• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 17 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qua.
 33° / 18°
Períodos nublados com chuva fraca
Ter.
 34° / 21°
Céu limpo
Seg.
 37° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  33° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Gente comum com memória especial

Opinião  »  2018-03-08  »  Carlos Tomé

"Tenho para mim que neste como noutros casos a história é feita pelos próprios resistentes"

Como estava farta de ouvir dizer que a PIDE só tinha dado em alguns meliantes umas pancadinhas de-quando-em-vez que não faziam mal nenhum, num processo de branqueamento total do fascismo português, Aurora Rodrigues, antiga militante do MRPP e hoje procuradora da República, decidiu contar as suas histórias na prisão na época do Marcelo Caetano. E em 2011 editou o livro “Gente Comum – uma história na PIDE”.

Dantes era a palraria dos reis, um interminável listar de nomes e cognomes, como quem recita as serras e os rios do império. Eram os reis que derrotavam os infiéis em guerras intermináveis, o povo era uma gentalha desdentada, cheia de piolhos e mal trajada, a arraia-miúda que escarrava sangue tuberculoso para o chão. Eram os figurantes da história, como se não fizessem parte dela. Gente comum.

Entretanto, com o andar da carruagem do tempo, parece que vamos ganhando alguma lucidez, capaz de ousar pensar que seria importante deixar algum registo do que foi o passado recente para a malta que fica por cá. Os 48 anos que este país viveu ainda estão bem vivos em algumas memórias e a geração facebook talvez não perdesse nada em conhecer o sabor desses tempos. O combate ao fascismo foi uma realidade com expressão local, aqui em Torres Novas também houve quem resistisse por diversas formas e alguns ainda estão vivos.

Se não fizermos tudo para registar os exemplos e preservar a memória dos torrejanos que foram inconformistas a sério, seremos todos responsáveis pelo inevitável esquecimento colectivo. Assim de repente, no mundo dos torrejanos vivos, vêm-me à cabeça os casos do António Canais, João Espanhol, António Canelas, Fernanda Tavares, Emídio Martins, Rui Pereira, José Ribeiro, José Alves Pereira, António Mário Santos, Trincão Marques, Vaz Teixeira, Joaquim Alberto, Pena dos Reis, João Palla Lizardo e outros (desculpem-me as omissões), todos eles com uma história de resistência activa em algum momento da sua vida. Todos eles gente comum.

António Mário Santos (que também foi um resistente), em comentário n’“O Riachense” (edição de 23.02.18) ao meu artigo no JT (edição de 2.02.18), leu o que eu não escrevi e retirou do meu texto pensamentos que eu não tive. Não falei no PCP e nem sequer pensei que só dali sopraram os ventos resistentes. É certo que Santa Comba Dão não desresponsabiliza o nosso próprio dever de registar este passado, mas neste caso, como noutros, a responsabilidade não é a mesma para todos.

Nem só os militantes do PCP resistiram ao fascismo, felizmente não estavam sozinhos, pois também houve católicos, socialistas, anarco-sindicalistas, outros comunistas e outros que também deram o corpo às balas. Mas eu nunca disse nem pensei o contrário. Desconheço completamente se existe algum registo dessas lutas nos arquivos do PCP e calculo que não exista muita documentação dispersa uma vez que a luta em clandestinidade impunha regras e cautelas que não aconselhavam os registos escritos. No entanto, isso também não nos desresponsabiliza.

Tenho para mim que neste como noutros casos a história é feita pelos próprios resistentes, aqueles que forjaram as lutas, que foram intervenientes activos nos acontecimentos, os que deram o peito às balas. A tal gente comum, mas com uma memória especial. Aliás, ali na vila ao lado há uns malucos que querem editar um livro precisamente sobre as memórias de um resistente aproveitando quase e só o seu discurso directo. Isso parece-me muito importante. E não é preciso arquivos, nem documentos nem nada disso, basta falar com ele e deixá-lo relatar a sua vivência. Basta a memória, essa maluca.

Mas se não a registamos, essa realidade desaparece e qualquer dia ninguém acredita que houve fascismo e resistência cá por estas bandas. Por isso é que eu temo que a malta se vá embora sem se fazer esse registo. A António Mário, que também foi um resistente e é historiador e investigador da história local, tocam-lhe mais responsabilidades nessa tarefa, muito mais do que a este escriba, pobre coitado que não foi uma coisa nem é outra.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia O governo e os professores