1882. Tudo o resto é um delírio e um atestado de estupidez passado a dezenas de milhares de torrejanos.

Quando, em 1866, o governo do Reino cedeu à Misericórdia de Torres Novas o terreno, edifício e Cerca do antigo convento do Carmo, já o convento do Carmo não existia há trinta anos. Extinto em 1834, o edifício conventual era uma construção térrea e relativamente pobre, destacando-se dele um alpendre na frontaria. Na data da concessão, apenas o alpendre estava de pé, mas praticamente em ruínas, pelo que teve de ser logo demolido. Para a construção do hospital teria de ser também demolida a torre da igreja do Carmo, que estava contígua ao extinto convento.

A construção do novo complexo, um edifício hospitalar moderno e arrojado para as posses da Misericórdia e do município, teve início ainda na década de 60 desse século XIX e mobilizou recursos vários e imensos: da própria confraria, de particulares, donativos do povo e subsídios oficiais. Na carta de lei que enquadrava a cedência, estipulava-se que, “em qualquer tempo”, se o edifício viesse e servir outro fim que não o de hospital, tudo reverteria para a Fazenda Pública: o terreno, o edifício e ainda as receitas arrecadadas pela Misericórdia na venda dos valiosos terrenos da Cerca que envolviam o antigo convento. Quer isto dizer que, quando o actual edifício deixou de servir como hospital, tudo o que ali estava era do Estado. Um decreto do governo Sócrates reverteu o estatuto jurídico da concessão, permitindo que o Estado, via câmara municipal, pagasse à Misericórdia quase um milhão de euros por um bem que lhe pertencia.

Voltemos ao actual edifício. Trata-se de um edifício hospitalar projectado obviamente para esse fim e com requisitos técnicos avançados para a época, visíveis na dimensão e pé direito dos amplos corredores, na área das enfermarias e outros aposentos, ou até no sistema de ventilação, assente em caixas de ar por baixo dos soalhos. Era, para época, um hospital moderno. Na década de 30, Artur Gonçalves escrevia que o hospital de Torres Novas ainda era considerado um dos mais modernos da província. Não era bairrismo, era verdade.

Literalmente, no edifício do hospital que todos conhecemos não havia uma ripa, um prego, um tijolo, um grão de areia que fosse do edifício do antigo convento. Nem o novo edifício do hospital, como se compreende, tinha algo que ver, em termos de desenho, planta ou volumetria sequer, com o extinto e demolido convento. Quando se inaugurou o hospital, em 1882, já meio século passara sobre o fim do antigo convento que estivera naquele local e que não passava já de uma ténue lembrança.

A verdade é que as obras de requalificação, agora concluídas no local, são obras de requalificação do edifício do antigo hospital de Torres Novas. Chamando as coisas e os factos pelos nomes, pode dizer-se que está ali o edifício dos futuros Paços do Concelho e que se tratou de um programa de reabilitação do edifício do antigo hospital. Não há nenhum “convento do Carmo”, não se reconstruíu nem reabilitou nenhum “convento do Carmo”.

Havendo dificuldades em dizer publicamente que se vão inaugurar os futuros Paços do Concelho, por causa do período de nojo de cinco anos decorrente da aldrabice junto dos fundos comunitários, e muitos pruridos em dizer que se iram inaugurar as obras de requalificação do edifício do antigo hospital (seria assim a formulação correcta), ao menos que se desenhasse uma opção credível, tipo “Paços do Carmo”. Agora “convento do Carmo” não lembrava nem ao Menino Jesus de África que é pretinho.

Persistir nessa mentira, que parece decorrer de um qualquer pathos instalado que tende para a indigência mental e o delírio, constitui uma afronta à história, à inteligência, à verdade. Os que persistem nessa palhaçada de mau gosto que é aldrabar a verdade histórica de modo dolorosamente anedótico e até confrangedor, estão a querer chamar estúpidos e atrasados mentais a milhares de torrejanos que sabem que aquele edifício era o do antigo hospital, o “hospital velho”, como o povo diz.

Poderão pois, na sua teimosia e na sua ignorância, continuar a falar num “convento do Carmo” que foram desenterrar sabe-se lá a que corredores esconsos das suas meninges. Tenham paciência: não há “convento do Carmo”, nunca haverá “convento do Carmo”. A luminosa verdade e a soberania da história são mais fortes que os estilhaços do foguetório do momento.
João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Opinião


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


Deus 2.0 »  2017-11-29  »  José Ricardo Costa

O problema da existência de Deus foi, até ao século XIX, tema incontornável da Filosofia, não havendo filósofo que não metesse a sua colherada nem que fosse para deitar veneno. Depois, quase recebeu a extrema-unção.
(ler mais...)


Propólis: um poderoso antibiótico natural »  2017-11-29  »  Juvenal Silva

As abelhas protegem com segurança o seu reduto, a colmeia: contra os fungos, os vírus e as bactérias que se formam com a decomposição dos bichos que tentam entrar nos seus enxames, como ratos, vermes, aranhas, etc.
(ler mais...)


Os corvos-marinhos estão de volta. »  2017-11-29  »  Nuno Curado

Já há alguns anos que os choupos encostados à ponte da Levada são o pouso matinal de um grupo de corvos-marinhos que frequenta a cidade. Para quem não os conhece, parecem umas garças de cor preta e bico mais grosso, com uma mancha branca e amarela na face.
(ler mais...)


“A política é como os amigos” »  2017-11-29  »  Rosa Amora

A política, meus amigos, é como vocês. Por vezes leve, às vezes pesada, pode ser tão brincalhona como tão séria que chega a doer.
E a amizade é mesmo como a política. Tem altos e baixos, é inspiração, é luta, é carinho pelos outros.
(ler mais...)


A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro) »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)