• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 19 de Julho de 2018
Pesquisar...
Dom.
 27° / 16°
Períodos nublados
Sáb.
 28° / 15°
Céu limpo
Sex.
 27° / 17°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Cumpre-se a tradição

Opinião  »  2018-06-21  »  Anabela Santos

"Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço,"

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
Nas minhas memórias ele é torrejano. Nasceu no meu bairro, junto da capela.
Santo António não é dos outros, é nosso. E, por isso, é digno de homenagem feita pela nossa gente.

Ainda não estamos no mês de junho mas já se começa a ver movimento lá para os lados da Capela.
Quem passa percebe que aqueles homens e mulheres, jovens e crianças preparam a tão esperada festa, única e tão nossa (do bairro e da cidade)… festa em homenagem ao Santo.
Com muita convicção, estas pessoas mostram que o bairrismo continua vivo e com mais ou menos dificuldades mantêm viva a tradição.
Na minha memória, junho cheira a sardinha assada e a manjerico. Lembra vida pelas ruas engalanadas com fitas de múltiplas cores. Lembra folia, música, alegria.
Lembra a procissão que sai do adro, depois da missa, e percorre, ao som da banda, as ruas do bairro. Entre lágrimas, sorrisos e rezas, os “vizinhos” seguem os andores mostrando a sua fé e, mais uma vez, o bairrismo.
As colchas da Dona Fátima, da dona Conceição, da dona da loja e de tantos outros enchem as ruas de cor, de respeito, de emoção. Mais uma vez se cumpre a tradição.
E, eu, a Elsa, a Susana e a Maria, miúdas solteiras, transportamos o andor de Santo António, cumprindo, assim, o nosso dever sem qualquer sacrifício.
O som da banda continua...

Junho lembra, ainda, as horas , as tardes, as noites, os dias que antecedem o arraial e nos juntávamos, eu e os amigos do bairro, para ensaiar a marcha com muita responsabilidade. Só podia ser assim, a marcha sai à rua e nada pode correr mal.
Os foguetes anunciam a saída e vaidosos os marchantes seguem “à risca” a coreografia ensaiada pelo paciente Alexandre.
No final do dia, o recinto da festa está cheio. As sardinhas, as bifanas, a cerveja e o vinho não param de circular. A música anima os presentes pela noite fora. Há dança e alegria.
Cumpre-se a tradição…

Estas são as minhas memórias que foram interrompidas tristemente, o ano passado, com a notícia de que não se iria realizar a festa de Santo António.
Valeram as celebrações religiosas vividas com a mesma intensidade de sempre.
Mas, este ano, graças a um grupo de jovens que teve como objetivo manter a tradição dos festejos em homenagem ao Santo, as minhas memórias voltaram.
Disse-me o João Miguel, miúdo que conheço desde bebé, que esta seria uma grande festa.
-Então, João, está tudo a correr bem? Têm ajudas? Têm apoios? O pessoal está animado?
- Está tudo bem. Todos bem dispostos. O trabalho é feito pelos membros da Associação e contamos com a ajuda da família e amigos. Temos tudo organizado e quarta feira estará tudo pronto para o inicio da festa. Temos apoio da Câmara Municipal tanto a nível de materiais, como a nível monetário. Não há queixas ... E, a entidade que menos nos apoia e devia apoiar é a Santa Casa da Misericórdia uma vez que no final da festa a maior percentagens dos lucros reverte a favor da Instituição.
Neste momento interrompo o João. Não tinha ideia de que seria essa a distribuição dos lucros. Explicou-me que a Associação fica com uma pequena percentagem que será gasta na compra de tachos, talheres, loiças necessárias que estão em falta e o resto do dinheiro irá para a Santa Casa.

Não sei se é justo ou não. Não sei que faz a Santa Casa com o dinheiro - Eu sugeria que o investimento fosse na capela – mas, sendo assim, seria justo terem mais apoio da Instituição.
Enfim! Não há bela sem senão…
- Veja lá o que vai escrever, Anabela. - Diz- me o João no final da conversa.
- O que havia de escrever João?

Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço, pelo tempo despendido, pela dedicação. Obrigada por manterem viva uma tradição que é do bairro de Santo António, sim, mas também de toda a cidade.
Está escrito …
E, lá vem ela, a marcha. Este ano também temos a Madragoa. O povo sai à rua. Começa o arraial.

Mais um ano e aqui esta
esta marcha que é do povo
gente simples que é de cá
se junta com sangue novo
e sem olhar a idades
todos se sentem contentes
gente simples de CA
mais um ano e aqui esta
para mostrar a santo António
a raça das suas gentes.
(Letra de Jorge pinheiro,
música foi Paulo leitão)

 

 

 Outras notícias - Opinião


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo.
(ler mais...)


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato A avó Augusta, a foice e a vassoura
»  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia Um concubinato de conveniência
»  2018-07-12  »  José Ricardo Costa F