• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 21 de Maio de 2018
Pesquisar...
Qui.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 26° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 26° / 11°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A negação como motor

Opinião  »  2018-01-23  »  João Lérias

O silêncio é afinal uma parte daquilo que somos. O ruído e o silêncio das palavras habitam em nós, da mesma forma e com a mesma importância, sucede que em certos momentos, preferimos de longe, a intensidade do silêncio, por ser esse o lugar onde continuamos a pensar, sem a necessidade das palavras.
A utilidade do silêncio, é permitir, quase sempre a identificação de algumas situações, impossíveis de descortinar no ruído das palavras. Percebo hoje, melhor que nunca, que o meu motor na política, é a pura negação. Só assim, percebo a razão de continuar a preferir uma boa barricada, mais por saber onde não quero estar, do que a convicção de pertença.
A verdade, é que, desde a revolução industrial, que duas grandes propostas de organização social competiram entre si, o liberalismo e o marxismo. O marxismo, independentemente dos revisionismos de que foi alvo, teve uma paternidade assumida, e desde sempre as suas propostas se mostravam bastante sedutoras. Quem não se identificava com a superação da miséria e da injustiça, a superação da exploração no mundo e a redistribuição das riquezas, emprego pleno e habitação para todos.
Ao invés, o liberalismo nunca teve preocupações com a sua paternidade, não foi objeto de revisionismos, aparentemente muito menos sedutor, limitava-se a acreditar na livre iniciativa, no esforço individual, na criação de riqueza, no trabalho e na competição entre os agentes económicos, como condição da sua própria sobrevivência.
Ora, se na mesa do café, entre amigos, a conversa avançava para este campo da teoria social, claramente percebia que preferia o caminho mais lento e tortuoso de uma doutrina associada aos direitos individuais, às outras propostas, porventura mais sedutoras mas demasiado simplistas do marxismo. Facilmente conseguia perceber o lado ao qual pertencia, e percebia-o pelo sentimento de negação, de não conseguir pertencer ao outro lado. Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
Fui assim, tanto nas opções políticas mais longínquas de que tenho memória, como nas mais recentes. Não me revejo, de todo, na oligarquia partidária que persiste em vingar no nosso sistema político. Sendo assim, está visto que opto, sem problema algum pela minha militância de princípios cada vez mais afastada dos partidos, Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
No tratado da negação, de Fernando Pessoa (Raphael Baldaya), ele para tentar explicar a existência de Deus, afirma precisamente que o mundo é formado por duas ordens de forças, as que se afirmam e as que se negam, sendo certo que, se tudo o que vemos não é mais de que um amontoado de ilusões, então o conhecimento começa na vivência íntima das ilusões, é aí precisamente que começamos logo por repudiar, por vezes até na intensidade do nosso silêncio.
Por negação, e por vezes em silêncio, vou descobrindo onde pertenço. Acaba por ser este o sentimento que me move. É o meu motor ideológico. Talvez seja pouco, mas é o que tenho!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?