• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 20 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 36° / 21°
Céu limpo
Sáb.
 36° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 31° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 17°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

OS AMIGOS DE OLEX

Opinião  »  2015-09-25  »  José Ricardo Costa

"Começamos por estudar História mas será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro"

Já me pude aperceber que há muitos jovens entusiasmados com a mitologia dos anos 60, olhando para os portugueses que terão hoje 60 e 70 anos e imaginando uma juventude de sexo, droga e rock and roll, quiçá, tendo alguns deles estado em Woodstock. E soubessem eles o que foi o Maio de 68 e ainda iriam pensar que os seus pais também tivessem andado por cá a proibir proibir e outras coisas engraçadas do género. Ora, acontece que Portugal não teve anos 60. Portugal, nos anos 60, era o TV Rural, as picarias, o Cantinflas mais o Django e o Sartana, a Crónica Feminina, as festas de aldeia, o Roberto Carlos, o Nelson Ned, a Hermínia Silva e o Gianni Morandi no Quando o Telefona Toca, o Benfica-Sporting na telefonia, Madalena Iglésias vs. Simone de Oliveira, a orgulhosa conquista da montanha francesa pelo Joaquim Agostinho, as casas de pasto, os salões de bilhar, os magalas, longe da terra, a mandar piropos às moças ou a dizer «Adeus, até ao meu regresso» mas sem direito a filmes de Hollywood e a manifestações subversivas e nada de pretos de cabeleira loira e brancos de carapinha. Enfim, mais do que o trio sex, drugs and rock and roll, Portugal era a Gina, as minis da Sagres e o Nilton César a cantar «Receba as flores que lhe dou/ e em cada flor um beijo meu».

Claro que havia jovens a ir a Londres e a Paris, por exemplo, no Interail, mas sair do Portugal rural desse tempo ou de uma Lisboa ou Porto, ainda provincianas, era como ir à Lua. Claro que se ouvia Doors, Rolling Stones, Led Zeppelin e Cat Stevens, este para os lascivos slows dançados em festas de garagem, mas isso era para quem tinha dinheiro para comprar discos, garagem para dançar e andasse no liceu, raridade naquele tempo uma vez que, para a maioria, a juventude era vivida a trabalhar.

Isto em Portugal. Mas mesmo em Inglaterra, EUA ou França, o que foram os anos 60? Na nossa consciência actual os anos 60 foram uma década de contestação, subversiva, marcada por comportamentos desviantes e anti-burgueses. Como foi construída nas nossas cabeças esta imagem dos anos 60? Com um filme chamado Woodstock (que não passou de um simples fim-de-semana de guitarradas eléctricas), meia-dúzia de fotografias que se transformaram em ícones, umas canções que falam de sexo e uns velhotes narcisistas que falam hoje daquele tempo como se o seu tempo e as suas acções fossem o centro da História. Mas até que ponto estas referências traduzem fielmente uma época? Como podemos nós dizer que conhecemos e penetramos nos anos 60, graças a essas referências? Como é possível que, tão pouco tempo depois, já exista tanta mitologia nas nossas cabeças a respeito de uma época cujos protagonistas ainda estão vivos?

Ora, se a imaginação se liberta tão fácil e rapidamente para divagar sobre acontecimentos tão recentes, como podemos nós dizer que conhecemos o que foi viver durante a Revolução Francesa? Ou viver na Inglaterra vitoriana? Ou no Renascimento? Ou na Idade Média? Não podemos. Falar em liberdade, igualdade e fraternidade no século XVIII é tão válido como falar em sexo, drogas e rock and roll nos anos 60 ou reduzir parte do século XX português a Deus, pátria e família. Tudo chavões, slogans que jamais traduzirão o que efectivamente se viveu. Independentemente do vasto material documental que possamos ter, cada vez me convenço mais de que a nossa representação do passado será sempre um produto da imaginação. Começamos por estudar História mas, depois de adormecermos sobre os livros, será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée