• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 31° / 19°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 34° / 20°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  37° / 18°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Estado hiperbolicamente social

Opinião  »  2016-01-20  »  José Ricardo Costa

"Se a modernidade criou, muito legitimamente de resto, o Estado Social, muito provavelmente iremos num futuro próximo encontrar o Estado Hiperbolicamente Social reclamado por uma geração habituada a pedir phones emprestados, lenços de papel, as horas por não usar relógio, como se pedir de mão estendida por tudo e por nada fosse a coisa mais natural do mundo."

Estou na biblioteca da minha escola, absorto no meu trabalho. Entretanto, sou interrompido por um garoto que, muito educadamente aliás, me pergunta se tenho uns phones que lhe empreste. Eu, também, educadamente respondo que não. O rapaz agradece e vai para a vida dele, não sei se com phones ou sem phones pois deixei de o ver. Pensei que alguma coisa de importante se deve estar a passar no mundo para um garoto achar normal poder ir ter com um professor de ar sério e com idade para ser seu avô para lhe pedir uns phones emprestados. Ainda quis acreditar que se trataria de um comportamento extemporâneo, explicado por algum défice nas atitudes sociais do moço. Enfim, nada que surpreenda num tempo em que as crianças são tão marcadas por défices. Mas também pode ser apenas mais um caso sintomático de uma tendência social que veio para ficar.

Eu sou professor do ensino secundário mas como a minha escola faz parte de um agrupamento, nos dois últimos anos fui fazer vigilância de exames de Português e de Matemática a uma escola primária quase ao lado. Em todos eles houve alunos a pedir aos professores vigilantes lenços de papel. À primeira achei estranho mas depois lá me fui habituando a uma prática à qual, percebi, estarem eles há muito habituados. E sendo os exames em Junho, época em que a Renova se deve queixar de uma quebra na venda de lenços de papel, nem quero pensar como seria se fosse em Janeiro. Quando dou testes, tenho sempre alunos a perguntarem-me as horas ou quanto tempo falta para acabar. Alguns já me fizeram levantar da cadeira para ir ao seu lugar para me fazerem a pergunta. Quando dito o sumário tenho sempre a alunos a perguntar «que dia é hoje?». Acontece que no meu tempo moderno, ou pré-pós-moderno, havia um objecto chamado relógio que fazia com que toda a gente soubesse as horas e o dia do mês sem ser necessário estar a incomodar um professor cuja função não é ser relógio ou calendário mas ensinar Filosofia.

Esta é a mesma geração que pode chegar atrasada a todas as aulas porque a escolaridade é obrigatória e ninguém pode chumbar por faltas. É a mesma geração com a qual os pais andam de carro para a frente e para trás como pequenos aristocratas nos seus coches. A mesma geração que, tendo boas ou más notas, não prescinde dos seus gadgets que candidamente vão caindo do céu. A mesma geração que passa almoços e jantares de família absorvidos no seu androids, mandando e recebendo sms para amigos que também estarão em almoços ou jantares de família, sem que ninguém lhes explique que viver em sociedade não é apenas estar mergulhado na satisfação dos seus desejos mais imediatos e que por vezes é mesmo necessário dar atenção à tia velhinha ou ao avô, mesmo que moucos que nem uma porta e contem pela 38ª vez as mesmas histórias de sempre.

Ainda antes de ter sido interrompido pelo rapaz dos phones, já eu estava a ser ininterruptamente interrompido por três fedelhos, duas raparigas e um rapaz, dos seus 12 anos, alegres, felizes e contentes, fazendo um enorme chinfrim numa mesa a cerca de três metros da minha. Resolvi finalmente intervir. Olharam para mim e nada, nem um pedido de desculpa, nem um ligeiro gesto de assentimento com a cabeça, uma subtil expressão de arrependimento no rosto. Mas percebi que me ouviram pois de imediato acalmaram. Mas por pouco tempo, dramaticamente pouco. Habituados que estão à velocidade das percepções e a uma volátil vida mental, lá voltaram de novo aos risinhos estridentes, aos guinchinhos, aos empurrõezinhos. Voltei a advertir e mais alto. A funcionária, que por ali andava, num gesto eternamente repetido, foi educadamente advertir as crianças. A mesma reacção, isto é, a mesma calma, a mesma indiferença perante adultos transparentes que nos pós-modernos circuitos neuronais das crianças devem ter a densidade ontológica de um holograma.

Ora bem, talvez esta geração venha a estar na origem de um novo paradigma social e político. Se a modernidade criou, muito legitimamente de resto, o Estado Social, muito provavelmente iremos num futuro próximo encontrar o Estado Hiperbolicamente Social reclamado por uma geração habituada a pedir phones emprestados, lenços de papel, as horas por não usar relógio, como se pedir de mão estendida por tudo e por nada fosse a coisa mais natural do mundo. Um Estado de tal modo social, tão exageradamente social, tão zeladoramente social que pode ser mesmo a machadada final no estado do Estado Social.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)