• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

REFUGIADOS OU REFUGO DA HUMANIDADE?

Opinião  »  2015-09-17  »  José Ricardo Costa

"Para um cristão não deve existir nem judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem ou mulher"

Há dias, no Le Monde, o filósofo Jean Claude Bourdain divertia-se com os presidentes de câmara de Roanne e Belfort, pelo facto de só quererem aceitar refugiados cristãos, na mesma linha do que está a acontecer noutras regiões mais a leste, onde em tempos se criou o Homem Novo mas que rapidamente envelheceu. O filósofo faz então um exercício pleno de imaginação: arranjar um critério que permita distinguir os cristãos dos não-cristãos. 

Começa pelo óbvio: como gesto de boas-vindas aos refugiados, oferece-se vinho tinto e enchidos. Os que comerem e beberem, são cristãos, os que recusarem não são cristãos. Mas se os não-cristãos, motivados pela necessidade de serem aceites, ultrapassarem os seus sentimentos de repugnância, fazendo o sacrifício de beber e comer? Pensa então numa coisa melhor: que tal submeter os refugiados a uns testes de escolha múltipla sobre os Evangelhos e as Epístolas de S. Paulo? Quem acertar é cristão, quem não acertar é herege. Mas rapidamente percebe que saber coisas de cor não implica qualquer convicção a respeito delas. Não diz ele mas digo eu: se ensinarmos uma pessoa que não sabe alemão a dizer  «Ich bin fünfzig jahren alt» no caso de lhe perguntarem «Wie alt bist du?», irão pensar que domina a língua. Por isso, esqueçamos a escolha múltipla. Um não cristão, apesar de não o ser, pode saber tanto dos Evangelhos e das Epístolas, como alguém que o seja.

Embora se trate de uma brincadeira, parece-me que o autor parte do pressuposto de que conhecer bem os Evangelhos e as Epístolas de S. Paulo faz naturalmente parte da vida espiritual de um cristão.  Ora, não me parece que seja essa a realidade, tendo as maiores dúvidas sobre uma putativa grande diferença nos resultados de cristãos e não-cristãos caso as perguntas de escolha múltipla fossem assim um bocadinho para além do mais elementar. Basta ir às minhas aulas e perguntar a jovens que se assumem cristãos e que foram baptizados e crismados, coisas básicas a respeito dos Evangelhos ou das Epístolas de S. Paulo. E quem diz jovens cristãos, diz adultos cristãos, que foram baptizados, crismados, tiveram um matrimónio cristão e virão a ter um enterro não menos cristão. Eis um bom exemplo do facto de a identidade cristã ser um dos grandes equívocos da identidade europeia. Sem dúvida de que a história da Europa sem o cristianismo não teria sido a mesma. Claro que somos cristãos, o que não acontece com indianos, japoneses ou afegãos, e isso demarca-nos deles. Mas uma coisa é assumirmos uma identidade formal, outra será sermos feridos espiritual, moral e emocionalmente por essa identidade.

Se o nosso padre António Vieira tivesse a oportunidade de privar com os dois presidentes de câmara, o mais certo seria lembrar-lhes que «Palavras sem obra são tiro sem bala; atroam mas não ferem». E que «o pregar que é falar faz-se com a boca; o pregar que é semear faz-se com a mão. Para falar ao vento bastam palavras; para falar ao coração são necessárias obras». Ou ainda, que «as palavras entram pelos ouvidos, as obras entram pelos olhos, e a nossa alma rende-se muito mais pelos olhos que pelos ouvidos». [Sermão da Sexagésima]

Estamos, de certo modo, perante um paradoxo. Os dois presidentes de câmara exigem um atestado de pureza ou autenticidade cristã. Porém, fazem-no, através de uma conduta não cristã, esquecendo, como lembra o filósofo no seu artigo, que para um cristão não deve existir nem judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem ou mulher. E que merece a glória, a honra e a paz todo aquele que faz o bem, venha de onde vier, pois para Deus não existem marcas de pessoas, apenas pessoas. 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...