• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 18 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 17° / 9°
Céu nublado
Sáb.
 16° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Torres Novas
Hoje  17° / 5°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

2016-2017

Opinião  »  2016-12-28  »  Jorge Carreira Maia

"O país foi governado a partir de uma maioria de esquerda e, nem por um instante, os compromissos de Portugal, com a União Europeia e a NATO, foram postos em causa."

O ano de 2016, do ponto de vista da política interna, foi marcado pela descoberta, por muita gente, da inexistência em Portugal de organizações políticas radicais e extremistas. Aquilo que para alguns, muito poucos, já era claro – o facto de tanto o BE como o PCP perseguirem na prática, para além da retórica discursiva para consumo interno dos respectivos partidos, objectivos políticos moderados e de pendor social-democrata – tornou-se agora patente. O país foi governado a partir de uma maioria de esquerda e, nem por um instante, os compromissos de Portugal, com a União Europeia e a NATO, foram postos em causa. O que se assistiu foi a uma recomposição tímida do tecido social destruído pela intervenção da troika e pelos governos de Sócrates e de Passos Coelho.

É verdade que a direita política e, fundamentalmente, a direita presente nos blogues e colunas de opinião, tanto nos jornais como nas televisões, não se cansa de gritar que somos governados pela extrema-esquerda ou pela esquerda radical. O fascínio que o mantra provoca nesses grupos é tanto que não têm percebido duas coisas fundamentais. A primeira é que fora desses círculos ninguém leva o mantra a sério e, mais do que isso, ninguém tem medo, nas actuais circunstâncias, da aproximação ao poder do BE e do PCP. Como arma eleitoral não funciona. A segunda, mais grave para a direita, é que ela não percebeu que o governo de Passos Coelho, cego pelo delírio neoliberal, abandonou o centro (aquele centro que tanto Sá Carneiro como Cavaco Silva disputaram com êxito à esquerda) e entregou-o de mão beijada não só ao PS mas ao BE e ao PCP.

O ano de 2017 será diferente, por razões externas e internas. Externamente, devido à vitória de Donald Trump nos EUA e ao realinhamento geopolítico que isso vai implicar, independentemente do que se passar nas eleições em França e na Alemanha. É possível que se assista a uma reconfiguração dos processos de globalização e da pressão que esta tem exercido sobre a vida política dos Estados-Nação. Internamente, as actuais movimentações no PSD para defenestrar Passos Coelho são um sintoma de que a direita percebeu que a aventura passista lhe alienou o centro. Neste momento, procura um condottiero que a reconduza à disputa do centro e ao poder. Rui Rio parece ter as qualidades necessárias para ser esse chefe da direita. Estas duas hipotéticas alterações trazem novos desafios à esquerda. Se ela quiser continuar a determinar a evolução política do país, tem de olhar para o que vem aí e deixar os fantasmas de Passos e da sua governação na casa assombrada que é a deles.

Um bom ano de 2017.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Por este rio »  2018-01-18  »  João Carlos Lopes

O Rio Tejo (o vale do Tejo, a linha do Tejo, o território adjacente, o percurso português do Tejo) é porventura o recurso natural e o pedaço de território nacional potencialmente mais rico que temos, dada a diversidade dos seus elementos constitutivos: paisagísticos, pedológicos, agrários e agrícolas, hidrográficos, etnográficos, etc.
(ler mais...)


Geringonça festiva »  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro

A indignação invadiu as hostes mais puritanas deste país ao saber-se o ministro das finanças, Mário Centeno, pediu uma borla de bilhetes para o cássico Benfica/Porto na época passada. Quando questões éticas se levantam nesta associação “bola à borla” estimulando acesas discussões repudiando esse pedido especial, sinto que tenho obrigação de prestar solidariedade para o nosso pobre, quase pobrezinho, Mário.
(ler mais...)


V de Vingança »  2018-01-17  »  José Ricardo Costa

Como não entra nas contas um livro de Pablo Neruda que me ofereceram no Natal ainda eu mal sabia ler, o meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa que comprei numa feira do livro do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Patos bravos »  2018-01-17  »  Denis Hickel

Os recentes processos movidos contra ambientalistas por denunciar a poluição no Rio Tejo, Ribeira da Boa Água, Almonda, entre outros, inauguram um teatro do absurdo. Temos diante de nós empresas que sabemos serem claramente poluidoras, porém protegidas por arcabouços jurídicos e contratuais e tão poderosas nas suas redes de relações que, ao invés de tomarem a iniciativa de limpar a sua imagem, não negam o estatuto e preferem manter os negócios sujos pela força da intimidação.
(ler mais...)


Como reforçar o nosso sistema imunitário »  2018-01-17  »  Juvenal Silva

O nosso sistema imunitário protege-nos a cada instante contra batalhões de vírus, bactérias, fungos e outros parasitas. Uma debilidade de saúde ou fraqueza do sistema imunitário, é uma doença que se estabelece e se instala no nosso organismo.
(ler mais...)


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...
»  2018-01-17  »  José Ricardo Costa V de Vingança
»  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro Geringonça festiva