• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 26 de Junho de 2017
Pesquisar...
Qui.
 23° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 26° / 14°
Períodos nublados com chuva fraca
Ter.
 29° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Mário Soares

Opinião  »  2017-01-08  »  Jorge Carreira Maia

"Soares contribuiu não apenas para a liberdade, mas também para um clima de tolerância que ainda hoje vigora."

Em 1974 e 1975, eu não era propriamente um admirador do dr. Mário Soares. Com a idiotice inerente à minha idade, com as ilusões sobre a humanidade e o devir do mundo, com a profunda ignorância da política e da vida, eu militava pela revolução socialista, arvorava a bandeira do esquerdismo radical. Julgava que o socialismo, mas aquele socialismo puro e duro e verdadeiro, seria não só o futuro como a salvação do mundo. Não era. De certa maneira, o dr. Mário Soares, a quem nunca vi pessoalmente, salvou-me de mim mesmo, ao contribuir de forma decisiva para o fim de um período onde essas ilusões floresciam. E poderiam ter crescido de tal maneira – Kissinger chegou a pensar que não seria mau que este pobre país se tornasse numa Albânia, para servir de vacina – que era real a possibilidade de o destino fazer com que o meu desejo de então se tornasse realidade. Mário Soares é o principal responsável – não o único, claro – para que os meus sonhos de então, e os de uma parte substancial dessa juventude um pouco tresloucada e ébria de liberdade dos anos 70, não se tivesse tornado num enorme pesadelo, mesmo para aqueles que acalentavam tais sonhos. Quando percebi isso, e não demorei muito tempo a perceber, tornei-me um admirador de Soares.

Descobri, posteriormente, que a minha visão do mundo, conforme a formação ia crescendo e consolidando-se, tinha muitos pontos em comum com a de Soares. Em primeiro lugar, a questão da liberdade. Esta é a questão decisiva. Não impor a ninguém as próprias crenças e não ser incomodado por aquelas que se possui. Isto significa respeitar os outros, respeitar mesmo aquilo que se considera profundamente errado, desde que esse erro não elimine a liberdade e os direitos de terceiros. Este respeito é o fundamento da tolerância. E a tolerância foi uma das principais virtudes de Mário Soares. Não perseguiu as figuras do antigo regime, como não perseguiu, posto fim aos devaneios de 74 e 75, aqueles a quem derrotou. Tentou – e na verdade conseguiu – reconciliar os portugueses uns com os outros, mesmo que ele, Mário Soares, seja o bode expiatório onde uma franja, pequena mas activa, da população concentra o ódio. A sua eleição para Presidente da República foi fundamental para esse fim. Se, por acaso, Freitas do Amaral tem ganho, essa reconciliação teria sido impossível, não pelo carácter do fundador do CDS, mas pela falta de reconhecimento político por uma parte do país. Soares contribuiu não apenas para a liberdade, mas também para um clima de tolerância que ainda hoje vigora.

Há um terceiro aspecto em que me aproximei, desde os anos 70, da visão de Mário Soares. A necessidade do equilíbrio. As sociedades precisam de um certo equilíbrio político e social. Foi a procura desse equilíbrio que levou Soares a enfrentar, em 1975, a deriva esquerdizante da revolução. Foi esse equilíbrio que procurou nas suas presidências. Foi a procura desse equilíbrio que o levou a confrontar o anterior governo e o início da destruição do Estado social patrocinada por Passos Coelho e Paulo Portas sob o véu da intervenção da troika. Nem sempre as sociedades podem ser governadas pelo ideal do equilíbrio político e social, mas isso não significa que não nos devamos bater até ao fim pela busca desse meio termo aristotélico, onde se encontra aquilo a que os gregos chamavam a justa medida. Mário Soares foi, para além de um lutador pela liberdade e pela tolerância, um combatente pela justa medida, pelo equilíbrio, pelo reconhecimento de que todos devem ter um lugar na sociedade. Foi com esta arquitectura que ele construiu o resto. Errou? Claro, não era, e nem pretendia ser, um deus. Contudo, no que era essencial nunca se enganou.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Água é essencial e fonte de vida »  2017-06-21  »  Juvenal Silva

A água é uma necessidade essencial para o organismo e o seu consumo deverá fazer parte dos nossos hábitos diários, durante todas as épocas do ano.

