• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Dezembro 2018   |     Directora: Inês Vidal   |     Estatuto Editorial   |     História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 17° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O MERCEDES E O PEÃO

Opinião  »  2015-06-08  »  José Ricardo Costa

"Uma pessoa rica tem mais responsabilidades morais e na gestão pública da sua personalidade do que uma pessoa pobre"

Estava a preparar-me para atravessar uma passadeira quando um condutor ignorou por completo a minha desprezível existência de peão. Nada a que eu, peão por militância e convicção, não esteja habituado nos meu diário percurso entre a casa e o trabalho. Só que desta vez ocorreu um processo interessante nos mecanismos automáticos da minha mente. Tratando-se de um carro de alta cilindrada, de imediato inferi que o desprezo do condutor resultou de alguém ufano da sua posição social. Eis o suficiente para logo o transformar numa criatura arrogante, vaidosa, egoísta, com o típico complexo de superioridade de um ego insuflado, começando por isso a sentir-me um anarquista russo do século XIX com vontade de estrafegar o pescoço de todos os condutores ricos que se julgam donos das ruas e que olham para os pobres peões como um senhor feudal para o servo da gleba. 


Mas de repente senti o meu anjinho do lado direito a despejar água sobre o fogo revolucionário do diabinho do lado esquerdo. Caramba, eu não sou rico mas nada tenho contra os ricos. Como Olof Palm, não acredito que é com os ricos que se deve acabar mas com os pobres. Nem acredito naquela parvoíce de achar que são precisos não sei quantos pobres para fazer um rico. Pelo contrário, acredito que os ricos fazem muita falta aos pobres e que um dos problemas de Portugal será mesmo a sua escassez e a falta de um sistema que distribua justamente a riqueza, como sucede nos países mais desenvolvidos da Europa.


Pronto, sei que fui irracional mas não houve volta a dar, somos mesmo assim. Captamos um pontinho numa pessoa e somos logo levados a relacioná-lo com outros, sem que tenha de haver uma ligação entre eles. Se um condutor de um Fiat Uno a cair aos bocados não pára na passadeira, penso apenas que lhe falta civismo. Mas se for um carro de luxo já associo isso ao facto de o condutor ser rico. Acontece que ao dono do carro de luxo pode apenas faltar o mesmo civismo que falta ao dono do Fiat Uno, nada tendo que ver com a sua conta bancária. E por que não admitir que até pode ser a pessoa mais cívica do mundo mas vai simplesmente distraído ou, indo depressa, não teve tempo para travar? A mim já me aconteceu não parar numa passadeira por esses motivos, e do mesmo modo que me senti desconfortável por isso, por que não presumir ter ele sentido o mesmo?


O meu anjinho venceu e fiquei em paz com a minha consciência. Mas a experiência fez-me pensar no estatuto de ser rico e como isso deve ser gerido moralmente. Pode parecer estranho o que vou dizer mas acredito sinceramente nisso: uma pessoa rica tem mais responsabilidades morais e na gestão pública da sua personalidade do que uma pessoa pobre. É exactamente pelo facto de o dinheiro estar muitas vezes associado à vaidade, à presunção, à ganância, à arrogância, que uma pessoa que o possui em abundância deverá ter uma atitude de hiper-correcção no que faz ou diz. Se há atitude que fica bem numa pessoa rica é precisamente a que revela humildade, discrição, simpatia e respeito, sobretudo por aqueles que estão num plano socialmente inferior. Entendo que tal não aconteça num pato-bravo ou num novo rico que o é à custa de atropelar os interesses de outros. Está-lhe na massa do sangue. O verdadeiro aristocrata, pelo contrário, reconhece-se na nobreza dos seus actos, os quais podem ser aferidos a partir do que dizia Séneca nas Cartas a Lucílio: «Um espírito superior é capaz de utilizar utensílios de barro como se fossem de prata, mas não é inferior aquele que usa os de prata como se fossem de barro». E, acrescentando eu, respeitando de igual modo todos aqueles que se sentam, tanto à sua mesa como à sua volta, para comer.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder