• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 13° / 2°
Períodos nublados
Dom.
 13° / 2°
Períodos nublados
Sáb.
 14° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As relações PCP e BE

Opinião  »  2017-08-03  »  Jorge Carreira Maia

"A relevância de ambos os partidos (PCP e BE), a partir de agora, não vem da mera contestação, mas da sua capacidade de influenciar e exercer o poder."

Uma meditação política antes de férias. No actual arranjo governativo há uma situação a que não se dá a atenção que merece. O governo depende dos acordos na Assembleia com o BE e o PCP. Por norma, não há um acordo a três, mas acordos do PS com o BE e acordos do PS com o PCP. Esta situação deve-se às relações equívocas – para não dizer tensas – entre BE e PCP. Há, para isso, razões históricas e razões psicológicas, digamos assim.

Historicamente, as organizações que constituíram o BE nasceram de rupturas traumáticas com o PCP, no caso da UDP e da Política XXI, ou com a antiga Terceira Internacional, no caso dos trotskistas do PSR. O trauma em política conduz a considerar que o antigo amigo é agora um encarniçado inimigo. Por outro lado, desde o 25 de Abril de 1974 que o PCP tentou evitar que surgisse, à esquerda do PS, uma força política com peso. O facto do BE ter, actualmente, uma maior expressão eleitoral do que o PCP é sentido por este como uma injustiça e quase um insulto.

Poder-se-ia pensar que a rivalidade nasce de ambos disputarem o mesmo espaço eleitoral. Contudo, não é isso que acontece. O BE não tem qualquer capacidade de penetrar no eleitorado tradicional do PCP, nem este tem capacidade de penetrar nos eleitorados onde o BE encontra os seus eleitores. Na verdade, do ponto de vista do mercado eleitoral, mais do que rivais, BE e PCP são complementares. Para além desta complementaridade, há uma coisa que, queiram ou não, os une.

O que os une é o destino a médio prazo. Esta experiência governativa tem um preço. Esse preço é o de não se poder voltar atrás, aos tempos em que PCP e BE se apresentavam como belas almas, sem as mãos sujas pelo convívio com o poder, não sentindo limite para a contestação e os devaneios. Isso acabou. A relevância de ambos os partidos, a partir de agora, não vem da mera contestação, mas da sua capacidade de influenciar e exercer o poder.

Uma maioria absoluta do PS, nas próximas eleições, pode condenar a ambos ao definhamento. Para o evitar, é preciso que se apresentem ao eleitorado com vontade de exercer o poder, e com soluções para um bom governo do país, dentro das regras a que estamos sujeitos, por vontade própria. E isto é fundamental para a esquerda e para as pessoas, pois o PS entregue a si próprio está, pela sua própria história, longe de ser confiável. Isto deveria ser suficiente para pôr de lado estados de alma e levar a uma cooperação mais institucional entre PCP e BE, o que reforçaria o seu poder negocial com o PS. O eleitorado das diversas esquerdas agradeceria.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A CULTURA LOCAL »  2017-12-13  »  Denis Hickel

Há uma resistência geral na sociedade e especialmente no âmbito político para implementar agendas que tornem o tema das alterações climáticas parte da cultura geral, da economia, do planeamento e do empreendedorismo.
(ler mais...)


Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar »  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões

O IMI Familiar é uma medida de discriminação positiva destinada a aliviar o esforço financeiro das famílias com filhos. Pressupõe um desconto no IMI relativo à habitação própria de cada agregado em função do número de descendentes, que vai continuar a não ter aplicação em Torres Novas em 2018, uma quase excepção no país e uma verdadeira excentricidade na região.
(ler mais...)


Manter as barcaças do passado »  2017-12-13  »  Carlos Tomé

Aqui há uns anos, não muitos, o Bruno Aleixo, um boneco televisivo, um urso que só mexia a boca e revirava os olhos, fazia-nos rir e pensar quando mandava umas atoardas e se vangloriava de ler muito. Ele era anúncios, listas de supermercado, slogans que andavam espalhados por Coimbra, o preçário do café do Aires, algumas mensagens de telemóvel e mais umas dezenas de coisa.
(ler mais...)


O Derbi »  2017-12-13  »  José Ricardo Costa

No dia em que os meus pais casaram era de jogo no Almonda Parque. Despachado o almoço da praxe, foram então os noivos, alegremente seguidos pelos engalanados convidados, rumo ao também chamado quintal do José Maria. O meu pai podia não ser doente do esférico mas era homem de suas rotinas, sendo domingo de futebol uma delas.
(ler mais...)


Falar por falar »  2017-12-12  »  Anabela Santos

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”.
(ler mais...)


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar
»  2017-12-13  »  José Ricardo Costa O Derbi
»  2017-12-12  »  Anabela Santos Falar por falar