A época de verão merece uma particular atenção e não deveremos esperar pela sede para beber, mas ter o hábito de beber durante todo o dia.
(ler mais...)


Voltemos à ribeira da Boa Água »  2017-06-21  »  António Gomes

Como era expectável com as temperaturas a subirem, os cheiros intensos, nauseabundos e ácidos voltaram em força a toda a zona envolvente da ribeira e, sobretudo, voltaram à casa das pessoas, aos comércios e restaurantes, ao espaço público.
(ler mais...)


Angela Merkel »  2017-06-08  »  Jorge Carreira Maia

O comportamento do presidente Donald Trump na sua estadia em solo europeu teve a utilidade de mostrar que a defesa europeia, através da NATO, se encontra nas mãos de alguém que não é minimamente previsível, sem quaisquer princípios políticos ou, tão pouco, sentido de Estado e das conveniências.
(ler mais...)


A histeria das eleições »  2017-06-07  »  Roberto Barata

Tem-se assistido, nos últimos meses, a uma cavalgada desgovernada de apresentação de projetos, anteprojetos, inaugurações e concursos. As eleições estão ao virar da esquina e, mais do que nunca, o executivo está em pânico para mostrar obra feita.
(ler mais...)


Cartazes »  2017-06-06  »  Inês Vidal

João Quaresma de Oliveira, candidato do PSD à Câmara Municipal de Torres Novas nas eleições de Outubro, “descruzou” os braços e já viu resultados por isso. Bateu o pé aos muitos cartazes de propaganda que o executivo de Pedro Ferreira andou a espalhar pela cidade, onde anunciava as obras a fazer ao abrigo do PEDU, e a Comissão Nacional de Eleições concordou.
(ler mais...)


Nós e as combinações alimentares »  2017-06-06  »  Juvenal Silva

Muitas pessoas estão interessadas em conhecer as suas intolerâncias alimentares, mas desconhecem, que para além disso, existem as incompatibilidades entre alimentos, causadoras de digestões incompletas e às vezes até intoxicações.
(ler mais...)


O véu ideológico »  2017-05-18  »  Jorge Carreira Maia

A reivindicação pelo PSD e CDS do mérito pelo actual desempenho da economia portuguesa é não apenas uma jogada de oportunismo político mas, o que é pior, um sinal de que a direita ainda vive sob o véu ideológico que a conduziu nos anos da troika.
(ler mais...)


O poder e a vontade de poder »  2017-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Um artigo do jornal Público dava conta de um estudo da psicóloga experimental portuguesa Ana Guinote (University College de Londres) sobre o poder. Uma das evidências da investigação é que a correlação entre inteligência e ocupação de lugares de poder é fraca.
(ler mais...)


PEDU, novo episódio »  2017-05-04  »  António Gomes

Há dias fomos confrontados com a colocação de placards a anunciar obras em vários locais da cidade, todas por conta do PEDU. A curiosidade é que esses placards agradecem o contributo da população relativamente aos projetos apresentados.
(ler mais...)


Compreender e prevenir as alergias »  2017-05-04  »  Juvenal Silva

As alergias são reações anormais do nosso sistema imunitário a substâncias proteicas estranhas ao organismo.
Qualquer substância estranha de natureza proteica é normalmente identificada pelo nosso sistema de defesa e, a partir desse momento, controlada na maioria das vezes.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-06-21  »  Juvenal Silva Água é essencial e fonte de vida
»  2017-06-21  »  António Gomes Voltemos à ribeira da Boa Água