• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Mudanças necessárias

Opinião  »  2018-01-30  »  Nuno Curado

"...começar de uma vez por todas a dizer “não” aos sacos de plástico"

Não sou pessoa de fazer resoluções de ano novo, nem de desejar mudanças como se elas acontecessem por magia. Tenho, no entanto, duas aspirações especiais para este ano: menos plástico nas nossas vidas e melhor mobilidade na nossa cidade. No fundo, são mudanças que precisam de acontecer e para as quais vou tentar fazer a minha parte. Agora vou focar-me no plástico, na próxima edição voltamos à mobilidade.

Qual é o problema do plástico, afinal? Como é que se tornou num dos problemas ambientais mais graves dos dias de hoje? Estamos enterrados em embalagens, invólucros, sacos, saquinhos, copos, garrafas, palhinhas, pratos, talheres, tudo descartável. Produzimos quantidades abissais de produtos em plástico, apenas para os usar uma vez e deitar fora. O plástico é um material incrível: é leve, resistente e impermeável. E hoje em dia com outra grande vantagem: é estupidamente barato (é impressionante que fique mais barato comprar copos, pratos e talheres de plástico para cada festa que fazemos do que comprar um único conjunto de um outro material e lavá-lo a cada vez). Por outro lado, tem um grande problema: é estupidamente difícil de decompor naturalmente. Ao contrário do papel, não se degrada rapidamente. Não se decompõe como a matéria orgânica e também não é inerte como o vidro. Uma vez descartado, não se decompõe, vai-se degradando, lentamente, criando micro-partículas de plástico enquanto isso acontece, e que se tornaram um problema de poluição à escala mundial.

Quase todos os dias sai mais uma notícia sobre o impacto negativo dos resíduos de plástico. 90% do lixo que flutua nos oceanos é plástico. A maioria dos plásticos demoram entre 300 a 1000 anos a degradar-se. Ou seja, todo o plástico alguma vez produzido ainda existe. Todos os anos um milhão de aves marinhas – sim, um milhão – são mortas por ingerirem plástico, ao confundirem-no com comida; tal como cem mil baleias, golfinhos e focas, e inúmeras tartarugas-marinhas. Morrem por encherem os estômagos de plástico, ou por envenenamento através dos seus compostos. E agora, a parte que nos toca ainda mais directamente: descobrimos cada vez mais espécies de peixes que ingerem e que são contaminadas por plástico, incluindo espécies que são pescadas e que todos nós comemos. E há cada vez mais indícios da presença de micro-plásticos em água potável por todo o mundo. Já chega?

Está na altura de mudar isto. São precisas alterações legislativas, comerciais e industriais. Que não são simples, mas são possíveis. Medidas para eliminar a maioria dos usos do plástico descartável, para deixar de produzir tipos de plásticos não recicláveis e para reduzir a quantidade de embalagens, por exemplo. Mas é preciso também mudar as nossas acções. Começar de uma vez por todas a dizer “não” aos sacos de plástico quando fazemos compras e levar os nossos sacos reutilizáveis. Se temos uma loja, pensar se é possível entregar sacos de papel em vez de plástico (as farmácias já há algum tempo que optaram por saquinhos de papel). Dizer não às palhinhas nos bares. Substituir as largadas de balões. Utilizar jarros com água e copos de vidro em reuniões, debates e eventos, em vez de garrafas individuais de plástico. Apostar em copos reutilizáveis e com tara nos festivais e eventos. Na Feira Medieval de Torres Novas isso já ocorre e é uma excelente medida. Porque não alargá-la às Festas do Almonda?

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-12-19  »  Inês Vidal Alheados
»  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia O negócio dos extremos
»  2018-12-19  »  António Gomes Os(as) caixas de supermercado
»  2018-12-19  »  Juvenal Silva A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE
»  2018-12-19  »  Anabela Santos Haja fé