• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 20 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 24° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 29° / 12°
Períodos nublados
Sex.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

UM ALQUEVA NO TEJO, JÁ OUVIU FALAR?

Opinião  »  2018-03-08  »  Denis Hickel

"A ameaça da falta de água é decorrente de formas de planear e utilizar o território "

Soube recentemente de uma iniciativa privada que tem por objectivo criar um “Alqueva no Tejo”; através de um projecto de larga envergadura que promete principalmente combater a crescente falta de água e o problema de salinização a que estão ameaçados os agricultores Ribatejanos. Embora todo o material disponível nos media enalteça apenas o benefícios desta suposta grande obra, há pouco ou nada sobre os seus aspectos técnicos que permitam uma avaliação mais profunda da proposta, ou mesmo um debate mais alargado entre outras entidades com interesse num tema de tão largo impacto no território.

Ainda assim, permito-me questionar pois, aparentemente, a solução restringe-se apenas à uma engenharia do território quando o problema da escassez de água é de cariz essencialmente cultural e ecológico?

A ameaça da falta de água é decorrente de formas de planear e utilizar o território que desconsideram a totalidade do seu funcionamento enquanto ecossistema. Isso abrange a sua ocupação agrícola, industrial e urbana, com todo o leque de impactos negativos, incluindo aí a profunda transformação da paisagem e a supressão da biodiversidade. De forma muito simples, isto significa que modificamos tão profundamente as relações naturais a ponto de comprometermos o ciclo da água em toda a bacia do Tejo, de Espanha à Portugal.

Assim, hoje, não só consumimos mais água do que este sistema pode restituir, mas também reduzimos drasticamente a sua capacidade de renovação, aumentando e acelerando o seu processo de degradação. É sabido que com as alterações climáticas em curso, a Península Ibérica deverá evoluir para um clima mais seco. Diante de tal prognóstico, o melhor lugar para armazenar água é no subsolo e a melhor forma de o fazer é restaurar a bacia do Tejo para (dentro do possível) reestabelecer o ciclo da água.

Sendo assim, 1) qualquer olhar sobre o problema deve passar por rever a matriz económica, agrícola e de ordenamento do território que são as principais responsáveis pela degradação do mesmo. 2) Sendo a principal atividade da região, migrar de práticas agrícolas convencionais para práticas ecológico-regenerativas é fundamental em todas as escalas! 3) Promoção, num esforço conjunto entre os municípios da bacia hidrográfica, da restauração da biodiversidade, das galerias ripícolas, cursos da água, zonas húmidas e bacias de retenção. 4) No âmbito das cidades, planear toda uma nova cultura de captação, utilização e reutilização da mesma. O que envolve também uma outra relação com os afluentes do Tejo, novas formas de planeamento, desenho e utilização da cidade e da paisagem, edificações e outros critérios para o fomento e o licenciamento de novas atividades económicas.

Mais do que a solução pelo betão, este é antes um tema cultural para envolver as pessoas e municípios, num esforço internacional, que, para além das questões práticas imediatas, poderia vir a promover toda uma nova cultura de relações ecológicas regenerativas, outras economias (circulares e de proximidade), bem como impulsionar a indústria a e agricultura inspiradas pela ecologia do território. Uma porta de oportunidades.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Democracia »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?