• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 22 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 17° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Cumpre-se a tradição

Opinião  »  2018-06-21  »  Anabela Santos

"Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço,"

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
Nas minhas memórias ele é torrejano. Nasceu no meu bairro, junto da capela.
Santo António não é dos outros, é nosso. E, por isso, é digno de homenagem feita pela nossa gente.

Ainda não estamos no mês de junho mas já se começa a ver movimento lá para os lados da Capela.
Quem passa percebe que aqueles homens e mulheres, jovens e crianças preparam a tão esperada festa, única e tão nossa (do bairro e da cidade)… festa em homenagem ao Santo.
Com muita convicção, estas pessoas mostram que o bairrismo continua vivo e com mais ou menos dificuldades mantêm viva a tradição.
Na minha memória, junho cheira a sardinha assada e a manjerico. Lembra vida pelas ruas engalanadas com fitas de múltiplas cores. Lembra folia, música, alegria.
Lembra a procissão que sai do adro, depois da missa, e percorre, ao som da banda, as ruas do bairro. Entre lágrimas, sorrisos e rezas, os “vizinhos” seguem os andores mostrando a sua fé e, mais uma vez, o bairrismo.
As colchas da Dona Fátima, da dona Conceição, da dona da loja e de tantos outros enchem as ruas de cor, de respeito, de emoção. Mais uma vez se cumpre a tradição.
E, eu, a Elsa, a Susana e a Maria, miúdas solteiras, transportamos o andor de Santo António, cumprindo, assim, o nosso dever sem qualquer sacrifício.
O som da banda continua...

Junho lembra, ainda, as horas , as tardes, as noites, os dias que antecedem o arraial e nos juntávamos, eu e os amigos do bairro, para ensaiar a marcha com muita responsabilidade. Só podia ser assim, a marcha sai à rua e nada pode correr mal.
Os foguetes anunciam a saída e vaidosos os marchantes seguem “à risca” a coreografia ensaiada pelo paciente Alexandre.
No final do dia, o recinto da festa está cheio. As sardinhas, as bifanas, a cerveja e o vinho não param de circular. A música anima os presentes pela noite fora. Há dança e alegria.
Cumpre-se a tradição…

Estas são as minhas memórias que foram interrompidas tristemente, o ano passado, com a notícia de que não se iria realizar a festa de Santo António.
Valeram as celebrações religiosas vividas com a mesma intensidade de sempre.
Mas, este ano, graças a um grupo de jovens que teve como objetivo manter a tradição dos festejos em homenagem ao Santo, as minhas memórias voltaram.
Disse-me o João Miguel, miúdo que conheço desde bebé, que esta seria uma grande festa.
-Então, João, está tudo a correr bem? Têm ajudas? Têm apoios? O pessoal está animado?
- Está tudo bem. Todos bem dispostos. O trabalho é feito pelos membros da Associação e contamos com a ajuda da família e amigos. Temos tudo organizado e quarta feira estará tudo pronto para o inicio da festa. Temos apoio da Câmara Municipal tanto a nível de materiais, como a nível monetário. Não há queixas ... E, a entidade que menos nos apoia e devia apoiar é a Santa Casa da Misericórdia uma vez que no final da festa a maior percentagens dos lucros reverte a favor da Instituição.
Neste momento interrompo o João. Não tinha ideia de que seria essa a distribuição dos lucros. Explicou-me que a Associação fica com uma pequena percentagem que será gasta na compra de tachos, talheres, loiças necessárias que estão em falta e o resto do dinheiro irá para a Santa Casa.

Não sei se é justo ou não. Não sei que faz a Santa Casa com o dinheiro - Eu sugeria que o investimento fosse na capela – mas, sendo assim, seria justo terem mais apoio da Instituição.
Enfim! Não há bela sem senão…
- Veja lá o que vai escrever, Anabela. - Diz- me o João no final da conversa.
- O que havia de escrever João?

Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço, pelo tempo despendido, pela dedicação. Obrigada por manterem viva uma tradição que é do bairro de Santo António, sim, mas também de toda a cidade.
Está escrito …
E, lá vem ela, a marcha. Este ano também temos a Madragoa. O povo sai à rua. Começa o arraial.

Mais um ano e aqui esta
esta marcha que é do povo
gente simples que é de cá
se junta com sangue novo
e sem olhar a idades
todos se sentem contentes
gente simples de CA
mais um ano e aqui esta
para mostrar a santo António
a raça das suas gentes.
(Letra de Jorge pinheiro,
música foi Paulo leitão)

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas