• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 19 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 15° / 4°
Céu limpo
Qua.
 19° / 6°
Céu limpo
Ter.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A negação como motor

Opinião  »  2018-01-23  »  João Lérias

O silêncio é afinal uma parte daquilo que somos. O ruído e o silêncio das palavras habitam em nós, da mesma forma e com a mesma importância, sucede que em certos momentos, preferimos de longe, a intensidade do silêncio, por ser esse o lugar onde continuamos a pensar, sem a necessidade das palavras.
A utilidade do silêncio, é permitir, quase sempre a identificação de algumas situações, impossíveis de descortinar no ruído das palavras. Percebo hoje, melhor que nunca, que o meu motor na política, é a pura negação. Só assim, percebo a razão de continuar a preferir uma boa barricada, mais por saber onde não quero estar, do que a convicção de pertença.
A verdade, é que, desde a revolução industrial, que duas grandes propostas de organização social competiram entre si, o liberalismo e o marxismo. O marxismo, independentemente dos revisionismos de que foi alvo, teve uma paternidade assumida, e desde sempre as suas propostas se mostravam bastante sedutoras. Quem não se identificava com a superação da miséria e da injustiça, a superação da exploração no mundo e a redistribuição das riquezas, emprego pleno e habitação para todos.
Ao invés, o liberalismo nunca teve preocupações com a sua paternidade, não foi objeto de revisionismos, aparentemente muito menos sedutor, limitava-se a acreditar na livre iniciativa, no esforço individual, na criação de riqueza, no trabalho e na competição entre os agentes económicos, como condição da sua própria sobrevivência.
Ora, se na mesa do café, entre amigos, a conversa avançava para este campo da teoria social, claramente percebia que preferia o caminho mais lento e tortuoso de uma doutrina associada aos direitos individuais, às outras propostas, porventura mais sedutoras mas demasiado simplistas do marxismo. Facilmente conseguia perceber o lado ao qual pertencia, e percebia-o pelo sentimento de negação, de não conseguir pertencer ao outro lado. Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
Fui assim, tanto nas opções políticas mais longínquas de que tenho memória, como nas mais recentes. Não me revejo, de todo, na oligarquia partidária que persiste em vingar no nosso sistema político. Sendo assim, está visto que opto, sem problema algum pela minha militância de princípios cada vez mais afastada dos partidos, Lá está o meu espírito de negação a funcionar.
No tratado da negação, de Fernando Pessoa (Raphael Baldaya), ele para tentar explicar a existência de Deus, afirma precisamente que o mundo é formado por duas ordens de forças, as que se afirmam e as que se negam, sendo certo que, se tudo o que vemos não é mais de que um amontoado de ilusões, então o conhecimento começa na vivência íntima das ilusões, é aí precisamente que começamos logo por repudiar, por vezes até na intensidade do nosso silêncio.
Por negação, e por vezes em silêncio, vou descobrindo onde pertenço. Acaba por ser este o sentimento que me move. É o meu motor ideológico. Talvez seja pouco, mas é o que tenho!

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia A esquerda e os rankings escolares
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo