• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 18 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 31° / 16°
Céu limpo
Qui.
 31° / 18°
Céu limpo
Qua.
 32° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Cumpre-se a tradição

Opinião  »  2018-06-21  »  Anabela Santos

"Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço,"

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
Nas minhas memórias ele é torrejano. Nasceu no meu bairro, junto da capela.
Santo António não é dos outros, é nosso. E, por isso, é digno de homenagem feita pela nossa gente.

Ainda não estamos no mês de junho mas já se começa a ver movimento lá para os lados da Capela.
Quem passa percebe que aqueles homens e mulheres, jovens e crianças preparam a tão esperada festa, única e tão nossa (do bairro e da cidade)… festa em homenagem ao Santo.
Com muita convicção, estas pessoas mostram que o bairrismo continua vivo e com mais ou menos dificuldades mantêm viva a tradição.
Na minha memória, junho cheira a sardinha assada e a manjerico. Lembra vida pelas ruas engalanadas com fitas de múltiplas cores. Lembra folia, música, alegria.
Lembra a procissão que sai do adro, depois da missa, e percorre, ao som da banda, as ruas do bairro. Entre lágrimas, sorrisos e rezas, os “vizinhos” seguem os andores mostrando a sua fé e, mais uma vez, o bairrismo.
As colchas da Dona Fátima, da dona Conceição, da dona da loja e de tantos outros enchem as ruas de cor, de respeito, de emoção. Mais uma vez se cumpre a tradição.
E, eu, a Elsa, a Susana e a Maria, miúdas solteiras, transportamos o andor de Santo António, cumprindo, assim, o nosso dever sem qualquer sacrifício.
O som da banda continua...

Junho lembra, ainda, as horas , as tardes, as noites, os dias que antecedem o arraial e nos juntávamos, eu e os amigos do bairro, para ensaiar a marcha com muita responsabilidade. Só podia ser assim, a marcha sai à rua e nada pode correr mal.
Os foguetes anunciam a saída e vaidosos os marchantes seguem “à risca” a coreografia ensaiada pelo paciente Alexandre.
No final do dia, o recinto da festa está cheio. As sardinhas, as bifanas, a cerveja e o vinho não param de circular. A música anima os presentes pela noite fora. Há dança e alegria.
Cumpre-se a tradição…

Estas são as minhas memórias que foram interrompidas tristemente, o ano passado, com a notícia de que não se iria realizar a festa de Santo António.
Valeram as celebrações religiosas vividas com a mesma intensidade de sempre.
Mas, este ano, graças a um grupo de jovens que teve como objetivo manter a tradição dos festejos em homenagem ao Santo, as minhas memórias voltaram.
Disse-me o João Miguel, miúdo que conheço desde bebé, que esta seria uma grande festa.
-Então, João, está tudo a correr bem? Têm ajudas? Têm apoios? O pessoal está animado?
- Está tudo bem. Todos bem dispostos. O trabalho é feito pelos membros da Associação e contamos com a ajuda da família e amigos. Temos tudo organizado e quarta feira estará tudo pronto para o inicio da festa. Temos apoio da Câmara Municipal tanto a nível de materiais, como a nível monetário. Não há queixas ... E, a entidade que menos nos apoia e devia apoiar é a Santa Casa da Misericórdia uma vez que no final da festa a maior percentagens dos lucros reverte a favor da Instituição.
Neste momento interrompo o João. Não tinha ideia de que seria essa a distribuição dos lucros. Explicou-me que a Associação fica com uma pequena percentagem que será gasta na compra de tachos, talheres, loiças necessárias que estão em falta e o resto do dinheiro irá para a Santa Casa.

Não sei se é justo ou não. Não sei que faz a Santa Casa com o dinheiro - Eu sugeria que o investimento fosse na capela – mas, sendo assim, seria justo terem mais apoio da Instituição.
Enfim! Não há bela sem senão…
- Veja lá o que vai escrever, Anabela. - Diz- me o João no final da conversa.
- O que havia de escrever João?

Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço, pelo tempo despendido, pela dedicação. Obrigada por manterem viva uma tradição que é do bairro de Santo António, sim, mas também de toda a cidade.
Está escrito …
E, lá vem ela, a marcha. Este ano também temos a Madragoa. O povo sai à rua. Começa o arraial.

Mais um ano e aqui esta
esta marcha que é do povo
gente simples que é de cá
se junta com sangue novo
e sem olhar a idades
todos se sentem contentes
gente simples de CA
mais um ano e aqui esta
para mostrar a santo António
a raça das suas gentes.
(Letra de Jorge pinheiro,
música foi Paulo leitão)

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée