• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 23 de Outubro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 28° / 12°
Claro
Qua.
 27° / 12°
Claro
Ter.
 26° / 12°
Claro
Torres Novas
Hoje  25° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Angela Merkel

Opinião  »  2017-06-08  »  Jorge Carreira Maia

"A chanceler alemã parece ser a única personagem política europeia que detém a autoridade e a força políticas para evitar a queda no abismo e encontrar um caminho de redenção do projecto europeu."

O comportamento do presidente Donald Trump na sua estadia em solo europeu teve a utilidade de mostrar que a defesa europeia, através da NATO, se encontra nas mãos de alguém que não é minimamente previsível, sem quaisquer princípios políticos ou, tão pouco, sentido de Estado e das conveniências. A presidência americana não está nas mãos dos republicanos, mas de um self made man sem pedigree político nem humildade para perceber a natureza do jogo perigoso que está a jogar. Isto parece entusiasmar intensamente os amantes de aventuras radicais e os adeptos da teoria de quanto pior, melhor. Para as pessoas sensatas é, todavia, um perigo, pois confirmou-se que o amigo americano nos voltou as costas. Este corte pode, contudo, ser uma oportunidade para o projecto europeu.

Depois do brexit e da visita de Trump, a União Europeia encontra-se numa encruzilhada. Pode ceder à pressão anglo-americana e entrar num processo de autodestruição ou pode encontrar, na nova situação, o combustível para refazer esse projecto e dar passos na consolidação da União como um dos grandes pólos da política mundial e não apenas um espaço comercial mais ou menos rico e apetecível. O retorno às velhas soberanias, tentador em sectores cada vez mais largos dos eleitorados, não será apenas um problema económico derivado da destruição do grande mercado europeu. Será o retorno aos nacionalismos e às velhas rivalidades que conduziram o mundo a duas guerras mundiais. Será também a condenação das nações europeias à irrelevância geopolítica. O projecto europeu continua a ser a única alternativa credível a uma decadência irreversível de parte substancial das nações europeias.

Esse projecto precisa de um conteúdo e de uma liderança forte. Quanto ao conteúdo, ele deve ter, agora que os americanos voltaram as costas, um pilar militar estruturante de uma defesa comum credível. Deve, por outro lado, continuar o processo de modernização das economias e dos estados europeus e, ao mesmo tempo, estabilizar os diversos estados sociais. Primeiro, como forma de reforço da coesão interna através do compromisso dos cidadãos com a União e, depois, como barreira ao crescimento eleitoral dos nacionalismos. Estes conteúdos – que não geram consensos facilmente – precisam de uma forte liderança política. E no actual quadro, tendo em conta os dirigentes políticos existentes, a liderança digna desse nome e com capacidade para dar um rumo à União Europeia é Angela Merkel. A chanceler alemã parece ser a única personagem política europeia que detém a autoridade e a força políticas para evitar a queda no abismo e encontrar um caminho de redenção do projecto europeu.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Torres Novas, hoje, é um activo tóxico »  2017-10-17  »  Ana Trincão

Como é que o município pensa atrair investimento para as zonas industriais sem fazer o trabalho de casa primeiro? Vamos imaginar um cenário possível, que não agrada ao dono da Fabrióleo por razões que não vêm aqui ao caso - o da deslocalização da empresa para a zona industrial de Torres Novas: este cenário também não agrada à gestão da nossa câmara municipal e muito menos à empresa Águas do Ribatejo.
(ler mais...)


Assobiar para o lado »  2017-10-17  »  João António

Escrevo-vos sobre um tema que me é caro, o associativismo desportivo, ao qual já dediquei mais de metade da minha vida com grande amor e paixão. Notem que é nas mãos dos clubes e associações desportivas que está o principal motor de desenvolvimento do desporto, um dos sectores mais mediático e em que o país é mais competitivo.
(ler mais...)


Intestino, o nosso segundo cérebro »  2017-10-17  »  Juvenal Silva

É no intestino que se produz um importantíssimo neurotransmissor, a serotonina, a hormona responsável pelo bem estar, otimismo e autoconfiança. O intestino, para além de ajudar a digerir e absorver os alimentos, os seus micróbios, são agora suspeitos de nos angustiar, deprimir ou alegrar.
(ler mais...)


Menino crescido... »  2017-10-17  »  Hélder Dias

Vida normal »  2017-10-16  »  Jorge Carreira Maia

Há alturas em que o jeito de ser português mostra os seus limites. O ano de 2017 é uma dessas alturas. Não chega a nossa cultura do desenrascanço (palavra horrível com que embrulhamos a incompetência na esperteza saloia).
(ler mais...)


Pedro Ferreira »  2017-10-04  »  Jorge Carreira Maia

As eleições torrejanas tinham vários ingredientes que as tornavam muito interessantes. Em primeiro lugar, havia que medir o impacto do corte dramático, ampliado na comunicação social local, de António Rodrigues, o antigo presidente, com o PS, bem como o da avaliação negativa da actuação da câmara veiculada no espaço politizado do concelho.
(ler mais...)


A nutrição é uma força poderosa contra as alergias »  2017-10-03  »  Juvenal Silva

As alergias cada vez mais estão presentes nas nossas vidas e não nos apercebemos que podem desencadear variados tipos de problemas de saúde, por desconhecermos que inúmeros sintomas patológicos poderão estar na sua origem.
(ler mais...)


Milagres precisam-se... »  2017-10-03  »  Hélder Dias

Eleições autárquicas: O que me ocorre dizer »  2017-09-26  »  Jorge Carreira Maia

Consta que vai haver eleições autárquicas no próximo domingo. Eu gostava muito de dizer alguma coisa sobre o assunto, mas, confesso, não me ocorre nada de relevante. Eu sei que são importantes, muito importantes.
(ler mais...)


Agências de rating »  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia

Há uma tendência – à esquerda do PS – para censurar continuamente as agências de rating e o papel que elas têm tido na dívida portuguesa. E como consequência dessa censura dizer-se que as avaliações delas não devem ser tidas em conta, o que interessa é a vida dos portugueses e não a opinião de agências de especuladores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-10-17  »  Ana Trincão Torres Novas, hoje, é um activo tóxico
»  2017-10-17  »  João António Assobiar para o lado
»  2017-10-17  »  Hélder Dias Menino crescido...