• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Certezas? Há, claro! Todas incertezas

Opinião  »  2020-04-17  »  Maria Augusta Torcato

"A bem da nossa consciência, é bom que acreditemos que somos senhores das nossas acções, porque também somos ou devemos ser responsáveis por elas"

Desde sempre as únicas certezas que tivemos foram incertezas. A vida ensina-nos que não controlamos absolutamente nada, mas há qualquer coisa em nós que nos leva a acreditar e a teimar nessa crença de controlo. Aliás, o homem precisa acreditar que é senhor das suas acções. E é, de algumas, mesmo que nestas exista sempre uma boa fracção que não controla nem depende de si. Chame-se-lhe sorte, azar, coincidência ou poder superior…

E, a bem da nossa consciência, é bom que acreditemos que somos senhores das nossas acções, porque também somos ou devemos ser responsáveis por elas e parece muito injusto sermos responsáveis por coisas que não controlamos e não dependem de nós. Mas, às vezes, a vida parece pregar-nos partidas dessas.
Ninguém sabe, verdadeiramente, o que nos espera. Ninguém consegue, com objectividade e clareza, explicar e encontrar justificações para o que está a acontecer no mundo e alterou, por completo, a nossa forma de estar. A forma de ser, acho, não sofrerá grandes alterações. Pode nestes primeiros momentos levar um abanãozinho, mas, a partir do momento em que retomarmos o que era a nossa forma de estar, aí se manifestará, em toda a essência, a nossa forma de ser.

Leio ou oiço muitas pessoas que acreditam que a vida não vai ser a mesma. Que se está a verificar uma purificação do mundo. Acreditam que este é um momento de catarse e transição para um mundo mais puro e uma maneira de ser e estar mais autêntica, mais verdadeira e espiritual, voltada para essência. Eu não acredito nisso. Tenho pena de não acreditar. Mas não acredito. Era-me menos doloroso acreditar.
Para alguns, a vida não vai ser a mesma, mesmo. Para outros vai continuar a ser o que sempre foi. Boa, má ou assim-assim, seja isso o que for, dependendo da perspectiva a partir da qual se observa e até das característica ou da natureza de quem faz a leitura ou vive essa vida.
E, sendo impossível explanar tudo o que fundamenta a minha convicção, basta lembrar que as assimetrias, que sempre existiram e muito se tentaram atenuar ou diluir, aí estão mais claras que as actuais águas, segundo parece, dos canais de Veneza.

Há de tudo: há quem esteja no conforto da sua casa, conseguindo gerir e articular a vida profissional e a pessoal muito bem; há quem esteja no conforto do seu lar a gerir e a articular com dificuldades a vida profissional e a pessoal; há quem esteja no conforto do seu lar, sem grande consciência do que tem de gerir e, além do desespero de não fazer o que fazia, não controlar os filhos, porque estes só fazem o que querem e não o que lhes é solicitado e, em vez de estarem a cumprir as suas tarefas só estão presos à “netflix” (li um desabafo de uma mãe, que já estava farta, porque os filhos não faziam nada do que lhes dizia…); há quem esteja, sem conforto, no seu lar, preocupado com o que será e como será o dia que corre e os seguintes, porque ou não tem trabalho ou não terá ordenado ao fim do mês e não conseguirá sustentar-se e à sua família; há os que nem conforto nem lar têm ou terão…

Há, ainda, os que conseguem meditar, ler, restaurar, limpar, inventar e reinventar receitas culinárias, fazer passeios higiénicos e salutares, ver todas as séries e filmes que ainda não tinham conseguido ver e há, como sempre haverá, nestas e noutras situações, os que supostamente deveriam poder fazer tudo isto e não conseguem, porque o trabalho parece que triplicou, o tempo escasseou e o “falso” isolamento se transformou num labirinto, sem que se preveja a argúcia de um Dédalo que promova um voo salvífico.

Mas eu não acredito mesmo que o mundo vá mudar. Melhor, não acredito que nós mudemos. Temo, aliás, que o fosso entre os ricos e os pobres se acentue. Temo que, sob a justificação de se procurar o bem colectivo, cresçam ideias e ideais pouco humanistas que mais não fazem que acentuar o controlo e domínio, porque o medo e a insegurança que se vivem promovem essas versões humanas, económicas, sociais e políticas. Aliás, vem tudo na mesma versão, no mesmo pacote. E ninguém que viva com muitas dificuldades a todos os níveis tem disponibilidade ou conhecimento para participar, de forma consciente e com equidade, na construção de um mundo melhor.
O mundo continuará a ser o que tem sido. Melhor para uns. Igual para outros. Pior para muitos mais.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia