• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 25 de Novembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 17° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Dom.
 18° / 10°
Céu nublado
Sáb.
 18° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A cegueira

Opinião  »  2017-08-26  »  Jorge Carreira Maia

"Chegados aqui, torna-se difícil afirmar o que é mais preocupante. Se as pretensões islâmicas, se a cegueira das elites políticas do Ocidente."

Poder-se-á pensar que os ataques terroristas na Europa (à data que escrevo, os últimos deram-se em Espanha e na Finlândia) devem ser tratados como os ataques que, em períodos anteriores da nossa História, ocorreram nesta mesma Europa. Apesar do terror ser terror, independentemente da sua origem, há uma diferença assinalável. Seja o terrorismo anarquista do início do século XX, seja o terrorismo de extrema-esquerda e de extrema direita no último quartel do mesmo século, seja inclusive o terrorismo nacionalista norte-irlandês ou basco, nenhum deles estava assente numa estrutura ideológica tão ampla como o terrorismo islâmico. Tão ampla e tão poderosa, pela sua natureza político-religiosa, pelos apoios que goza, apesar das declarações em contrário, e pela estratégia adoptada.

Em primeiro lugar, é preciso perceber que este terrorismo e esta violência não é estranha ao Islão. Este é múltiplo e multifacetado e, certamente, há muitos e muitos crentes e religiosos pacíficos. O problema é que o Islão vê como infiéis os crentes de outras religiões e os não crentes, vendo-se a si mesmo como a única religião verdadeira e, por ser verdadeira, devendo ser imposta nem que seja pela força. A tragédia dos cristãos em terras onde o Islão é maioritário é terrível, e tem crescido uma complacência global pelas práticas persecutórias e de conversões forçadas impostas por adeptos do Islão. É preciso compreender esta natureza expansionista e dominadora do Islão. Se não se perceber isto, não se percebe o que se está a passar na Europa.

Em segundo lugar, é necessário realçar a incapacidade das forças políticas democráticas em entender a real dimensão do problema. Esquerda e direita, ambas filhas do Iluminismo, não admitem que alguém queira instaurar no mundo sociedades de tipo medieval. Por isso não compreendem o que o Islão pretende e como ele se articula, apesar dos conflitos internos, para o alcançar. Esta incompreensão é reforçada pelo enviesamento ideológico com que direita e esquerda olham o assunto. A direita liberal fez da imigração uma arma para baixar salários e anda de mão dada com potências árabes cujos regimes são pura e simplesmente medievais, mas cujos solos estão repletos de petróleo. A esquerda persiste em ler todos estes acontecimentos à luz da luta de classes e, em última análise, da luta anti-imperialista. Chegados aqui, torna-se difícil afirmar o que é mais preocupante. Se as pretensões islâmicas, se a cegueira das elites políticas do Ocidente.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Escola, religião e cidadania »  2017-11-17  »  Jorge Carreira Maia

Por motivos profissionais estou a fazer formação na área da Filosofia da Religião. As reorientações que o programa de Filosofia do ensino secundário está a sofrer implicam, entre outras coisas, que a área dos valores religiosos se torne obrigatória e não seja, como até aqui, uma opção, a qual, por norma, é preterida pela dos valores estéticos.
(ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.
(ler mais...)


Os anos de seca vieram para ficar. »  2017-11-15  »  Nuno Curado

8 de Novembro de 2017: “Poderá não haver colheita de arroz no Vale do Sado [em 2018]”. Esta região é a maior produtora de arroz em Portugal. 06/11/2017: “A nascente do Rio Douro está seca”.
(ler mais...)


QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS? »  2017-11-15  »  Denis Hickel

Há poucos anos atrás facilitei diversas oficinas junto à comunidade escolar do concelho e que trazia o questionamento de como seria a escola diante de todos os problemas globais que enfrentamos. A gravidade destes temas são difíceis de abordar em toda a sua amplitude por trazerem uma complexidade e uma interdependência difíceis para nossa forma linear de pensamento; o que invariavelmente leva os interlocutores à visões muito negativas sobre o futuro.
(ler mais...)


Solidariedade »  2017-11-14  »  Inês Vidal

Vivemos uma época em que somos todos um bocadinho, e cada vez mais, individualistas. Pensamos em nós e nos nossos, no que temos ou vamos precisar e alargamos a esfera da preocupação a quem nos pode ajudar a isso. Regra geral, somos assim.
(ler mais...)


A melhor opinião »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.
(ler mais...)


Ir à Praça »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro.
(ler mais...)


Diabetes uma doença em plena expansão - II »  2017-11-14  »  Juvenal Silva

Os efeitos adversos da diabetes aumentam 20 vezes mais os riscos de problemas cardíacos e são responsáveis por 25% das operações cardíacas, 40% dos casos de insuficiência renal, 50% das amputações não traumáticas, ou seja, as que não resultam de acidente e 75% de mortes por doenças cardiovasculares.
(ler mais...)


Centralistas »  2017-11-07  »  Jorge Salgado Simões

Quando muitos pensavam que a única coisa positiva da recente tragédia dos incêndios era que finalmente o país ia olhar de outra forma para a interior, para o espaço rural e para fora das grandes áreas metropolitanas, as notícias que vão sendo conhecidas sobre a reprogramação dos fundos comunitários desfazem qualquer réstia de dúvidas.
(ler mais...)


O velho PS »  2017-11-02  »  Jorge Carreira Maia

Aquando da formação do actual governo, não faltaram maus agoiros sobre o descalabro da economia, o descontrolo do défice e a desmedida loucura da extrema-esquerda, isto é, do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-11-15  »  Denis Hickel QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS?
»  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?
»  2017-11-15  »  Nuno Curado Os anos de seca vieram para ficar.