• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 18 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Ter.
 37° / 22°
Períodos nublados
Seg.
 38° / 23°
Céu limpo
Dom.
 37° / 21°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  36° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

De cabeça perdida

Opinião  »  2017-07-30  »  Jorge Carreira Maia

"Obscurecida pela vontade de vingança, a direita política tornou-se incapaz de distinguir entre o sentimento das pessoas e o coro ruidoso dessa direita que vive da comunicação e das redes sociais."

Na semana passada consumou-se a grande tentação que, desde o desastre de Pedrógão Grande, flutuava nos corações da direita. A princípio, alguma sensatez política evitou que os partidos na oposição fizessem da desgraça um móbil do combate político. Por certo, não o fizeram por decoro nem por uma superioridade ética, coisas que, na verdade, não são essenciais na política, sejam quais forem os protagonistas. Fizeram-no porque isso era, politicamente, muito arriscado. O eleitorado poderia penalizar esse tipo de conduta.

No entanto, a direita não comprometida com um partido, aquela que se move nos órgãos de comunicação, nos blogues e nas redes sociais – a direita com voz mas que não vai a votos – exultava e via no acontecimento de Pedrógão a oportunidade para tentar liquidar António Costa. Isso aconteceu praticamente desde o primeiro momento. A direita política, porém, hesitava entre a sensatez estratégica e o desejo que lhe corroía o coração. O sinal dessa hesitação foi dado de forma muito clara pela história dos suicídios protagonizada por Passos Coelho. Não foi uma gaffe ou um engano. Foi um acto falhado no sentido freudiano da expressão.

Contudo, perante a incapacidade de encontrar uma política alternativa credível, o desejo foi mais forte do que a sensatez. Obscurecida pela vontade de vingança, a direita política tornou-se incapaz de distinguir entre o sentimento das pessoas e o coro ruidoso dessa direita que vive da comunicação e das redes sociais, uma direita que, por não ter que prestar contas a eleitores e fazer-se eleger, não disfarça o profundo ódio que a habita, um ódio cujo principal destinatário é António Costa. A triste história da lista de mortos e o patético ultimato do chefe da bancada parlamentar do PSD foram a expressão dessa confusão, foram a expressão de que o desejo falara mais alto do que o cálculo político e estratégico.

Esmagada pelos resultados da economia, desmentida nas suas patéticas previsões de desgraça, essa direita não hesitará perante nada para lançar o país no caos. E, como vimos, não se pode esperar, nos dias que correm, da direita política alguma sensatez. Aliás, o PSD na oposição é, por norma, um partido muito pouca responsável e pouco interessado no bem da comunidade. Se a esquerda – todos os três partidos – não estiver atenta a este sentimento de ódio e não antecipar, a cada momento, para onde ele dirige o ressentimento, irá, em vez de governar, perder muito do seu tempo e da sua energia a consertar estragos. Não estamos em tempo de amadorismos, pois o adversário está de cabeça perdida.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)


O operário »  2018-08-15  »  Anabela Santos

O tempo está ameno, um dia claro, de um azul celeste. O convite para sair de casa estava feito pelas cores e o som da natureza.

Não sei se foi o corpo ou a alma que me empurraram da zona alta para o centro da cidade. Mas fui… E não não vou falar da degradação do centro histórico.
(ler mais...)


Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira »  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria.
(ler mais...)


Época balnear »  2018-08-15  »  António Gomes

Na época balnear, o primeiro dia de visita à praia é sempre assim: quais são as novidades? A organização da coisa - os espaços para estacionamento, os acessos à dita, o espaço para arear… tudo na mesma, pouco mudou ou pelo contrário, grandes mudanças? Isto para quem vai sempre para o mesmo local… parece que não sabemos outro caminho, é prá li e pronto.
(ler mais...)


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato O meu Ti Boino
»  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira
»  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia Protectorado