• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 19 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 15° / 4°
Céu limpo
Qua.
 19° / 6°
Céu limpo
Ter.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Mudanças necessárias

Opinião  »  2018-01-30  »  Nuno Curado

"...começar de uma vez por todas a dizer “não” aos sacos de plástico"

Não sou pessoa de fazer resoluções de ano novo, nem de desejar mudanças como se elas acontecessem por magia. Tenho, no entanto, duas aspirações especiais para este ano: menos plástico nas nossas vidas e melhor mobilidade na nossa cidade. No fundo, são mudanças que precisam de acontecer e para as quais vou tentar fazer a minha parte. Agora vou focar-me no plástico, na próxima edição voltamos à mobilidade.

Qual é o problema do plástico, afinal? Como é que se tornou num dos problemas ambientais mais graves dos dias de hoje? Estamos enterrados em embalagens, invólucros, sacos, saquinhos, copos, garrafas, palhinhas, pratos, talheres, tudo descartável. Produzimos quantidades abissais de produtos em plástico, apenas para os usar uma vez e deitar fora. O plástico é um material incrível: é leve, resistente e impermeável. E hoje em dia com outra grande vantagem: é estupidamente barato (é impressionante que fique mais barato comprar copos, pratos e talheres de plástico para cada festa que fazemos do que comprar um único conjunto de um outro material e lavá-lo a cada vez). Por outro lado, tem um grande problema: é estupidamente difícil de decompor naturalmente. Ao contrário do papel, não se degrada rapidamente. Não se decompõe como a matéria orgânica e também não é inerte como o vidro. Uma vez descartado, não se decompõe, vai-se degradando, lentamente, criando micro-partículas de plástico enquanto isso acontece, e que se tornaram um problema de poluição à escala mundial.

Quase todos os dias sai mais uma notícia sobre o impacto negativo dos resíduos de plástico. 90% do lixo que flutua nos oceanos é plástico. A maioria dos plásticos demoram entre 300 a 1000 anos a degradar-se. Ou seja, todo o plástico alguma vez produzido ainda existe. Todos os anos um milhão de aves marinhas – sim, um milhão – são mortas por ingerirem plástico, ao confundirem-no com comida; tal como cem mil baleias, golfinhos e focas, e inúmeras tartarugas-marinhas. Morrem por encherem os estômagos de plástico, ou por envenenamento através dos seus compostos. E agora, a parte que nos toca ainda mais directamente: descobrimos cada vez mais espécies de peixes que ingerem e que são contaminadas por plástico, incluindo espécies que são pescadas e que todos nós comemos. E há cada vez mais indícios da presença de micro-plásticos em água potável por todo o mundo. Já chega?

Está na altura de mudar isto. São precisas alterações legislativas, comerciais e industriais. Que não são simples, mas são possíveis. Medidas para eliminar a maioria dos usos do plástico descartável, para deixar de produzir tipos de plásticos não recicláveis e para reduzir a quantidade de embalagens, por exemplo. Mas é preciso também mudar as nossas acções. Começar de uma vez por todas a dizer “não” aos sacos de plástico quando fazemos compras e levar os nossos sacos reutilizáveis. Se temos uma loja, pensar se é possível entregar sacos de papel em vez de plástico (as farmácias já há algum tempo que optaram por saquinhos de papel). Dizer não às palhinhas nos bares. Substituir as largadas de balões. Utilizar jarros com água e copos de vidro em reuniões, debates e eventos, em vez de garrafas individuais de plástico. Apostar em copos reutilizáveis e com tara nos festivais e eventos. Na Feira Medieval de Torres Novas isso já ocorre e é uma excelente medida. Porque não alargá-la às Festas do Almonda?

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia A esquerda e os rankings escolares
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo