• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 20 de Outubro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 25° / 11°
Períodos nublados
Dom.
 22° / 10°
Períodos nublados
Sáb.
 21° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As relações PCP e BE

Opinião  »  2017-08-03  »  Jorge Carreira Maia

"A relevância de ambos os partidos (PCP e BE), a partir de agora, não vem da mera contestação, mas da sua capacidade de influenciar e exercer o poder."

Uma meditação política antes de férias. No actual arranjo governativo há uma situação a que não se dá a atenção que merece. O governo depende dos acordos na Assembleia com o BE e o PCP. Por norma, não há um acordo a três, mas acordos do PS com o BE e acordos do PS com o PCP. Esta situação deve-se às relações equívocas – para não dizer tensas – entre BE e PCP. Há, para isso, razões históricas e razões psicológicas, digamos assim.

Historicamente, as organizações que constituíram o BE nasceram de rupturas traumáticas com o PCP, no caso da UDP e da Política XXI, ou com a antiga Terceira Internacional, no caso dos trotskistas do PSR. O trauma em política conduz a considerar que o antigo amigo é agora um encarniçado inimigo. Por outro lado, desde o 25 de Abril de 1974 que o PCP tentou evitar que surgisse, à esquerda do PS, uma força política com peso. O facto do BE ter, actualmente, uma maior expressão eleitoral do que o PCP é sentido por este como uma injustiça e quase um insulto.

Poder-se-ia pensar que a rivalidade nasce de ambos disputarem o mesmo espaço eleitoral. Contudo, não é isso que acontece. O BE não tem qualquer capacidade de penetrar no eleitorado tradicional do PCP, nem este tem capacidade de penetrar nos eleitorados onde o BE encontra os seus eleitores. Na verdade, do ponto de vista do mercado eleitoral, mais do que rivais, BE e PCP são complementares. Para além desta complementaridade, há uma coisa que, queiram ou não, os une.

O que os une é o destino a médio prazo. Esta experiência governativa tem um preço. Esse preço é o de não se poder voltar atrás, aos tempos em que PCP e BE se apresentavam como belas almas, sem as mãos sujas pelo convívio com o poder, não sentindo limite para a contestação e os devaneios. Isso acabou. A relevância de ambos os partidos, a partir de agora, não vem da mera contestação, mas da sua capacidade de influenciar e exercer o poder.

Uma maioria absoluta do PS, nas próximas eleições, pode condenar a ambos ao definhamento. Para o evitar, é preciso que se apresentem ao eleitorado com vontade de exercer o poder, e com soluções para um bom governo do país, dentro das regras a que estamos sujeitos, por vontade própria. E isto é fundamental para a esquerda e para as pessoas, pois o PS entregue a si próprio está, pela sua própria história, longe de ser confiável. Isto deveria ser suficiente para pôr de lado estados de alma e levar a uma cooperação mais institucional entre PCP e BE, o que reforçaria o seu poder negocial com o PS. O eleitorado das diversas esquerdas agradeceria.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Torres Novas, hoje, é um activo tóxico »  2017-10-17  »  Ana Trincão

Como é que o município pensa atrair investimento para as zonas industriais sem fazer o trabalho de casa primeiro? Vamos imaginar um cenário possível, que não agrada ao dono da Fabrióleo por razões que não vêm aqui ao caso - o da deslocalização da empresa para a zona industrial de Torres Novas: este cenário também não agrada à gestão da nossa câmara municipal e muito menos à empresa Águas do Ribatejo.
(ler mais...)


Assobiar para o lado »  2017-10-17  »  João António

Escrevo-vos sobre um tema que me é caro, o associativismo desportivo, ao qual já dediquei mais de metade da minha vida com grande amor e paixão. Notem que é nas mãos dos clubes e associações desportivas que está o principal motor de desenvolvimento do desporto, um dos sectores mais mediático e em que o país é mais competitivo.
(ler mais...)


Intestino, o nosso segundo cérebro »  2017-10-17  »  Juvenal Silva

É no intestino que se produz um importantíssimo neurotransmissor, a serotonina, a hormona responsável pelo bem estar, otimismo e autoconfiança. O intestino, para além de ajudar a digerir e absorver os alimentos, os seus micróbios, são agora suspeitos de nos angustiar, deprimir ou alegrar.
(ler mais...)


Menino crescido... »  2017-10-17  »  Hélder Dias

Vida normal »  2017-10-16  »  Jorge Carreira Maia

Há alturas em que o jeito de ser português mostra os seus limites. O ano de 2017 é uma dessas alturas. Não chega a nossa cultura do desenrascanço (palavra horrível com que embrulhamos a incompetência na esperteza saloia).
(ler mais...)


Pedro Ferreira »  2017-10-04  »  Jorge Carreira Maia

As eleições torrejanas tinham vários ingredientes que as tornavam muito interessantes. Em primeiro lugar, havia que medir o impacto do corte dramático, ampliado na comunicação social local, de António Rodrigues, o antigo presidente, com o PS, bem como o da avaliação negativa da actuação da câmara veiculada no espaço politizado do concelho.
(ler mais...)


A nutrição é uma força poderosa contra as alergias »  2017-10-03  »  Juvenal Silva

As alergias cada vez mais estão presentes nas nossas vidas e não nos apercebemos que podem desencadear variados tipos de problemas de saúde, por desconhecermos que inúmeros sintomas patológicos poderão estar na sua origem.
(ler mais...)


Milagres precisam-se... »  2017-10-03  »  Hélder Dias

Eleições autárquicas: O que me ocorre dizer »  2017-09-26  »  Jorge Carreira Maia

Consta que vai haver eleições autárquicas no próximo domingo. Eu gostava muito de dizer alguma coisa sobre o assunto, mas, confesso, não me ocorre nada de relevante. Eu sei que são importantes, muito importantes.
(ler mais...)


Agências de rating »  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia

Há uma tendência – à esquerda do PS – para censurar continuamente as agências de rating e o papel que elas têm tido na dívida portuguesa. E como consequência dessa censura dizer-se que as avaliações delas não devem ser tidas em conta, o que interessa é a vida dos portugueses e não a opinião de agências de especuladores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-10-17  »  Ana Trincão Torres Novas, hoje, é um activo tóxico
»  2017-10-17  »  João António Assobiar para o lado
»  2017-10-17  »  Hélder Dias Menino crescido...