• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A anemia democrática

Opinião  »  2018-04-05  »  Jorge Carreira Maia

"A agonia da vida democrática nasce precisamente do facto do cadáver da cristandade ter sido completamente consumido. "

Se olharmos para as três principais ideologias políticas que estruturaram as democracias representativas, conservadorismo, liberalismo e socialismo (cada uma delas com diversas nuances), descobrimos que resultaram da implosão da visão cristã do mundo. O conservadorismo liga-se à ideia de tradição e de autoridade da Igreja (mesmo de uma Igreja reformada que rompeu com a Igreja Católica e as ideias de tradição e de autoridade). O liberalismo funda-se na crença de que os cristãos procuram a liberdade dos filhos de Deus e também na ideia de livre-arbítrio, ligada à liberdade de escolha. O socialismo emana da visão de comunidade, de uma comunhão na fé e na esperança de salvação. A implosão da visão cristã do mundo, que tem os seus começos no século XIV, na filosofia de Guilherme de Ockam, libertou cada uma destas perspectivas e permitiu que se especializassem como ideologias em sociedades cada vez mais seculares.

O que era um organismo, ao cindir-se, estruturou um horizonte que permitiu alicerçar crenças políticas e sociais diferentes – por vezes, antagónicas – e, ao mesmo tempo, um campo de conflito e de negociação. As democracias, até há pouco, viveram nesse horizonte proveniente da desagregação da cristandade ocidental. Na verdade, pode-se afirmar que as democracias se alimentaram do generoso cadáver da velha ordem cristã. Por isso, elas eram ainda formas políticas cristãs, se bem que sob um véu secular. Ora um cadáver, mesmo generoso, não é eterno. O facto de as nossas sociedades se terem tornado pós-cristãs, de os valores fundamentais que regem as decisões dos indivíduos provirem de outros lados, não poderá deixar de ter um impacto sobre os regimes políticos democráticos.

A agonia da vida democrática nasce precisamente do facto do cadáver da cristandade ter sido completamente consumido. As visões morais, sociais, políticas e económicas, que estruturavam as ideologias dos conservadorismos, dos liberalismos e dos socialismos, perderam a sua fonte de alimentação e, perante a avassaladora anemia que as atinge, entregam-se nas mãos do primeiro curandeiro exaltado que encontram. Estamos a chegar a um momento em que possuímos instituições e rituais democráticos mas aos quais falta o alimento. Instituições e práticas políticas que se tornaram destituídas de sentido podem durar algum tempo, mas acabarão por desaparecer substituídas por algo que pareça mais adequado. A crise das democracias está precisamente ligada ao fim dos valores que as alimentavam. O problema para quem defende a democracia representativa é esse: como alimentá-la se as suas fontes de nutrição desapareceram?

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição