• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Precisamos tanto de uma terapia para o excesso de realidade, como um esquizofrénico para a irrealidade em que se encontra mergulhado.

Opinião  »  2015-07-27  »  José Ricardo Costa

"ANTEU E O TELEJORNAL"

Lembrei-me de Anteu, a célebre personagem mitológica que era invencível se em contacto com o chão mas, tal como Sansão sem cabelo, absolutamente fragilizado se o levantassem. Foi assim que Hércules o venceu. Conseguiu levantá-lo e, a partir desse momento, já não mais reagiu.

Lembrei-me de Anteu por causa do equilíbrio que deve existir entre uma relação de proximidade e de distância  com a realidade. Para sobrevivermos como seres sociais ou animais políticos, precisamos, como Anteu, de viver com os pés bem assentes no chão, do nosso banho diário de realidade. Mas um excesso de realidade também pode ser alienante. Houve uma altura em que a primeira coisa que fazia depois de acordar era ouvir as notícias na rádio. E via vários telejornais ao longo do dia, debates, documentários, reportagens. Tudo sobre a realidade. Entretanto, aborreci-me com tanta realidade, com um excesso de realidade penetrando abusivamente na minha esfera pessoal e privada. Senti que ia deixando de ser eu para me transformar numa espécie de  amorfa peça que, juntamente com outras amorfas peças, formavam esse todo chamado realidade.

 Realidade? A realidade é "isto" como podia ser outra coisa qualquer. A realidade, no fundo, não passa de uma sucessão de factos que existem devido a um conjunto de finíssimos fios, quase invisiveis, cujo  complexo entrelaçamento dá origem ao que se vê diariamente nos telejornais, formando aquela espuma a que chamamos "realidade". Ora, eu não quero ser escravo da realidade. Porque, no fundo, a realidade não é assim tão a realidade quanto poderemos pensar. O que não aconteceu foi quase tão real como o que aconteceu. Como teria sido a História se Napoleão não tivesse nascido? Como seria hoje Portugal se Salazar tivesse caído da cadeira 20 anos antes? E se...? Eu não quero ser escravo daquela subatómica possibilidade que, por uma conjunção de acasos, conseguiu tornar-se na "realidade" que tenho perante os meus olhos e ouvidos.


É por isso que precisamos de uma terapia para o excesso de realidade, do mesmo modo que um esquizofrénico necessita dela para a irrealidade em que se encontra mergulhado. Enquanto este precisa de um tratamento para se poder adaptar convenientemente à realidade, nós precisamos do nosso banho de irrealidade. De silêncio, literatura, música, pintura, mitologia, religião, fantasia, nonsense. A língua francesa consegue um jogo engraçado que em português não é possível: rêve e rêverie. Sonho e devaneio. Precisamos tanto de sonhar a dormir como de sonhar acordados. Sair da realidade é tão importante como estar na realidade. Seja através de um passeio pela praia, numa montanha, perante um quadro, um filme, a leitura de uma poema ou a audição de uma sinfonia. Ou simplesmente perante o silêncio de uma sala no lusco-fusco de um dia de Inverno. Ao contrário de Anteu, não há, neste caso, o perigo de ficarmos fragilizados por não estarmos com os pés complemente assentes no chão. Bem pelo contrário, podemos ficar mais parecidos com Hércules para poderemos enfrentar os diferentes combates da vida.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição