• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 20 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 26° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 27° / 12°
Períodos nublados
Ter.
 24° / 11°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 10°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas está lá dentro

Opinião  »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

"Torres Novas ainda lhe há-de pedir batatinhas. João Espanhol é muito maior do que as grandes superfícies comerciais"

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.

Amolava facas e tesouras, consertava chapéus-de-chuva, reparava tesouras de poda e de tosquia, mas o João Espanhol sempre foi muito mais do que um amola tesouras. Não usava gaita-de-beiços nem andava pelas ruas de casa em casa ao final da tarde a alertar as necessidades, a cavalo numa bicicleta.

A sua vida de artífice e de cidadão empenhado na participação da vida colectiva da sua terra, interveniente activo no que de mais importante ela tem de geração de amizades, de riqueza de acções e de criação de arte, sempre ultrapassou a de um simples comerciante, sempre saltou aquela imagem feita e estática do homem que estava atrás de um balcão e arranjava fechaduras e chaves e tesouras e desvendava os segredos dos cofres da vida.

O João Espanhol conseguiu moldar a sua cidade à imagem e semelhança da sua casa, fê-la ajoelhar perante si, embevecida pela sua postura simples e pelas suas atitudes genuínas e exemplos claros que lhe transmitia diariamente. Com a sua personalidade solidária, amigo de todos, não olhando a cores partidárias, o João Espanhol e a Casa Espanhol confundiam-se, eram uma só pessoa. Foi essa postura íntegra e popular que conquistou a sua cidade e a vergou aos seus pés.
Torres Novas ainda lhe há-de pedir batatinhas. João Espanhol é muito maior do que as grandes superfícies comerciais que enxameiam todos os cantos da cidade, mais importante que as ruínas que transformam em pó o casco da urbe e reduzem-na a um simulacro de vida, tudo perante a passividade e o assobio para o lado da autarquia que olha para o 30 de Maio com a complacência dos justos, fechando os olhos, escondendo a cabeça na areia e ignorando as suas responsabilidades nesta história toda. João Espanhol tem em si a verticalidade e coerência do hino nacional, da Grândola e do Avante entoados pelo seu vozeirão pondo todos em sentido e a todos tocando e fazendo soar coros espontâneos e improvisados de braço no ar.

Lá dentro está a casa cheia de memórias, referências, opções, pedaços de vida, fotografias da sua veia artística, cumplicidades várias, cânticos, músicas, vivas, punhos no ar. Lá dentro estão as máquinas, as ferramentas, centenas de artefactos usados milhares e milhares de vezes em milhares de gestos repetidos até ao infinito. Artífice da amizade. Lá dentro estão as memórias políticas de um tempo em que as opções eram assumidas de corpo inteiro, custosas, implicando a vida inteira, limitando movimentos mas criando liberdade. O João Espanhol sempre foi razoável, sempre entendeu todas as opções, sempre colocou a amizade num pedestal e as coisas sem importância no caixote do lixo.

É lá dentro que está a vida. Lá dentro também está a vida de Tores Novas. Por isso a Casa Espanhol não pode fechar definitivamente, porque fechando acaba-se com a vida de todos. A memória só pode reviver se alguém a preservar. A memória desta terra está lá dentro. E seremos todos responsáveis se a vida que lá está dentro não for defendida. Se Torres Novas, ela própria, não quiser fechar tem de pedir batatinhas ao João Espanhol e voltar a dar vida à Casa Espanhol.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  Ana Sentieiro Amor, vamos dar um tempo
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas
»  2019-04-20  »  Inês Vidal O porco