• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 18 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 18° / 6°
Céu limpo
Ter.
 19° / 7°
Céu limpo
Seg.
 18° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  18° / 6°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para acabar de vez com o “convento do Carmo”

Opinião  »  2017-07-20 

"Edifício do antigo hospital é alvo de atentado à verdade histórica"

Costuma dizer-se que uma mentira mil vezes repetida acaba por ser uma verdade, mas neste caso não é possível. Não há nada a fazer e é uma verdade histórica com quase 200 anos: não há nenhum “Convento do Carmo” em Torres Novas. Existe, sim, o edifício do antigo hospital, construído de raiz e inaugurado em 1882. Tudo o resto é um delírio e um atestado de estupidez passado a dezenas de milhares de torrejanos.

Quando, em 1866, o governo do Reino cedeu à Misericórdia de Torres Novas o terreno, edifício e Cerca do antigo convento do Carmo, já o convento do Carmo não existia há trinta anos. Extinto em 1834, o edifício conventual era uma construção térrea e relativamente pobre, destacando-se dele um alpendre na frontaria. Na data da concessão, apenas o alpendre estava de pé, mas praticamente em ruínas, pelo que teve de ser logo demolido. Para a construção do hospital teria de ser também demolida a torre da igreja do Carmo, que estava contígua ao extinto convento.

A construção do novo complexo, um edifício hospitalar moderno e arrojado para as posses da Misericórdia e do município, teve início ainda na década de 60 desse século XIX e mobilizou recursos vários e imensos: da própria confraria, de particulares, donativos do povo e subsídios oficiais. Na carta de lei que enquadrava a cedência, estipulava-se que, “em qualquer tempo”, se o edifício viesse e servir outro fim que não o de hospital, tudo reverteria para a Fazenda Pública: o terreno, o edifício e ainda as receitas arrecadadas pela Misericórdia na venda dos valiosos terrenos da Cerca que envolviam o antigo convento. Quer isto dizer que, quando o actual edifício deixou de servir como hospital, tudo o que ali estava era do Estado. Um decreto do governo Sócrates reverteu o estatuto jurídico da concessão, permitindo que o Estado, via câmara municipal, pagasse à Misericórdia quase um milhão de euros por um bem que lhe pertencia.

Voltemos ao actual edifício. Trata-se de um edifício hospitalar projectado obviamente para esse fim e com requisitos técnicos avançados para a época, visíveis na dimensão e pé direito dos amplos corredores, na área das enfermarias e outros aposentos, ou até no sistema de ventilação, assente em caixas de ar por baixo dos soalhos. Era, para época, um hospital moderno. Na década de 30, Artur Gonçalves escrevia que o hospital de Torres Novas ainda era considerado um dos mais modernos da província. Não era bairrismo, era verdade.

Literalmente, no edifício do hospital que todos conhecemos não havia uma ripa, um prego, um tijolo, um grão de areia que fosse do edifício do antigo convento. Nem o novo edifício do hospital, como se compreende, tinha algo que ver, em termos de desenho, planta ou volumetria sequer, com o extinto e demolido convento. Quando se inaugurou o hospital, em 1882, já meio século passara sobre o fim do antigo convento que estivera naquele local e que não passava já de uma ténue lembrança.

A verdade é que as obras de requalificação, agora concluídas no local, são obras de requalificação do edifício do antigo hospital de Torres Novas. Chamando as coisas e os factos pelos nomes, pode dizer-se que está ali o edifício dos futuros Paços do Concelho e que se tratou de um programa de reabilitação do edifício do antigo hospital. Não há nenhum “convento do Carmo”, não se reconstruíu nem reabilitou nenhum “convento do Carmo”.

Havendo dificuldades em dizer publicamente que se vão inaugurar os futuros Paços do Concelho, por causa do período de nojo de cinco anos decorrente da aldrabice junto dos fundos comunitários, e muitos pruridos em dizer que se iram inaugurar as obras de requalificação do edifício do antigo hospital (seria assim a formulação correcta), ao menos que se desenhasse uma opção credível, tipo “Paços do Carmo”. Agora “convento do Carmo” não lembrava nem ao Menino Jesus de África que é pretinho.

Persistir nessa mentira, que parece decorrer de um qualquer pathos instalado que tende para a indigência mental e o delírio, constitui uma afronta à história, à inteligência, à verdade. Os que persistem nessa palhaçada de mau gosto que é aldrabar a verdade histórica de modo dolorosamente anedótico e até confrangedor, estão a querer chamar estúpidos e atrasados mentais a milhares de torrejanos que sabem que aquele edifício era o do antigo hospital, o “hospital velho”, como o povo diz.

Poderão pois, na sua teimosia e na sua ignorância, continuar a falar num “convento do Carmo” que foram desenterrar sabe-se lá a que corredores esconsos das suas meninges. Tenham paciência: não há “convento do Carmo”, nunca haverá “convento do Carmo”. A luminosa verdade e a soberania da história são mais fortes que os estilhaços do foguetório do momento.
João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia A esquerda e os rankings escolares
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo