• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 31° / 19°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 34° / 20°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  37° / 18°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Admirável Mundo Novo...

Opinião  »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

"Não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas."

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras. Obrigada, Capitães de Abril. Lutas, crises económicas, precariedade, desigualdades, são apenas algumas das situações que fazem parte do caminho percorrido. Realidades estas que ainda prevalecem, mas a verdade é que vivemos incomparavelmente melhor.

Depois do bom desempenho da economia, conduzida por políticas de rigor financeiro, experimentámos taxas de crescimento económico como há muito não acontecia. Agora, é tempo de desenhar uma política de desenvolvimento e pôr Portugal entre os melhores para se viver e ser feliz.

O virar da página deve-se à ousadia da solução governativa encontrada pelo atual Primeiro-Ministro, António Costa, que bem soube chamar a si a esquerda (BE, PCP e os Verdes), devolvendo-nos a esperança numa sociedade verdadeiramente alicerçada na igualdade, na fraternidade e na liberdade.

As conquistas de Abril são inúmeras. A escolaridade obrigatória subiu para 12 anos. Temos um ensino superior de qualidade reconhecido no exterior, pena é que muitos dos nossos jovens continuem a procurar, fora de portas, melhores condições de trabalho e mais adequadas às suas qualificações. Lembro que o investimento realizado quer pelo Estado português, quer pelas famílias, continua a ser exportado sem retorno. Acredito que virá um tempo em que a mobilidade do trabalho seja uma opção e não uma obrigação.

Estimados leitores: creio estarmos todos de acordo em que os valores de Abril devem estar presentes no mais profundo do nosso ‘eu’, todos os dias. Andamos numa correria tal que, praticamente não olhamos para o lado, ocupados com os inúmeros e-mails, aos quais temos dificuldades em dar resposta em tempo útil. Abrindo e fechando perfis facebokianos, temos medo de perder qualquer oportunidade de dizer presente. Muitas vezes, alegamos não ter disponibilidade para pensar e refletir para criar. Tudo está na rede. Ainda bem e ninguém tem dúvidas de que foi um avanço civilizacional gigantesco. Mas... tudo o que circula pela rede deve merecer um olhar clínico. Todos sabemos que um trabalho ou uma obra de arte inspiram ou podem remeter para outros, mas a fonte deve ser referida.

Perante tanta informação disponível torna-se cada vez mais importante, desde os bancos da escola, promover o desenvolvimento da capacidade crítica indispensável para filtrar os conteúdos. Para onde caminhamos? Que estranho e admirável mundo novo!

Quase a terminar esta partilha de ideias, não nos esqueçamos que o que somos resulta, em boa parte, da herança familiar e da escola, que nos abriram as portas do conhecimento e dos valores que abraçamos. Atrevo-me a dizer que urge passar para as nossas crianças e jovens outra forma de ser e de estar. Saber comunicar, saber ouvir, ser genuíno e autêntico, saber ser livre, ser fraterno e, acima de tudo, ser obreiro da mudança de hábitos e de atitudes.

É tempo de sermos capazes de largar o invólucro que nos envolve e deitar fora aquilo que nos pesa interiormente. Entre o que dizemos e o que fazemos, continua a haver uma grande distância, e, acima de tudo, entre o que queremos do outro, que é muito, e o que exigimos a nós próprios, que quase sempre é pouco.

A este propósito, deixo-vos uma citação de Aldous Huxley, quando escreve no prefácio da sua obra Admirável Mundo Novo o seguinte: “O remorso crónico, e com isto todos os moralistas estão de acordo, é um sentimento bastante indesejável. Se considerais ter agido mal, arrependei-vos, corrigi os vossos erros na medida do possível e tentai conduzir-vos melhor na próxima vez. E não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas. Rebolar no lodo não é, com certeza, a melhor maneira de alguém se lavar.”

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)