• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Nós só queremos um parque na cidade. E porquê?

Opinião  »  2018-05-17  »  Nuno Curado

"Seria uma grande mais-valia para a cidade ter um parque urbano"

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico. Tradicionalmente, o conceito de espaço verde numa área urbana em Portugal (seja cidade, vila ou aldeia), passava pela existência de jardins ou de espaços arrelvados (ambos, pela sua definição e tipologia, de elevada necessidade de manutenção). Actualmente os parques urbanos ganham força e tornam-se cada vez mais necessários e pretendidos por quem vive em zonas urbanas, principalmente em cidades.

Ao contrário dos jardins, que têm um carácter essencialmente estético, os parques são espaços de fins múltiplos que combinam o usufruto pelas pessoas, com uma função ecológica importante. São tipicamente áreas arborizadas, com algumas clareiras, e por vezes elementos de água, como um rio ou um lago. São espaços onde os pais podem jogar á bola com os filhos, onde grupos de amigos fazem piqueniques e onde se pode estender uma toalha ao sol ou à sombra e simplesmente estar. Mas são igualmente áreas que devem trazer os processos naturais para dentro das cidades e, como tal, devem ser o mais sustentáveis possível e com a gestão humana apenas no essencial. E daqui vem outra vantagem: dando espaço aos processos naturais, os parques são mais baratos e fáceis de gerir que jardins.

A escolha correcta de árvores e arbustos a colocar nos parques é, portanto, de grande importância. As nossas espécies nativas estão mais adaptadas ao nosso clima e às condições locais, e portanto, exigem menos gastos de manutenção a curto, médio e longo prazo (consumo de água, podas, substituição regular, etc). A conjugação de diferentes espécies mediterrânicas - por exemplo, loendros, aroeiras, medronheiros, alecrim, alfazema, choupos, freixos, entre outros - permitiria ter folhagem verde e até flores durante quase todo o ano. E, inclusivamente, frutos e bagas comestíveis. Além disso, estar-se-ia a valorizar a biodiversidade nacional e local e a dar habitat e alimento a muitas espécies silvestres.

Por todas estas razões, um parque combina melhor as vertentes sociais, ecológicas e económicas exigidas de uma zona verde. Tem mais sombras (muito importante num país quente como o nosso), sendo mais convidativo ao usufruto pelo público, além de exigir menos manutenção, menos gastos em água, em ferramentas e em mão-de-obra. Dá mais espaço aos processos naturais e à biodiversidade. E ao ser uma área arborizada, contribui para a purificação do ar, para a diminuição da temperatura das cidades, para a diminuição do ruído, para a retenção de gases com efeito de estufa, e o aumento da saúde e bem-estar de quem lá vai.

O número de pessoas que aproveitou para passar esta Quinta-feira da Ascensão na Quinta de S. Gião, a fazer piqueniques, a jogar á bola ou a dar um passeio, demonstra que há vontade de ter um espaço destes em Torres Novas. Nem foi preciso um relvado, canteiros de flores com sistemas de rega, passadiços ou outros artificialismos. Apenas um espaço, com árvores e com sombra, onde estender as mantas e deixar os filhos correr. Seria, por isso, uma grande mais-valia para a cidade ter um parque urbano. Podia já começar com o futuro Parque Almonda (ainda que a sua área seja pequena), se este fosse implementado tendo por base este conceito, e não se tornando em mais um jardim caro e difícil de manter.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa