• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Diminuição do número de deputados?

Opinião  »  2014-09-25  »  Jorge Carreira Maia

A proposta, de António José Seguro, de diminuição do número de deputados traz consigo uma perigosa deriva antidemocrática. O tema da diminuição do número de deputados tem uma forte natureza populista. Na verdade, os portugueses possuem um diminuto respeito pelo parlamento. Não têm dos deputados uma imagem benigna. Desprezam-nos, assim como a outros agentes políticos, e acham inútil a existência de tantos parlamentares, até porque, no imaginário popular, são corruptos e pouco ou nada fazem.

Num artigo da semana passada no Público, Vasco Pulido Valente mostrou que a aproximação dos deputados aos cidadãos através da criação de círculos onde só se elege um deputado (círculos uninominais) não passava de uma perigosa fantasia. Seria a substituição dos deputados presos aos interesses dos partidos por deputados presos aos interesses dos grandes senhores desses hipotéticos círculos uninominais. Isto é, passava-se do mau ao péssimo. Em vez de se obstar à corrupção, acabar-se-ia por fomentá-la. Esse argumento bastaria para que alguém com bom senso evitasse propor uma reforma da lei eleitoral assente na criação de círculos uninominais e na diminuição do número de deputados.

Apesar da proposta de Seguro poder ir ao encontro da voz do povo, ela é perigosa, repito. Não apenas porque pode ter o condão de corromper ainda mais o sistema político, mas também porque diminuirá a representatividade do parlamento português. Na verdade, aquilo que está em causa – e que também muito agrada ao PSD – é uma lei eleitoral que, devido à forma como se escolhem os deputados e ao número reduzido destes, acabe por eliminar parte substancial dos grupos parlamentares dos partidos mais pequenos. O que Seguro pretende é, através de manipulação da lei, acabar com a representação parlamentar significativa do CDS-PP, do PCP e do BE. Com a proposta de Seguro, estes partidos, se não desaparecessem da Assembleia da República, ficariam com um número de deputados que os tornariam irrelevantes na Assembleia.

Como cidadão, mesmo que não nutra nenhuma simpatia por qualquer desses três partidos ou outros que possam emergir, quero que os votos dos portugueses sejam respeitados. Não quero que um partido com 35% dos votos governe como se tivesse maioria absoluta, nem quero que um partido com 10% dos votos tenha apenas 1% ou 2% dos deputados. Quero que todos os votos valham sensivelmente o mesmo. Ora a proposta de Seguro despreza a vontade dos portugueses e protege os grandes partidos do sistema, aqueles que levaram Portugal para o terrível lugar onde se encontra. Seguro não tem mais nada para fazer e para propor?

www.kyrieeleison-jcm.blogspot.com

 

 

 Outras notícias - Opinião


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-07-05  »  Inês Vidal Umbigos, por Inês Vidal
»  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica
»  2019-07-04  »  António Gomes PLANTAR ÁRVORES
»  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia Balanço político da legislatura