• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 20 de Outubro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 25° / 11°
Períodos nublados
Dom.
 22° / 10°
Períodos nublados
Sáb.
 21° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

De cabeça perdida

Opinião  »  2017-07-30  »  Jorge Carreira Maia

"Obscurecida pela vontade de vingança, a direita política tornou-se incapaz de distinguir entre o sentimento das pessoas e o coro ruidoso dessa direita que vive da comunicação e das redes sociais."

Na semana passada consumou-se a grande tentação que, desde o desastre de Pedrógão Grande, flutuava nos corações da direita. A princípio, alguma sensatez política evitou que os partidos na oposição fizessem da desgraça um móbil do combate político. Por certo, não o fizeram por decoro nem por uma superioridade ética, coisas que, na verdade, não são essenciais na política, sejam quais forem os protagonistas. Fizeram-no porque isso era, politicamente, muito arriscado. O eleitorado poderia penalizar esse tipo de conduta.

No entanto, a direita não comprometida com um partido, aquela que se move nos órgãos de comunicação, nos blogues e nas redes sociais – a direita com voz mas que não vai a votos – exultava e via no acontecimento de Pedrógão a oportunidade para tentar liquidar António Costa. Isso aconteceu praticamente desde o primeiro momento. A direita política, porém, hesitava entre a sensatez estratégica e o desejo que lhe corroía o coração. O sinal dessa hesitação foi dado de forma muito clara pela história dos suicídios protagonizada por Passos Coelho. Não foi uma gaffe ou um engano. Foi um acto falhado no sentido freudiano da expressão.

Contudo, perante a incapacidade de encontrar uma política alternativa credível, o desejo foi mais forte do que a sensatez. Obscurecida pela vontade de vingança, a direita política tornou-se incapaz de distinguir entre o sentimento das pessoas e o coro ruidoso dessa direita que vive da comunicação e das redes sociais, uma direita que, por não ter que prestar contas a eleitores e fazer-se eleger, não disfarça o profundo ódio que a habita, um ódio cujo principal destinatário é António Costa. A triste história da lista de mortos e o patético ultimato do chefe da bancada parlamentar do PSD foram a expressão dessa confusão, foram a expressão de que o desejo falara mais alto do que o cálculo político e estratégico.

Esmagada pelos resultados da economia, desmentida nas suas patéticas previsões de desgraça, essa direita não hesitará perante nada para lançar o país no caos. E, como vimos, não se pode esperar, nos dias que correm, da direita política alguma sensatez. Aliás, o PSD na oposição é, por norma, um partido muito pouca responsável e pouco interessado no bem da comunidade. Se a esquerda – todos os três partidos – não estiver atenta a este sentimento de ódio e não antecipar, a cada momento, para onde ele dirige o ressentimento, irá, em vez de governar, perder muito do seu tempo e da sua energia a consertar estragos. Não estamos em tempo de amadorismos, pois o adversário está de cabeça perdida.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Torres Novas, hoje, é um activo tóxico »  2017-10-17  »  Ana Trincão

Como é que o município pensa atrair investimento para as zonas industriais sem fazer o trabalho de casa primeiro? Vamos imaginar um cenário possível, que não agrada ao dono da Fabrióleo por razões que não vêm aqui ao caso - o da deslocalização da empresa para a zona industrial de Torres Novas: este cenário também não agrada à gestão da nossa câmara municipal e muito menos à empresa Águas do Ribatejo.
(ler mais...)


Assobiar para o lado »  2017-10-17  »  João António

Escrevo-vos sobre um tema que me é caro, o associativismo desportivo, ao qual já dediquei mais de metade da minha vida com grande amor e paixão. Notem que é nas mãos dos clubes e associações desportivas que está o principal motor de desenvolvimento do desporto, um dos sectores mais mediático e em que o país é mais competitivo.
(ler mais...)


Intestino, o nosso segundo cérebro »  2017-10-17  »  Juvenal Silva

É no intestino que se produz um importantíssimo neurotransmissor, a serotonina, a hormona responsável pelo bem estar, otimismo e autoconfiança. O intestino, para além de ajudar a digerir e absorver os alimentos, os seus micróbios, são agora suspeitos de nos angustiar, deprimir ou alegrar.
(ler mais...)


Menino crescido... »  2017-10-17  »  Hélder Dias

Vida normal »  2017-10-16  »  Jorge Carreira Maia

Há alturas em que o jeito de ser português mostra os seus limites. O ano de 2017 é uma dessas alturas. Não chega a nossa cultura do desenrascanço (palavra horrível com que embrulhamos a incompetência na esperteza saloia).
(ler mais...)


Pedro Ferreira »  2017-10-04  »  Jorge Carreira Maia

As eleições torrejanas tinham vários ingredientes que as tornavam muito interessantes. Em primeiro lugar, havia que medir o impacto do corte dramático, ampliado na comunicação social local, de António Rodrigues, o antigo presidente, com o PS, bem como o da avaliação negativa da actuação da câmara veiculada no espaço politizado do concelho.
(ler mais...)


A nutrição é uma força poderosa contra as alergias »  2017-10-03  »  Juvenal Silva

As alergias cada vez mais estão presentes nas nossas vidas e não nos apercebemos que podem desencadear variados tipos de problemas de saúde, por desconhecermos que inúmeros sintomas patológicos poderão estar na sua origem.
(ler mais...)


Milagres precisam-se... »  2017-10-03  »  Hélder Dias

Eleições autárquicas: O que me ocorre dizer »  2017-09-26  »  Jorge Carreira Maia

Consta que vai haver eleições autárquicas no próximo domingo. Eu gostava muito de dizer alguma coisa sobre o assunto, mas, confesso, não me ocorre nada de relevante. Eu sei que são importantes, muito importantes.
(ler mais...)


Agências de rating »  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia

Há uma tendência – à esquerda do PS – para censurar continuamente as agências de rating e o papel que elas têm tido na dívida portuguesa. E como consequência dessa censura dizer-se que as avaliações delas não devem ser tidas em conta, o que interessa é a vida dos portugueses e não a opinião de agências de especuladores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-10-17  »  Ana Trincão Torres Novas, hoje, é um activo tóxico
»  2017-10-17  »  João António Assobiar para o lado
»  2017-10-17  »  Hélder Dias Menino crescido...