• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas está lá dentro

Opinião  »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

"Torres Novas ainda lhe há-de pedir batatinhas. João Espanhol é muito maior do que as grandes superfícies comerciais"

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.

Amolava facas e tesouras, consertava chapéus-de-chuva, reparava tesouras de poda e de tosquia, mas o João Espanhol sempre foi muito mais do que um amola tesouras. Não usava gaita-de-beiços nem andava pelas ruas de casa em casa ao final da tarde a alertar as necessidades, a cavalo numa bicicleta.

A sua vida de artífice e de cidadão empenhado na participação da vida colectiva da sua terra, interveniente activo no que de mais importante ela tem de geração de amizades, de riqueza de acções e de criação de arte, sempre ultrapassou a de um simples comerciante, sempre saltou aquela imagem feita e estática do homem que estava atrás de um balcão e arranjava fechaduras e chaves e tesouras e desvendava os segredos dos cofres da vida.

O João Espanhol conseguiu moldar a sua cidade à imagem e semelhança da sua casa, fê-la ajoelhar perante si, embevecida pela sua postura simples e pelas suas atitudes genuínas e exemplos claros que lhe transmitia diariamente. Com a sua personalidade solidária, amigo de todos, não olhando a cores partidárias, o João Espanhol e a Casa Espanhol confundiam-se, eram uma só pessoa. Foi essa postura íntegra e popular que conquistou a sua cidade e a vergou aos seus pés.
Torres Novas ainda lhe há-de pedir batatinhas. João Espanhol é muito maior do que as grandes superfícies comerciais que enxameiam todos os cantos da cidade, mais importante que as ruínas que transformam em pó o casco da urbe e reduzem-na a um simulacro de vida, tudo perante a passividade e o assobio para o lado da autarquia que olha para o 30 de Maio com a complacência dos justos, fechando os olhos, escondendo a cabeça na areia e ignorando as suas responsabilidades nesta história toda. João Espanhol tem em si a verticalidade e coerência do hino nacional, da Grândola e do Avante entoados pelo seu vozeirão pondo todos em sentido e a todos tocando e fazendo soar coros espontâneos e improvisados de braço no ar.

Lá dentro está a casa cheia de memórias, referências, opções, pedaços de vida, fotografias da sua veia artística, cumplicidades várias, cânticos, músicas, vivas, punhos no ar. Lá dentro estão as máquinas, as ferramentas, centenas de artefactos usados milhares e milhares de vezes em milhares de gestos repetidos até ao infinito. Artífice da amizade. Lá dentro estão as memórias políticas de um tempo em que as opções eram assumidas de corpo inteiro, custosas, implicando a vida inteira, limitando movimentos mas criando liberdade. O João Espanhol sempre foi razoável, sempre entendeu todas as opções, sempre colocou a amizade num pedestal e as coisas sem importância no caixote do lixo.

É lá dentro que está a vida. Lá dentro também está a vida de Tores Novas. Por isso a Casa Espanhol não pode fechar definitivamente, porque fechando acaba-se com a vida de todos. A memória só pode reviver se alguém a preservar. A memória desta terra está lá dentro. E seremos todos responsáveis se a vida que lá está dentro não for defendida. Se Torres Novas, ela própria, não quiser fechar tem de pedir batatinhas ao João Espanhol e voltar a dar vida à Casa Espanhol.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa