• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Suave cumplicidade

Opinião  »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

"Cada actuação dos La Fontinha consegue transmitir ao público a cumplicidade do momento. Uma suave cumplicidade."

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.

Desta vez, os LaFontinha obrigaram o Fausto a vir mais uma vez a Torres Novas. Depois da noite memorável do Virgínia em que esteve por cá, agora foi a sua música e com ela a sua genialidade que subiram ao palco do estúdio Alfa.

Mas só pode estar com a sua música quem a adopta e a interpreta com tudo aquilo que ela tem de belo, e com todo o significado que assume para quem a sente. Porque a música do Fausto, como de resta a de outros autores, encerra em si circunstância especiais, nasce de histórias concretas, conta situações, defende ideias, modos de pensar, percorre caminhos estreitos e veredas apertadas onde só cabem alguns, aqueles a quem a sua arte lhes entra no corpo sem lhes pedir licença mas simultaneamente exige cumplicidades, guarda de segredos, comunhão de qualidades, partilha dos sentimentos mais profundos como os sonhos, todos os sonhos.

Assumidas pelos LaFontinha, com o rigor que colocam em todas as suas interpretações, as canções do Fausto lembram-me sonhos lindos. Mercê de uma forma de estar no palco aparentemente descontraída mas muito intensa, serena e cúmplice, cada actuação dos La Fontinha consegue transmitir ao público a cumplicidade do momento. Uma suave cumplicidade.

Muito longe de exibicionismos bacocos que levam o público a dançar e gritar com se estivesse num ginásio a fazer exercícios físicos, os músicos dos LaFontinha ocupam o palco para tocar e cantar com a serenidade e discrição necessárias, tentando interpretar as diversas obras-primas do Fausto e criando a verdade dos que não se esticam em bicos de pés.

O respeito pelo autor sente-se em cada música, em cada poema. E o que se retira é que a música é muito mais do que um conjunto de notas sem alma, nem dor, nem alegria, é um irresistível sentimento de partilha e orgulho e honra nessa partilha que se espraia pela sala. E, embora possa sentir vontade de saltar e dançar nalguns momentos, o público não o faz porque estas como outras obras-primas entram no mais interior de cada um, no mais desconhecido, e anicham-se no colo, paralisando os corpos mas aguçando os sentidos e os sentimentos. Como se tudo fosse um sonho, um sonho lindo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?