• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 05 Março 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 8°
Períodos nublados
Sáb.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira

Opinião  »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

"No inverno, o frio era “glacial”. O ambiente matinal, gelado e tristonho, aquecia um pouco com uns latões em que se queimavam, libertando fumos, madeiros e desperdícios impregnados de óleos"

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres. No largo da Ponte do Raro, principalmente, concentrava-se o formigueiro azul dos fatos de ganga dos operários da Vítor Réquio, Abílio Pereira Reis, oficinas dos Claras e com maior expressão da Casa Nery, centro deste texto.

O número de trabalhadores desta última rondava os 350, organizados em várias secções. As “máquinas” localizavam-se no edifício cuja frontaria, junto à estrada, aparece nas fotos. Ali funcionavam, principalmente, tornos, fresas, limadores, etc. Foi aí, entre cerca de 50 outros operários, que comecei a trabalhar em Abril de 1965. Entrado com a profissão de torneiro mecânico, foi-me destinado um antigo torno junto à parede. Trabalho primeiro, dezenas de pernos para rebaixar e facejar. Em Janeiro do ano seguinte passei a desenhador, objectivo que me levara a ingressar no Curso Industrial. Nenhuma das secções da empresa me era desconhecida, já que ali estagiara para completar o referido curso.

É um pouco desse tempo que aqui recordo como memória, a que associo outras que ouvi contar.  O período de trabalho semanal era de 48 horas, 9 horas diárias, excepto à segunda-feira, em que se saía às 17, dia do mercado semanal, e ao sábado, em que se trabalhava na parte da manhã. Dizia-se que era prática antiga, trabalhar todo o sábado, e ao domingo ir-se “limpar a máquina”. O almoço decorria entre o meio-dia e a as 13 horas. Mal a “vaca” soava, uma torrente humana, de azul vestida, espalhava-se pelas ruas. Alguns operários vestiam calça e casaco de ganga enquanto os mais novos enfarpelavam o chamado fato de macaco. Se muitos saíam com a vestimenta de trabalho, que por vezes usavam mesmo no dia-a-dia na rua, outros ainda “queimavam” uns minutos para mudar para “civil”.

Parece hoje impossível como nesse período se ia, a pé, almoçar a sítios como a rua de Santo António, trepando a ladeira dos Canitos, ou às Tufeiras ou mesmo às Lapas, embora aqui de bicicleta. Era um burburinho! Nas entradas a “vaca” berrava duas vezes. A primeira, cinco minutos antes da hora, a segunda assinalando o fim do período de entrada. O controlo de acessos, aos olhos dos sofisticados sistemas de hoje, era curioso. Cada trabalhador tinha umas “moedas” em chapa com o seu número gravado; após o primeiro toque introduzia uma “moeda” na ranhura de uma caixa. Ao segundo toque um outro trabalhador, em geral do escritório, cerrava a caixa, confirmando as entradas. Alguém mais atardado teria que aguardar uma hora para pegar ao serviço, não sem antes solicitar a permissão patronal. Uma gestão hoje incompreensível, já que a máquina ficava parada nesse período.

O salário era pago à semana num guichet das oficinas, entregue em pequenas caixas individuais, em chapa, contendo o dinheiro e uma tira de papel com a descrição dos descontos. Comecei por ganhar 30$40/dia. Não me atrevo a converter em euros porque seria tão irrisório quanto incomparável.                            

Numa vala, ao longo da oficina, girava um veio accionado por um motor a gasóleo. A partir dele, como era usual no início do século, saíam correias movimentando tambores rodando no ar e dali baixando para accionar as máquinas. A maioria, todavia, funcionava já com motor eléctrico autónomo. As peças eram transportadas numas zorras pesadas que circulavam nuns carris empurradas pelos chamados serventes.                                       

Quando um candidato se apresentava a exame profissional para ingressar na empresa, era sujeito a uma prova prática. Indicada a máquina, recebia os materiais, desenhos e especificações técnicas. Discretamente, havia quem passasse deixando a dica de que aquele trabalho não deveria ser feito em menos de X horas. Uma coisa era o trabalho em rotina diária, outra em prova de exame, passando este tempo a referência normal. Por vezes, uma limalha saltava e alojava-se num olho desprotegido; se a coisa não se afigurava complicada, um outro colega, com mais perícia, munido de uma “mortalha” de enrolar o tabaco dos cigarros, lá retirava a apara.   

No inverno, o frio era “glacial”. O ambiente matinal, gelado e tristonho, aquecia um pouco com uns latões em que se queimavam, libertando fumos, madeiros e desperdícios impregnados de óleos, transformando os operários em vultos, deixando os olhos vermelhos e ardentes. O manuseio de metais e ferramentas, geladas durante a noite, fazia-se com a experiência de quão dolorosa era uma pancada nas mãos engadanhadas.

Contaram-me que tendo sido adquirida, anos depois, uma máquina com CNC - sistema com alguma complexidade técnica - em dado momento avariou-se, sem motivo aparente, e parou. Chamados os técnicos da empresa fornecedora, constatou-se que devido às baixas temperaturas de laboração os óleos, mais viscosos, não fluíam. No verão era o contrário. Foi necessário instalar uns apetrechos rudimentares para “criar um ambiente” mais ameno.                  

As instalações sanitárias correntes, no interior da oficina, eram constituídas por uns cubículos com a conhecida “turca”, loiça rasante ao chão. Os espaços encerravam-se com uma portinhola aberta em baixo e em cima, sendo assim possível verificar se estavam ocupados. Um dia alguém colocou umas velhas botas nos apoios da “turca”, de modo a serem vistas por baixo. O encarregado foi passando sem que o “ocupante” se despachasse. Parecendo exagerado o tempo decorrido espreitou, constatando o logro. Um sorriso comedido, virado para dentro, perpassou por alguns rostos.

Nota final:  a escassos metros do meu torno, num outro bem maior, laborava o meu pai; o seu posto de trabalho foi aquele durante anos, excepto quando numa manhã de Abril de 1953 a PIDE ali o foi buscar, e a outros camaradas, para o encarcerar no forte de Caxias. Seis meses passados, após julgamento e absolvição no tribunal da Boa-Hora (Lisboa), regressou ao seu local de laboração. Da Casa Nery saíram muitos, e em várias ocasiões, dos que o fascismo perseguiu e enclausurou. Ali encontraram, no regresso, o seu “ganha pão”, o que nem sempre acontecia noutros lados.

 

“No inverno, o frio era “glacial”. O ambiente matinal, gelado e tristonho, aquecia um pouco com uns latões em que se queimavam, libertando fumos, madeiros e desperdícios impregnados de óleos, transformando os operários em vultos, deixando os olhos vermelhos e ardentes”

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia