• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 19 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 30° / 13°
Períodos nublados
Sex.
 26° / 14°
Períodos nublados
Qui.
 24° / 14°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Como a dor desfolha o peito

Opinião  »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

"Os LaFontinha provaram, mais uma vez, que são o melhor grupo de música popular da região"

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.

Também Torres Novas foi fértil em muitos exemplos que deram corpo a essa resistência, muitas vontades abriram o peito às balas, mostraram coragem nos momentos mais difíceis, criaram coerências que frutificaram. Houve, por cá, episódios de luta contra o fascismo que marcaram gerações inteiras, moldaram o seu pensamento, determinaram muitas vidas, muitos destinos, muitos futuros.

Cá, como noutros lados, a luta revelava-se em vários domínios, crescia em forma de cantigas, fortalecendo a solidariedade e a unidade em muitos momentos. Os sons da resistência ecoaram no passado sábado no Alfa transformados na homenagem ao José Afonso assinalando os 50 anos do concerto nas grutas da Lapas.

Está bom senhor doutor? Olá senhor padre. As primeiras palavras trocadas por Francisco Fanhais e José Afonso foram apenas o sinal de uma amizade de décadas. Não se conheciam pessoalmente, mas as grutas das Lapas, precisamente há 50 anos, propiciaram uma caminhada conjunta repleta de muitos encontros, de muitas lutas, de partilha de sonhos e utopias.

A voz e o exemplo de vida de José Afonso revelou-se às claras no encontro das catacumbas de 28 de Dezembro de 1968, marcou gerações inteiras de torrejanos e determinou as opções de vida de muitos deles, alguns ainda muito jovens.

Foi um acontecimento histórico da maior importância no percurso da resistência e luta contra o fascismo. Mas não existem registos daquele momento, só a memória de alguns participantes o pode guardar, o pode registar, pelo que corre-se o risco dos tempos vindouros desconhecerem o que se passou, ignorarem a sua importância para muita gente.

50 anos depois, o espectáculo que ocorreu no estúdio Alfa teve o condão de assinalar a data, erguendo-a como uma bandeira, exibindo o simbolismo e a sua importância. O concerto registou o momento assinalando a efeméride, deu vida à história.

2. Sobre este concerto no estúdio Alfa pouco há a dizer a não ser evidenciar que mais uma vez os LaFontinha conseguiram organizar um espectáculo fantástico, aliando a música de José Afonso, à voz sempre límpida e cristalina de Francisco Fanhais, uma curta intervenção de Manuel Tiago, antigo padre, um dos organizadores do concerto de há meio século, outra de Carlos Rosa, um dos jovens dinamizadores do mesmo, e de Eduardo Bento na interpretação do agente da PIDE responsável pelo relatório que ficará nos anais da nossa história com um dos documentos mais ridículos de que há memória.

Interpretando algumas das canções menos conhecidas de José Afonso, com a qualidade que nos vêm habituando, os LaFontinha provaram mais uma vez que são o melhor grupo de música popular da região. Ver os LaFontinha é partilhar a sua humildade em palco, a seriedade das interpretações, o respeito pelo génio, é honrar a homenagem a José Afonso. Ouvir José Afonso renascido pelos LaFontinha é comungar as mesmas sensações que deram corpo aos sonhos do poeta e cantor. Este espectáculo abriu todos os sentidos e permitiu que a voz do andarilho ecoasse na sala marcando a nossa memória para sempre. Na companhia dos LaFontinha, bendita foi a voz de Francisco Fanhais que elevou o momento aos céus, transformando toda a dor em pura beleza. Foi um momento de suave tristeza desvanecido em pura felicidade. Como a dor desfolha o peito, assim os LaFontinha fizeram reviver a beleza e a serenidade da música de José Afonso por um momento. Eterno foi esse momento.

3. Nas grutas da Lapas ocorreu à mesma hora outro concerto com o objectivo de assinalar a presença de José Afonso naquele local há 50 anos, da responsabilidade do Teatro Virgínia e do Município de Torres Novas. Para além do evidente erro de casting e do falhanço em toda a linha, a iniciativa municipal é fruto de uma assumida e clara opção política e cultural. E só não vê que isso é o essencial da questão quem estiver muito distraído.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?