• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 17° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 13° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Seg.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A negação como motor

Opinião  »  2018-01-23  »  João Lérias

O silêncio é afinal uma parte daquilo que somos. O ruído e o silêncio das palavras habitam em nós, da mesma forma e com a mesma importância, sucede que em certos momentos, preferimos de longe, a intensidade do silêncio, por ser esse o lugar onde continuamos a pensar, sem a necessidade das palavras.
A utilidade do silêncio, é permitir, quase sempre a identificação de algumas situações, impossíveis de descortinar no ruído das palavras. Percebo hoje, melhor que nunca, que o meu motor na política, é a pura negação. Só assim, percebo a razão de continuar a preferir uma boa barricada, mais por saber onde não quero estar, do que a convicção de pertença.
A verdade, é que, desde a revolução industrial, que duas grandes propostas de organização social competiram entre si, o liberalismo e o marxismo. O marxismo, independentemente dos revisionismos de que foi alvo, teve uma paternidade assumida, e desde sempre as suas propostas se mostravam bastante sedutoras. Quem não se identificava com a superação da miséria e da injustiça, a superação da exploração no mundo e a redistribuição das riquezas, emprego pleno e habitação para todos.
Ao invés, o liberalismo nunca teve preocupações com a sua paternidade, não foi objeto de revisionismos, aparentemente muito menos sedutor, limitava-se a acreditar na livre iniciativa, no esforço individual, na criação de riqueza, no trabalho e na competição entre os agentes económicos, como condição da sua própria sobrevivência.
Ora, se na mesa do café, entre amigos, a conversa avançava para este campo da teoria social, claramente percebia que preferia o caminho mais lento e tortuoso de uma doutrina associada aos direitos individuais, às outras propostas, porventura mais sedutoras mas demasiado simplistas do marxismo. Facilmente conseguia perceber o lado ao qual pertencia, e percebia-o pelo sentimento de negação, de não conseguir pertencer ao outro lado. Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
Fui assim, tanto nas opções políticas mais longínquas de que tenho memória, como nas mais recentes. Não me revejo, de todo, na oligarquia partidária que persiste em vingar no nosso sistema político. Sendo assim, está visto que opto, sem problema algum pela minha militância de princípios cada vez mais afastada dos partidos, Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
No tratado da negação, de Fernando Pessoa (Raphael Baldaya), ele para tentar explicar a existência de Deus, afirma precisamente que o mundo é formado por duas ordens de forças, as que se afirmam e as que se negam, sendo certo que, se tudo o que vemos não é mais de que um amontoado de ilusões, então o conhecimento começa na vivência íntima das ilusões, é aí precisamente que começamos logo por repudiar, por vezes até na intensidade do nosso silêncio.
Por negação, e por vezes em silêncio, vou descobrindo onde pertenço. Acaba por ser este o sentimento que me move. É o meu motor ideológico. Talvez seja pouco, mas é o que tenho!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-03-22  »  José Ricardo Costa Como dantes não se falava, também não se dava por ela.
»  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro O Nhonhinhas
»  2019-03-22  »  Ana Sentieiro Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música
»  2019-03-22  »  António Gomes Prioritário? As estradas.