• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A negação como motor

Opinião  »  2018-01-23  »  João Lérias

O silêncio é afinal uma parte daquilo que somos. O ruído e o silêncio das palavras habitam em nós, da mesma forma e com a mesma importância, sucede que em certos momentos, preferimos de longe, a intensidade do silêncio, por ser esse o lugar onde continuamos a pensar, sem a necessidade das palavras.
A utilidade do silêncio, é permitir, quase sempre a identificação de algumas situações, impossíveis de descortinar no ruído das palavras. Percebo hoje, melhor que nunca, que o meu motor na política, é a pura negação. Só assim, percebo a razão de continuar a preferir uma boa barricada, mais por saber onde não quero estar, do que a convicção de pertença.
A verdade, é que, desde a revolução industrial, que duas grandes propostas de organização social competiram entre si, o liberalismo e o marxismo. O marxismo, independentemente dos revisionismos de que foi alvo, teve uma paternidade assumida, e desde sempre as suas propostas se mostravam bastante sedutoras. Quem não se identificava com a superação da miséria e da injustiça, a superação da exploração no mundo e a redistribuição das riquezas, emprego pleno e habitação para todos.
Ao invés, o liberalismo nunca teve preocupações com a sua paternidade, não foi objeto de revisionismos, aparentemente muito menos sedutor, limitava-se a acreditar na livre iniciativa, no esforço individual, na criação de riqueza, no trabalho e na competição entre os agentes económicos, como condição da sua própria sobrevivência.
Ora, se na mesa do café, entre amigos, a conversa avançava para este campo da teoria social, claramente percebia que preferia o caminho mais lento e tortuoso de uma doutrina associada aos direitos individuais, às outras propostas, porventura mais sedutoras mas demasiado simplistas do marxismo. Facilmente conseguia perceber o lado ao qual pertencia, e percebia-o pelo sentimento de negação, de não conseguir pertencer ao outro lado. Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
Fui assim, tanto nas opções políticas mais longínquas de que tenho memória, como nas mais recentes. Não me revejo, de todo, na oligarquia partidária que persiste em vingar no nosso sistema político. Sendo assim, está visto que opto, sem problema algum pela minha militância de princípios cada vez mais afastada dos partidos, Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
No tratado da negação, de Fernando Pessoa (Raphael Baldaya), ele para tentar explicar a existência de Deus, afirma precisamente que o mundo é formado por duas ordens de forças, as que se afirmam e as que se negam, sendo certo que, se tudo o que vemos não é mais de que um amontoado de ilusões, então o conhecimento começa na vivência íntima das ilusões, é aí precisamente que começamos logo por repudiar, por vezes até na intensidade do nosso silêncio.
Por negação, e por vezes em silêncio, vou descobrindo onde pertenço. Acaba por ser este o sentimento que me move. É o meu motor ideológico. Talvez seja pouco, mas é o que tenho!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa