• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 20 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 14° / 6°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 5°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  14° / 8°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Admirável Mundo Novo...

Opinião  »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

"Não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas."

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras. Obrigada, Capitães de Abril. Lutas, crises económicas, precariedade, desigualdades, são apenas algumas das situações que fazem parte do caminho percorrido. Realidades estas que ainda prevalecem, mas a verdade é que vivemos incomparavelmente melhor.

Depois do bom desempenho da economia, conduzida por políticas de rigor financeiro, experimentámos taxas de crescimento económico como há muito não acontecia. Agora, é tempo de desenhar uma política de desenvolvimento e pôr Portugal entre os melhores para se viver e ser feliz.

O virar da página deve-se à ousadia da solução governativa encontrada pelo atual Primeiro-Ministro, António Costa, que bem soube chamar a si a esquerda (BE, PCP e os Verdes), devolvendo-nos a esperança numa sociedade verdadeiramente alicerçada na igualdade, na fraternidade e na liberdade.

As conquistas de Abril são inúmeras. A escolaridade obrigatória subiu para 12 anos. Temos um ensino superior de qualidade reconhecido no exterior, pena é que muitos dos nossos jovens continuem a procurar, fora de portas, melhores condições de trabalho e mais adequadas às suas qualificações. Lembro que o investimento realizado quer pelo Estado português, quer pelas famílias, continua a ser exportado sem retorno. Acredito que virá um tempo em que a mobilidade do trabalho seja uma opção e não uma obrigação.

Estimados leitores: creio estarmos todos de acordo em que os valores de Abril devem estar presentes no mais profundo do nosso ‘eu’, todos os dias. Andamos numa correria tal que, praticamente não olhamos para o lado, ocupados com os inúmeros e-mails, aos quais temos dificuldades em dar resposta em tempo útil. Abrindo e fechando perfis facebokianos, temos medo de perder qualquer oportunidade de dizer presente. Muitas vezes, alegamos não ter disponibilidade para pensar e refletir para criar. Tudo está na rede. Ainda bem e ninguém tem dúvidas de que foi um avanço civilizacional gigantesco. Mas... tudo o que circula pela rede deve merecer um olhar clínico. Todos sabemos que um trabalho ou uma obra de arte inspiram ou podem remeter para outros, mas a fonte deve ser referida.

Perante tanta informação disponível torna-se cada vez mais importante, desde os bancos da escola, promover o desenvolvimento da capacidade crítica indispensável para filtrar os conteúdos. Para onde caminhamos? Que estranho e admirável mundo novo!

Quase a terminar esta partilha de ideias, não nos esqueçamos que o que somos resulta, em boa parte, da herança familiar e da escola, que nos abriram as portas do conhecimento e dos valores que abraçamos. Atrevo-me a dizer que urge passar para as nossas crianças e jovens outra forma de ser e de estar. Saber comunicar, saber ouvir, ser genuíno e autêntico, saber ser livre, ser fraterno e, acima de tudo, ser obreiro da mudança de hábitos e de atitudes.

É tempo de sermos capazes de largar o invólucro que nos envolve e deitar fora aquilo que nos pesa interiormente. Entre o que dizemos e o que fazemos, continua a haver uma grande distância, e, acima de tudo, entre o que queremos do outro, que é muito, e o que exigimos a nós próprios, que quase sempre é pouco.

A este propósito, deixo-vos uma citação de Aldous Huxley, quando escreve no prefácio da sua obra Admirável Mundo Novo o seguinte: “O remorso crónico, e com isto todos os moralistas estão de acordo, é um sentimento bastante indesejável. Se considerais ter agido mal, arrependei-vos, corrigi os vossos erros na medida do possível e tentai conduzir-vos melhor na próxima vez. E não vos entregueis, sob nenhum pretexto, à meditação melancólica das vossas falhas. Rebolar no lodo não é, com certeza, a melhor maneira de alguém se lavar.”

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia As eleições europeias
»  2019-01-11  »  António Gomes E o Zeca revisitou-nos
»  2019-01-11  »  Anabela Santos O desassossego
»  2019-01-11  »  Carlos Tomé Como a dor desfolha o peito