• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 18 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 31° / 16°
Céu limpo
Qui.
 31° / 18°
Céu limpo
Qua.
 32° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O que é uma deficiência nutricional?

Opinião  »  2017-07-08  »  Juvenal Silva

"A má qualidade de alimentos pode ser também uma das causas da falta de nutrientes"

Diz-se deficiência nutricional quando certos nutrientes como vitaminas, minerais, hidratos de carbono, lípidos, proteínas, que são essências, estão ausentes na alimentação quotidiana e colocam em risco o equilíbrio do organismo, pela diminuição da força vital.
As deficiências nutricionais são a causa de diversos problemas de saúde e ocorrem sobretudo em mulheres grávidas e mulheres em idade fértil, na população idosa, infantil, dietas de emagrecimento e vegetarianas, que não são acompanhadas por profissionais de saúde qualificados.
A má qualidade de alimentos pode ser também uma das causas da falta de nutrientes, pela carga tóxica de produtos químicos e conservantes, destruidores de nutrientes.
As doenças oncológicas do cólon e distúrbios gastrointestinais, gravidez, certos medicamentos, também podem causar deficiências nutricionais.
A má absorção é um fator que pode ocorrer quando o alimento contém o nutriente mas o organismo não o consegue absorver devido a problemas no sistema digestivo.
Os sintomas de deficiência nutricional variam de acordo com os nutrientes em falta e vários são os sinais que devem alertar para a possibilidade de deficiência: fadiga, falta de apetite, pele pálida, perda de cabelo, prisão de ventre, distúrbios cardíacos, palpitações, depressão, falta de memória e concentração.
Estes sintomas podem não aparecer juntos e, podem ter outras causas, mas quando persistem e perturbam a qualidade de vida, é aconselhável consulta médica.

Como evitar as deficiências nutricionais?
A melhor maneira é adotar uma alimentação variada e saudável, capaz de dar suporte às necessidades vitais do organismo. Contudo e, considerando que a maioria dos alimentos que hoje consumimos estão desprovidos de nutrientes suficientes, pela excessiva utilização de aditivos ou fertilizantes químicos, é importante ingerir periodicamente suplementos naturais ricos em vitaminas e minerais.
Deficiências nutricionais mais comuns – Com recorrência as insuficiências nutricionais variam entre o ferro, cálcio, magnésio, vitamina D e zinco.
Deficiência de ferro – O ferro é essencial na formação dos glóbulos vermelhos e no transporte de oxigénio a todo o organismo. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a deficiência é comum em cerca de 30% da população mundial, sendo causadora de anemia ferropriva.
Deficiência de magnésio – Afeta cerca de 23% das mulheres e 18% dos homens, provocando stress, fadiga, irritabilidade, cãibras musculares e espasmos.
Deficiência de vitamina D – Afeta mais de 50% da população. Esta vitamina desempenha um papel importante na saúde óssea, particularmente no desenvolvimento dos ossos e dentes.
Deficiência de cálcio – Afeta principalmente mulheres na pós-menopausa e idosos. Não sendo visível no curto prazo, o défice prolongado provoca falha de massa óssea e osteoporose.
Défice de zinco – É muito comum e pode causar fadiga, constipações recorrentes, falta de apetite e depressão. Alcoólicos, diabéticos, pessoas com problemas renais ou distúrbios de absorção digestiva e infetadas com HIV, são mais propensas a sofrer esta deficiência.
Deficiências de vitaminas – As vitaminas são contributos essenciais para o crescimento, equilíbrio da saúde tanto física como mental.

Quais os alimentos que ajudam a prevenir as deficiências mais comuns?
Alimentos ricos em ferro – Carnes, peixe, ovos, verduras de folha verde escura, vegetais coloridos, leguminosas, oleaginosas moluscos, ostras, spirulina.
Alimentos ricos em magnésio – Mariscos e peixes, sementes, cacau, nozes, verduras, algas marinhas.
Alimentos ricos em vitamina D – Produtos lácteos, salmão, truta e óleo de fígado de bacalhau. Além disso, a exposição ao sol possibilita a produção desta vitamina através da pele.
Alimentos ricos em cálcio – Produtos lácteos, peixe, girassol, gergelim (sésamo), legumes, vegetais verdes, nozes, amêndoas.
Alimentos ricos em zinco – Ostras, camarão, carnes frango, peru, vaca, peixe, gérmen de trigo,grãos integrais, legumes, tubérculos, sementes de abóbora, amêndoas.
Avitaminose – É um conjunto de doenças provocadas pela falta ou deficiência de vitaminas no organismo, comuns nas pessoas que consomem pouca fruta, verduras e vegetais coloridos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée