• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Precisamos tanto de uma terapia para o excesso de realidade, como um esquizofrénico para a irrealidade em que se encontra mergulhado.

Opinião  »  2015-07-27  »  José Ricardo Costa

"ANTEU E O TELEJORNAL"

Lembrei-me de Anteu, a célebre personagem mitológica que era invencível se em contacto com o chão mas, tal como Sansão sem cabelo, absolutamente fragilizado se o levantassem. Foi assim que Hércules o venceu. Conseguiu levantá-lo e, a partir desse momento, já não mais reagiu.

Lembrei-me de Anteu por causa do equilíbrio que deve existir entre uma relação de proximidade e de distância  com a realidade. Para sobrevivermos como seres sociais ou animais políticos, precisamos, como Anteu, de viver com os pés bem assentes no chão, do nosso banho diário de realidade. Mas um excesso de realidade também pode ser alienante. Houve uma altura em que a primeira coisa que fazia depois de acordar era ouvir as notícias na rádio. E via vários telejornais ao longo do dia, debates, documentários, reportagens. Tudo sobre a realidade. Entretanto, aborreci-me com tanta realidade, com um excesso de realidade penetrando abusivamente na minha esfera pessoal e privada. Senti que ia deixando de ser eu para me transformar numa espécie de  amorfa peça que, juntamente com outras amorfas peças, formavam esse todo chamado realidade.

 Realidade? A realidade é "isto" como podia ser outra coisa qualquer. A realidade, no fundo, não passa de uma sucessão de factos que existem devido a um conjunto de finíssimos fios, quase invisiveis, cujo  complexo entrelaçamento dá origem ao que se vê diariamente nos telejornais, formando aquela espuma a que chamamos "realidade". Ora, eu não quero ser escravo da realidade. Porque, no fundo, a realidade não é assim tão a realidade quanto poderemos pensar. O que não aconteceu foi quase tão real como o que aconteceu. Como teria sido a História se Napoleão não tivesse nascido? Como seria hoje Portugal se Salazar tivesse caído da cadeira 20 anos antes? E se...? Eu não quero ser escravo daquela subatómica possibilidade que, por uma conjunção de acasos, conseguiu tornar-se na "realidade" que tenho perante os meus olhos e ouvidos.


É por isso que precisamos de uma terapia para o excesso de realidade, do mesmo modo que um esquizofrénico necessita dela para a irrealidade em que se encontra mergulhado. Enquanto este precisa de um tratamento para se poder adaptar convenientemente à realidade, nós precisamos do nosso banho de irrealidade. De silêncio, literatura, música, pintura, mitologia, religião, fantasia, nonsense. A língua francesa consegue um jogo engraçado que em português não é possível: rêve e rêverie. Sonho e devaneio. Precisamos tanto de sonhar a dormir como de sonhar acordados. Sair da realidade é tão importante como estar na realidade. Seja através de um passeio pela praia, numa montanha, perante um quadro, um filme, a leitura de uma poema ou a audição de uma sinfonia. Ou simplesmente perante o silêncio de uma sala no lusco-fusco de um dia de Inverno. Ao contrário de Anteu, não há, neste caso, o perigo de ficarmos fragilizados por não estarmos com os pés complemente assentes no chão. Bem pelo contrário, podemos ficar mais parecidos com Hércules para poderemos enfrentar os diferentes combates da vida.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...