• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Cumpre-se a tradição

Opinião  »  2018-06-21  »  Anabela Santos

"Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço,"

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
Nas minhas memórias ele é torrejano. Nasceu no meu bairro, junto da capela.
Santo António não é dos outros, é nosso. E, por isso, é digno de homenagem feita pela nossa gente.

Ainda não estamos no mês de junho mas já se começa a ver movimento lá para os lados da Capela.
Quem passa percebe que aqueles homens e mulheres, jovens e crianças preparam a tão esperada festa, única e tão nossa (do bairro e da cidade)… festa em homenagem ao Santo.
Com muita convicção, estas pessoas mostram que o bairrismo continua vivo e com mais ou menos dificuldades mantêm viva a tradição.
Na minha memória, junho cheira a sardinha assada e a manjerico. Lembra vida pelas ruas engalanadas com fitas de múltiplas cores. Lembra folia, música, alegria.
Lembra a procissão que sai do adro, depois da missa, e percorre, ao som da banda, as ruas do bairro. Entre lágrimas, sorrisos e rezas, os “vizinhos” seguem os andores mostrando a sua fé e, mais uma vez, o bairrismo.
As colchas da Dona Fátima, da dona Conceição, da dona da loja e de tantos outros enchem as ruas de cor, de respeito, de emoção. Mais uma vez se cumpre a tradição.
E, eu, a Elsa, a Susana e a Maria, miúdas solteiras, transportamos o andor de Santo António, cumprindo, assim, o nosso dever sem qualquer sacrifício.
O som da banda continua...

Junho lembra, ainda, as horas , as tardes, as noites, os dias que antecedem o arraial e nos juntávamos, eu e os amigos do bairro, para ensaiar a marcha com muita responsabilidade. Só podia ser assim, a marcha sai à rua e nada pode correr mal.
Os foguetes anunciam a saída e vaidosos os marchantes seguem “à risca” a coreografia ensaiada pelo paciente Alexandre.
No final do dia, o recinto da festa está cheio. As sardinhas, as bifanas, a cerveja e o vinho não param de circular. A música anima os presentes pela noite fora. Há dança e alegria.
Cumpre-se a tradição…

Estas são as minhas memórias que foram interrompidas tristemente, o ano passado, com a notícia de que não se iria realizar a festa de Santo António.
Valeram as celebrações religiosas vividas com a mesma intensidade de sempre.
Mas, este ano, graças a um grupo de jovens que teve como objetivo manter a tradição dos festejos em homenagem ao Santo, as minhas memórias voltaram.
Disse-me o João Miguel, miúdo que conheço desde bebé, que esta seria uma grande festa.
-Então, João, está tudo a correr bem? Têm ajudas? Têm apoios? O pessoal está animado?
- Está tudo bem. Todos bem dispostos. O trabalho é feito pelos membros da Associação e contamos com a ajuda da família e amigos. Temos tudo organizado e quarta feira estará tudo pronto para o inicio da festa. Temos apoio da Câmara Municipal tanto a nível de materiais, como a nível monetário. Não há queixas ... E, a entidade que menos nos apoia e devia apoiar é a Santa Casa da Misericórdia uma vez que no final da festa a maior percentagens dos lucros reverte a favor da Instituição.
Neste momento interrompo o João. Não tinha ideia de que seria essa a distribuição dos lucros. Explicou-me que a Associação fica com uma pequena percentagem que será gasta na compra de tachos, talheres, loiças necessárias que estão em falta e o resto do dinheiro irá para a Santa Casa.

Não sei se é justo ou não. Não sei que faz a Santa Casa com o dinheiro - Eu sugeria que o investimento fosse na capela – mas, sendo assim, seria justo terem mais apoio da Instituição.
Enfim! Não há bela sem senão…
- Veja lá o que vai escrever, Anabela. - Diz- me o João no final da conversa.
- O que havia de escrever João?

Obrigada por acreditarem que vale a pena, obrigada pelo trabalho, pelo esforço, pelo tempo despendido, pela dedicação. Obrigada por manterem viva uma tradição que é do bairro de Santo António, sim, mas também de toda a cidade.
Está escrito …
E, lá vem ela, a marcha. Este ano também temos a Madragoa. O povo sai à rua. Começa o arraial.

Mais um ano e aqui esta
esta marcha que é do povo
gente simples que é de cá
se junta com sangue novo
e sem olhar a idades
todos se sentem contentes
gente simples de CA
mais um ano e aqui esta
para mostrar a santo António
a raça das suas gentes.
(Letra de Jorge pinheiro,
música foi Paulo leitão)

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-12-19  »  Inês Vidal Alheados
»  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia O negócio dos extremos
»  2018-12-19  »  António Gomes Os(as) caixas de supermercado
»  2018-12-19  »  Juvenal Silva A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE
»  2018-12-19  »  Anabela Santos Haja fé