• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 25 de Novembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 17° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Dom.
 18° / 10°
Céu nublado
Sáb.
 18° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A importância do sono nas doenças do sistema nervoso

Opinião  »  2017-01-31  »  Juvenal Silva

"Ora, o sono sob o ponto de vista biológico, é de natureza ativa"

Desde os tempos mais longínquos que a humanidade conhece o enorme benefício de um sono reparador e desde sempre os médicos se têm preocupado com os seus doentes, de forma a desfrutaram desse grande benefício para saúde que é um sono renovador.
Nos dias de hoje, esta questão torna-se imperiosa, pelo estilo de vida que as pessoas têm, sem horários, sem tempo para se cuidarem, com solicitações de toda a natureza. As estatísticas revelam que nunca se recorreu tanto aos químicos para dormir como nos tempos modernos. Não é surpresa para ninguém que tanto a Farmacopeia Médica, como a Medicina Natural, recorrem cada vez mais aos soporíferos, em múltiplas formas e abordagens. Todavia, há uma situação que nos deve merecer algumas interrogações. Porque existe uma diversidade tão grande e tanta abundância de remédios com publicidade diária, seja na rádio, televisão, revistas e jornais? Não será motivo para suspeitarmos? Se regularmente existem novos remédios e novas formulações, será que os que existem no mercado funcionam? Infelizmente o mal existe, mas não é o comprimido milagroso que resolve. O problema terá que ser encarado de forma mais profunda, ou seja, estudar as causas e repará-las. Doutra forma, se a causa não for reparada, perdurará…
A imensa maioria dos soníferos derivam de um reduzido número de combinações químicas, que provocam o complexo efeito narcótico e hipnótico, ou seja, que o seu principal resultado é a paralisação do cérebro com perda de conhecimento.
Ora, o sono sob o ponto de vista biológico, é de natureza ativa e de nenhum modo uma paralisação do cérebro e das regiões cerebrais mais profundas, como a que é produzida pelos soporíferos. Durante o sono, devem recuperar-se as energias consumidas durante o dia, porque é no decurso dessa atividade que se desenrolam poderosos e eficazes processos de recuperação. Essa nova acumulação de energia é absolutamente necessária.
Neste sentido, é importante evitar o consumo destes produtos ao menor sintoma de insónia, uma vez que esta, conhecida a causa, é curável com métodos simples e naturais.
Por exemplo, se a insónia tem origem em esforço intelectual excessivo, tem um tipo de tratamento, ou se tem origem de excitações externas procedentes do mundo exterior, ou alimentar, ou excesso de exercício, o tratamento será diferente.
A insónia não é uma doença, mas apenas e tão só, um sintoma.
Se considerarmos que este sintoma poderá ser o início de enfermidades cardiovasculares, depressão, ansiedade, angústia, stress, diabetes, obesidade, é caso para ficarmos atentos e, tratarmos a origem da causa, como por exemplo:
- Suprimir todo o tipo de estimulantes do nosso quotidiano.
- Equilibrar a alimentação tanto em proteínas, como minerais e vitaminas e, baseá-la em produtos de fácil digestão
- Proporcionar ao organismo momentos de diversão e, horas livres de lazer e repouso.
- Exercitar o organismo com atividades e físicas ao livre.
Com a devida vénia, cito o saudoso Dr. Bernard Detmar: “Até onde nos é dado ver, há forças na Natureza que nos impelem para a saúde, para o pleno desenvolvimento e maturidade, e isto tanto no que diz respeito ao homem como aos animais.
Quando verificamos que um homem nos seus melhores anos de rendimento decai e adoece, podemos concluir com absoluta segurança que foi vencido por algum poder estranho à natureza e inimigo desta.”

 

 

 Outras notícias - Opinião


Escola, religião e cidadania »  2017-11-17  »  Jorge Carreira Maia

Por motivos profissionais estou a fazer formação na área da Filosofia da Religião. As reorientações que o programa de Filosofia do ensino secundário está a sofrer implicam, entre outras coisas, que a área dos valores religiosos se torne obrigatória e não seja, como até aqui, uma opção, a qual, por norma, é preterida pela dos valores estéticos.
(ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.
(ler mais...)


Os anos de seca vieram para ficar. »  2017-11-15  »  Nuno Curado

8 de Novembro de 2017: “Poderá não haver colheita de arroz no Vale do Sado [em 2018]”. Esta região é a maior produtora de arroz em Portugal. 06/11/2017: “A nascente do Rio Douro está seca”.
(ler mais...)


QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS? »  2017-11-15  »  Denis Hickel

Há poucos anos atrás facilitei diversas oficinas junto à comunidade escolar do concelho e que trazia o questionamento de como seria a escola diante de todos os problemas globais que enfrentamos. A gravidade destes temas são difíceis de abordar em toda a sua amplitude por trazerem uma complexidade e uma interdependência difíceis para nossa forma linear de pensamento; o que invariavelmente leva os interlocutores à visões muito negativas sobre o futuro.
(ler mais...)


Solidariedade »  2017-11-14  »  Inês Vidal

Vivemos uma época em que somos todos um bocadinho, e cada vez mais, individualistas. Pensamos em nós e nos nossos, no que temos ou vamos precisar e alargamos a esfera da preocupação a quem nos pode ajudar a isso. Regra geral, somos assim.
(ler mais...)


A melhor opinião »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.
(ler mais...)


Ir à Praça »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro.
(ler mais...)


Diabetes uma doença em plena expansão - II »  2017-11-14  »  Juvenal Silva

Os efeitos adversos da diabetes aumentam 20 vezes mais os riscos de problemas cardíacos e são responsáveis por 25% das operações cardíacas, 40% dos casos de insuficiência renal, 50% das amputações não traumáticas, ou seja, as que não resultam de acidente e 75% de mortes por doenças cardiovasculares.
(ler mais...)


Centralistas »  2017-11-07  »  Jorge Salgado Simões

Quando muitos pensavam que a única coisa positiva da recente tragédia dos incêndios era que finalmente o país ia olhar de outra forma para a interior, para o espaço rural e para fora das grandes áreas metropolitanas, as notícias que vão sendo conhecidas sobre a reprogramação dos fundos comunitários desfazem qualquer réstia de dúvidas.
(ler mais...)


O velho PS »  2017-11-02  »  Jorge Carreira Maia

Aquando da formação do actual governo, não faltaram maus agoiros sobre o descalabro da economia, o descontrolo do défice e a desmedida loucura da extrema-esquerda, isto é, do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-11-15  »  Denis Hickel QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS?
»  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?
»  2017-11-15  »  Nuno Curado Os anos de seca vieram para ficar.