• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 21 de Maio de 2018
Pesquisar...
Qui.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 26° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 26° / 11°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

ATIVIDADE FÍSICA É UM MEIO DE PREVENÇÃO REGULADOR DA VIDA

Opinião  »  2018-04-20  »  Juvenal Silva

"Mais do que nunca, é necessário conhecer os elos existentes entre o movimento e as funções cardiovasculares"

Cada vez se verifica mais que grande parte das pessoas se poderia tratar e curar, exercitando-se todos os dias ao ar puro. Podemos citar, entre outros tipos de doenças a obesidade, diabetes, colesterol, depressão, sistema cardiovascular, respiratório, etc. Contudo, quando aconselhamos, ouvimos como resposta: eu sei, mas não tenho tempo para caminhar, nem para fazer exercício, porque tenho uma vida muito preenchida. Ou são os filhos, ou reuniões, ou os horários incompatíveis, ou porque está frio, ou porque está a chover, enfim, tudo serve de pretexto.Mas, então, o que pretende uma grande parte das pessoas? Ou o que procuram? Remédios que tratem da saúde e sejam eficazes, em detrimento do movimento físico. Mas, na verdade, não há remédio algum que possa substituir a atividade física.

Todo aquele que deixa “enferrujar” os seus órgãos e os seus músculos, corre sérios riscos de enfraquecer o seu organismo e cair doente. Nos dias de hoje, todas as medicinas reconhecem o valor terapêutico do movimento e, desde há largos anos, isto é salientado pelos especialistas de tratamentos e recuperação desportivos.

Existem algumas doenças que resistem a medicações, sejam químicas ou naturais, mas que podem ser eficazmente combatidas e curadas por meio de atividades físicas. Temos, como exemplo, diversas formas de reumatismos articulares, bursites, asma, afeções pulmonares, obesidade, perturbações cardiovasculares e circulatórias, etc.

Porque deve a atividade física tornar-se um fator de saúde e de cura? Não faltam factos que nos transportam a esta conclusão.

Fruto da vida moderna, é sabido desde há muitos anos que as afeções cardiovasculares são muito mais frequentes nas pessoas que têm um modo de vida sedentário do que naquelas que se exercitam, tanto pelo caracter da profissão, como pela atividade desportiva.

Mais do que nunca, é necessário conhecer os elos existentes entre o movimento e as funções cardiovasculares e verificar que as novas tecnologias como mecanização, automatização, robótica e informática, dispensaram o homem de um grande número de esforços físicos. O ser humano tornou-se num “enfermo do movimento”. Não é por acaso, que nos dias de hoje, os médicos prestam cada vez mais importância ao exercício e movimento para a manutenção da saúde.

A atrofia muscular por falta de exercício físico pode potenciar uma série de doenças. É o que acontece frequentemente com trabalhadores intelectuais que se queixam de enxaquecas, de melancolia, cansaço, prisão de ventre e hemorroidas, insónias, distúrbios cardiovasculares, reumatismo e perturbações metabólicas.

Todo aquele que exerça uma atividade profissional em que esteja sentado, faz tão poucos movimentos que até deixa de respirar profundamente. Se a isto adicionarmos os efeitos nocivos de uma alimentação desequilibrada da vida moderna e do tabaco, fácilmente se desenvolvem fatores de estados doentios. Este tipo de pessoas necessita como tratamento de base o exercício sistemático. Obviamente que um passeio de vez em quando, ou alguns trabalhos caseiros, não são suficientes para manter a forma dos músculos do nosso corpo, os ossos, os tendões e as articulações.

Para além da caminhada, são importantes os exercícios musculares, porque provocam uma estimulação sobre os nossos órgãos internos. Segundo a Lei de Weber, o movimento dilata primeiramente os vasos dos músculos em atividade.

Depois, a estimulação geral da circulação e a aceleração dos batimentos cardíacos provocam uma melhor irrigação dos músculos inativos dos órgãos internos e do cérebro. O movimento determina, não só o transporte de sangue puro para os tecidos e órgãos, mas também torna possível a evacuação dos resíduos pelo sangue venoso.

O coração bombeia o sangue que irá percorrer até aos capilares de todo o nosso organismo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?