• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Admirável Mundo Novo...

Opinião  »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

"Não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas."

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras. Obrigada, Capitães de Abril. Lutas, crises económicas, precariedade, desigualdades, são apenas algumas das situações que fazem parte do caminho percorrido. Realidades estas que ainda prevalecem, mas a verdade é que vivemos incomparavelmente melhor.

Depois do bom desempenho da economia, conduzida por políticas de rigor financeiro, experimentámos taxas de crescimento económico como há muito não acontecia. Agora, é tempo de desenhar uma política de desenvolvimento e pôr Portugal entre os melhores para se viver e ser feliz.

O virar da página deve-se à ousadia da solução governativa encontrada pelo atual Primeiro-Ministro, António Costa, que bem soube chamar a si a esquerda (BE, PCP e os Verdes), devolvendo-nos a esperança numa sociedade verdadeiramente alicerçada na igualdade, na fraternidade e na liberdade.

As conquistas de Abril são inúmeras. A escolaridade obrigatória subiu para 12 anos. Temos um ensino superior de qualidade reconhecido no exterior, pena é que muitos dos nossos jovens continuem a procurar, fora de portas, melhores condições de trabalho e mais adequadas às suas qualificações. Lembro que o investimento realizado quer pelo Estado português, quer pelas famílias, continua a ser exportado sem retorno. Acredito que virá um tempo em que a mobilidade do trabalho seja uma opção e não uma obrigação.

Estimados leitores: creio estarmos todos de acordo em que os valores de Abril devem estar presentes no mais profundo do nosso ‘eu’, todos os dias. Andamos numa correria tal que, praticamente não olhamos para o lado, ocupados com os inúmeros e-mails, aos quais temos dificuldades em dar resposta em tempo útil. Abrindo e fechando perfis facebokianos, temos medo de perder qualquer oportunidade de dizer presente. Muitas vezes, alegamos não ter disponibilidade para pensar e refletir para criar. Tudo está na rede. Ainda bem e ninguém tem dúvidas de que foi um avanço civilizacional gigantesco. Mas... tudo o que circula pela rede deve merecer um olhar clínico. Todos sabemos que um trabalho ou uma obra de arte inspiram ou podem remeter para outros, mas a fonte deve ser referida.

Perante tanta informação disponível torna-se cada vez mais importante, desde os bancos da escola, promover o desenvolvimento da capacidade crítica indispensável para filtrar os conteúdos. Para onde caminhamos? Que estranho e admirável mundo novo!

Quase a terminar esta partilha de ideias, não nos esqueçamos que o que somos resulta, em boa parte, da herança familiar e da escola, que nos abriram as portas do conhecimento e dos valores que abraçamos. Atrevo-me a dizer que urge passar para as nossas crianças e jovens outra forma de ser e de estar. Saber comunicar, saber ouvir, ser genuíno e autêntico, saber ser livre, ser fraterno e, acima de tudo, ser obreiro da mudança de hábitos e de atitudes.

É tempo de sermos capazes de largar o invólucro que nos envolve e deitar fora aquilo que nos pesa interiormente. Entre o que dizemos e o que fazemos, continua a haver uma grande distância, e, acima de tudo, entre o que queremos do outro, que é muito, e o que exigimos a nós próprios, que quase sempre é pouco.

A este propósito, deixo-vos uma citação de Aldous Huxley, quando escreve no prefácio da sua obra Admirável Mundo Novo o seguinte: “O remorso crónico, e com isto todos os moralistas estão de acordo, é um sentimento bastante indesejável. Se considerais ter agido mal, arrependei-vos, corrigi os vossos erros na medida do possível e tentai conduzir-vos melhor na próxima vez. E não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas. Rebolar no lodo não é, com certeza, a melhor maneira de alguém se lavar.”

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa