• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 31° / 15°
Céu nublado
Sáb.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um caso exemplar

Opinião  »  2014-10-03  »  Jorge Carreira Maia

O fenómeno político merece uma atenção especial pelos dramas que nele se representam. António José Seguro sonhou ser primeiro-ministro e, durante uns tempos, ao chegar à liderança dos socialistas, julgou que o poder lhe cairia no colo, devido ao desgaste da coligação no poder. O mundo é cruel e, não perdeu tempo, em tornar evidente que o agora ex-líder do PS era um político pouco dotado para aquilo que pretendia, o poder. Se a oposição que fez a Passos Coelho foi mais colaboração do que oposição, onde Seguro mostrou a sua irrelevância política foi na forma como acolheu o desafio de António Costa. Toda a estratégia que seguiu tornou patente a sua fraqueza.

Se António José Seguro fosse um político virtuoso teria reagido, ao desafio que o Presidente da Câmara de Lisboa lhe lançou, de forma completamente diferente daquilo que fez. A política tem como objectivo central a conquista do poder e aqueles que o querem devem esperar a hora exacta para agir. Tudo tem um tempo. Foi isso que António Costa fez. Esperou a hora em que o ataque ao poder no partido poderia ter sucesso e não hesitou. Seguro deveria ter respondido de imediato que sim senhor, vamos resolver rapidamente o assunto da liderança, em vez de, como uma dama ofendida, se lamentar com a traição do camarada e de ter manobrado para que a decisão do assunto demorasse uma eternidade.

Na forma como agiu, toda a gente percebeu que ele era um candidato fraco e incapaz. Fraco porque partiu, numa situação em que isso era visto negativamente pelos eleitores, para ataques pessoais ao adversário. Incapaz, porque calculou mal. Ele teria toda a vantagem em resolver o assunto num rápido congresso do partido e sem eleições primárias. Fez exactamente o contrário. Um hara-kiri. As primárias socialistas não mostram a virtude política de Seguro. Mostram o equívoco que ele era. Quem se engana de tal forma na manutenção do poder dentro de um partido menos capaz é de o alcançar no país.

O que é interessante na política não é a esperança de que ela nos resolva os problemas. Não resolve. Os nossos problemas teremos de ser nós a resolvê-los condicionando os políticos. O interessante é observar estes dramas pessoais, nos quais descobrimos muitas vezes um abismo entre as pretensões que os indivíduos alimentam sobre si mesmos e a sua verdadeira natureza e capacidade para conquistar o poder. Na política como no desporto, a vitória é o único sinal de competência. O resto é pregação moral, mas a política não é o lugar da moralidade, como Seguro percebeu no domingo passado. Um caso exemplar.

www.kyrieeleison-jcm.blogspot.com

 

 

 Outras notícias - Opinião


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-19  »  Inês Vidal Democracia, por Inês Vidal
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Problemas de memória
»  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia Autarquias, professores, padres casados e futebol
»  2019-06-19  »  José Ricardo Costa O Tempo dos Gelados