• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 25° / 12°
Céu limpo
Ter.
 26° / 12°
Céu limpo
Seg.
 26° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 11°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

UM ALQUEVA NO TEJO, JÁ OUVIU FALAR?

Opinião  »  2018-03-08  »  Denis Hickel

"A ameaça da falta de água é decorrente de formas de planear e utilizar o território "

Soube recentemente de uma iniciativa privada que tem por objectivo criar um “Alqueva no Tejo”; através de um projecto de larga envergadura que promete principalmente combater a crescente falta de água e o problema de salinização a que estão ameaçados os agricultores Ribatejanos. Embora todo o material disponível nos media enalteça apenas o benefícios desta suposta grande obra, há pouco ou nada sobre os seus aspectos técnicos que permitam uma avaliação mais profunda da proposta, ou mesmo um debate mais alargado entre outras entidades com interesse num tema de tão largo impacto no território.

Ainda assim, permito-me questionar pois, aparentemente, a solução restringe-se apenas à uma engenharia do território quando o problema da escassez de água é de cariz essencialmente cultural e ecológico?

A ameaça da falta de água é decorrente de formas de planear e utilizar o território que desconsideram a totalidade do seu funcionamento enquanto ecossistema. Isso abrange a sua ocupação agrícola, industrial e urbana, com todo o leque de impactos negativos, incluindo aí a profunda transformação da paisagem e a supressão da biodiversidade. De forma muito simples, isto significa que modificamos tão profundamente as relações naturais a ponto de comprometermos o ciclo da água em toda a bacia do Tejo, de Espanha à Portugal.

Assim, hoje, não só consumimos mais água do que este sistema pode restituir, mas também reduzimos drasticamente a sua capacidade de renovação, aumentando e acelerando o seu processo de degradação. É sabido que com as alterações climáticas em curso, a Península Ibérica deverá evoluir para um clima mais seco. Diante de tal prognóstico, o melhor lugar para armazenar água é no subsolo e a melhor forma de o fazer é restaurar a bacia do Tejo para (dentro do possível) reestabelecer o ciclo da água.

Sendo assim, 1) qualquer olhar sobre o problema deve passar por rever a matriz económica, agrícola e de ordenamento do território que são as principais responsáveis pela degradação do mesmo. 2) Sendo a principal atividade da região, migrar de práticas agrícolas convencionais para práticas ecológico-regenerativas é fundamental em todas as escalas! 3) Promoção, num esforço conjunto entre os municípios da bacia hidrográfica, da restauração da biodiversidade, das galerias ripícolas, cursos da água, zonas húmidas e bacias de retenção. 4) No âmbito das cidades, planear toda uma nova cultura de captação, utilização e reutilização da mesma. O que envolve também uma outra relação com os afluentes do Tejo, novas formas de planeamento, desenho e utilização da cidade e da paisagem, edificações e outros critérios para o fomento e o licenciamento de novas atividades económicas.

Mais do que a solução pelo betão, este é antes um tema cultural para envolver as pessoas e municípios, num esforço internacional, que, para além das questões práticas imediatas, poderia vir a promover toda uma nova cultura de relações ecológicas regenerativas, outras economias (circulares e de proximidade), bem como impulsionar a indústria a e agricultura inspiradas pela ecologia do território. Uma porta de oportunidades.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)


#Hashtag »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.
(ler mais...)


Prioritário? As estradas. »  2019-03-22  »  António Gomes

Vem isto a propósito das obras de reabilitação do largo do Rossio. Decidiu, a maioria socialista na CM, dar prioridade à realização de obras no Largo General Humberto Delgado (Rossio). O projeto não se sabe bem o que é, visto que o PS decidiu alterar aquilo que foi aprovado em reunião de câmara.
(ler mais...)


Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.
(ler mais...)


Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco »  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia

1. A DOENÇA DO BRASIL. Apesar de sermos latinos e de permitirmos coisas inaceitáveis nos países do centro e do norte da Europa, ainda é difícil para os portugueses compreender a doença que ataca com virulência inusitada o Brasil.
(ler mais...)


Remodelação, Bloco, Greves e Exames »  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia

1. REMODELAÇÃO DO GOVERNO. A importância da remodelação do governo ocorrida no início da semana é, do ponto de vista da orientação política, tendencialmente nula.
(ler mais...)


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia Remodelação, Bloco, Greves e Exames
»  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-03-22  »  José Ricardo Costa Como dantes não se falava, também não se dava por ela.
»  2019-03-22  »  Ana Sentieiro Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música