• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 13° / 2°
Períodos nublados
Dom.
 13° / 2°
Períodos nublados
Sáb.
 14° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O véu ideológico

Opinião  »  2017-05-18  »  Jorge Carreira Maia

"Mais do que pôr fim à austeridade, o mérito deste governo é o de ter posto fim a uma espécie de guerra civil simbólica, mas de resultados muito reais, que o anterior tinha desencadeado."

A reivindicação pelo PSD e CDS do mérito pelo actual desempenho da economia portuguesa é não apenas uma jogada de oportunismo político mas, o que é pior, um sinal de que a direita ainda vive sob o véu ideológico que a conduziu nos anos da troika. Algumas das políticas do governo de Passos Coelho eram inevitáveis devido à situação em que nos encontrávamos e às exigências dos nossos parceiros. Houve, contudo, muitas coisas evitáveis e que qualquer governo dotado de bom senso deveria ter evitado. Era evitável o programa de ir além daquilo que a troika nos impunha. Era evitável a guerra, por motivos ideológicos, que o governo de então, com Passos Coelho na vanguarda, decidiu fazer a uma parte substancial do país, às classes populares, em primeiro lugar, e às classes médias, de seguida.

As políticas do governo suportado pelas esquerdas são muito diferentes das do governo anterior? Não e sim. A política de contenção dos gastos, de redução do défice e de cumprimento dos compromissos europeus continuam a ser aplicadas, até de forma mais eficiente. As políticas de austeridade, apesar da retórica em contrário, mantêm-se. Mesmo as devoluções de rendimentos na função pública estão muito longe de serem completas. O que mudou foi a maneira como o governo olha para o todo nacional. Mais do que pôr fim à austeridade, o mérito deste governo – com a ajuda, diga-se, do Presidente da República – é o de ter posto fim a uma espécie de guerra civil simbólica, mas de resultados muito reais, que o anterior tinha desencadeado. Quando se fala em distensão do clima político e social, o que se quer dizer é que o espírito de comunidade foi reconstruído pela actual maioria. Onde o governo anterior excluiu, as esquerdas estão, lentamente, a incluir.

E esta inclusão, muitas vezes simbólica, não é pouca coisa. Contribui para criar espírito de inclusão no todo nacional e, em vez de humilhar as pessoas, como foi feito muitas vezes pelo governo de Passos Coelho, ajuda-as à ganhar coragem para enfrentarem a difícil situação em que não deixámos de estar. Todos nos sentimos agora parte da comunidade política. Preocupante é que a direita, em vez de reconhecer a falência da sua deriva ideológica, continua saudosa do projecto de perseguição das classes populares, através de uma legislação feroz de restrição de direitos, e das classes médias, por intermédio da política fiscal. Esperemos apenas que as esquerdas não embandeirem em arco com os resultados obtidos até agora e não entreguem a governação aos que continuam dispostos a fazer de Portugal um país da América Latina.

 

 

 Outras notícias - Opinião


ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A CULTURA LOCAL »  2017-12-13  »  Denis Hickel

Há uma resistência geral na sociedade e especialmente no âmbito político para implementar agendas que tornem o tema das alterações climáticas parte da cultura geral, da economia, do planeamento e do empreendedorismo.
(ler mais...)


Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar »  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões

O IMI Familiar é uma medida de discriminação positiva destinada a aliviar o esforço financeiro das famílias com filhos. Pressupõe um desconto no IMI relativo à habitação própria de cada agregado em função do número de descendentes, que vai continuar a não ter aplicação em Torres Novas em 2018, uma quase excepção no país e uma verdadeira excentricidade na região.
(ler mais...)


Manter as barcaças do passado »  2017-12-13  »  Carlos Tomé

Aqui há uns anos, não muitos, o Bruno Aleixo, um boneco televisivo, um urso que só mexia a boca e revirava os olhos, fazia-nos rir e pensar quando mandava umas atoardas e se vangloriava de ler muito. Ele era anúncios, listas de supermercado, slogans que andavam espalhados por Coimbra, o preçário do café do Aires, algumas mensagens de telemóvel e mais umas dezenas de coisa.
(ler mais...)


O Derbi »  2017-12-13  »  José Ricardo Costa

No dia em que os meus pais casaram era de jogo no Almonda Parque. Despachado o almoço da praxe, foram então os noivos, alegremente seguidos pelos engalanados convidados, rumo ao também chamado quintal do José Maria. O meu pai podia não ser doente do esférico mas era homem de suas rotinas, sendo domingo de futebol uma delas.
(ler mais...)


Falar por falar »  2017-12-12  »  Anabela Santos

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”.
(ler mais...)


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar
»  2017-12-13  »  José Ricardo Costa O Derbi
»  2017-12-12  »  Anabela Santos Falar por falar