• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Estado hiperbolicamente social

Opinião  »  2016-01-20  »  José Ricardo Costa

"Se a modernidade criou, muito legitimamente de resto, o Estado Social, muito provavelmente iremos num futuro próximo encontrar o Estado Hiperbolicamente Social reclamado por uma geração habituada a pedir phones emprestados, lenços de papel, as horas por não usar relógio, como se pedir de mão estendida por tudo e por nada fosse a coisa mais natural do mundo."

Estou na biblioteca da minha escola, absorto no meu trabalho. Entretanto, sou interrompido por um garoto que, muito educadamente aliás, me pergunta se tenho uns phones que lhe empreste. Eu, também, educadamente respondo que não. O rapaz agradece e vai para a vida dele, não sei se com phones ou sem phones pois deixei de o ver. Pensei que alguma coisa de importante se deve estar a passar no mundo para um garoto achar normal poder ir ter com um professor de ar sério e com idade para ser seu avô para lhe pedir uns phones emprestados. Ainda quis acreditar que se trataria de um comportamento extemporâneo, explicado por algum défice nas atitudes sociais do moço. Enfim, nada que surpreenda num tempo em que as crianças são tão marcadas por défices. Mas também pode ser apenas mais um caso sintomático de uma tendência social que veio para ficar.

Eu sou professor do ensino secundário mas como a minha escola faz parte de um agrupamento, nos dois últimos anos fui fazer vigilância de exames de Português e de Matemática a uma escola primária quase ao lado. Em todos eles houve alunos a pedir aos professores vigilantes lenços de papel. À primeira achei estranho mas depois lá me fui habituando a uma prática à qual, percebi, estarem eles há muito habituados. E sendo os exames em Junho, época em que a Renova se deve queixar de uma quebra na venda de lenços de papel, nem quero pensar como seria se fosse em Janeiro. Quando dou testes, tenho sempre alunos a perguntarem-me as horas ou quanto tempo falta para acabar. Alguns já me fizeram levantar da cadeira para ir ao seu lugar para me fazerem a pergunta. Quando dito o sumário tenho sempre a alunos a perguntar «que dia é hoje?». Acontece que no meu tempo moderno, ou pré-pós-moderno, havia um objecto chamado relógio que fazia com que toda a gente soubesse as horas e o dia do mês sem ser necessário estar a incomodar um professor cuja função não é ser relógio ou calendário mas ensinar Filosofia.

Esta é a mesma geração que pode chegar atrasada a todas as aulas porque a escolaridade é obrigatória e ninguém pode chumbar por faltas. É a mesma geração com a qual os pais andam de carro para a frente e para trás como pequenos aristocratas nos seus coches. A mesma geração que, tendo boas ou más notas, não prescinde dos seus gadgets que candidamente vão caindo do céu. A mesma geração que passa almoços e jantares de família absorvidos no seu androids, mandando e recebendo sms para amigos que também estarão em almoços ou jantares de família, sem que ninguém lhes explique que viver em sociedade não é apenas estar mergulhado na satisfação dos seus desejos mais imediatos e que por vezes é mesmo necessário dar atenção à tia velhinha ou ao avô, mesmo que moucos que nem uma porta e contem pela 38ª vez as mesmas histórias de sempre.

Ainda antes de ter sido interrompido pelo rapaz dos phones, já eu estava a ser ininterruptamente interrompido por três fedelhos, duas raparigas e um rapaz, dos seus 12 anos, alegres, felizes e contentes, fazendo um enorme chinfrim numa mesa a cerca de três metros da minha. Resolvi finalmente intervir. Olharam para mim e nada, nem um pedido de desculpa, nem um ligeiro gesto de assentimento com a cabeça, uma subtil expressão de arrependimento no rosto. Mas percebi que me ouviram pois de imediato acalmaram. Mas por pouco tempo, dramaticamente pouco. Habituados que estão à velocidade das percepções e a uma volátil vida mental, lá voltaram de novo aos risinhos estridentes, aos guinchinhos, aos empurrõezinhos. Voltei a advertir e mais alto. A funcionária, que por ali andava, num gesto eternamente repetido, foi educadamente advertir as crianças. A mesma reacção, isto é, a mesma calma, a mesma indiferença perante adultos transparentes que nos pós-modernos circuitos neuronais das crianças devem ter a densidade ontológica de um holograma.

Ora bem, talvez esta geração venha a estar na origem de um novo paradigma social e político. Se a modernidade criou, muito legitimamente de resto, o Estado Social, muito provavelmente iremos num futuro próximo encontrar o Estado Hiperbolicamente Social reclamado por uma geração habituada a pedir phones emprestados, lenços de papel, as horas por não usar relógio, como se pedir de mão estendida por tudo e por nada fosse a coisa mais natural do mundo. Um Estado de tal modo social, tão exageradamente social, tão zeladoramente social que pode ser mesmo a machadada final no estado do Estado Social.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa