• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

OS AMIGOS DE OLEX

Opinião  »  2015-09-25  »  José Ricardo Costa

"Começamos por estudar História mas será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro"

Já me pude aperceber que há muitos jovens entusiasmados com a mitologia dos anos 60, olhando para os portugueses que terão hoje 60 e 70 anos e imaginando uma juventude de sexo, droga e rock and roll, quiçá, tendo alguns deles estado em Woodstock. E soubessem eles o que foi o Maio de 68 e ainda iriam pensar que os seus pais também tivessem andado por cá a proibir proibir e outras coisas engraçadas do género. Ora, acontece que Portugal não teve anos 60. Portugal, nos anos 60, era o TV Rural, as picarias, o Cantinflas mais o Django e o Sartana, a Crónica Feminina, as festas de aldeia, o Roberto Carlos, o Nelson Ned, a Hermínia Silva e o Gianni Morandi no Quando o Telefona Toca, o Benfica-Sporting na telefonia, Madalena Iglésias vs. Simone de Oliveira, a orgulhosa conquista da montanha francesa pelo Joaquim Agostinho, as casas de pasto, os salões de bilhar, os magalas, longe da terra, a mandar piropos às moças ou a dizer «Adeus, até ao meu regresso» mas sem direito a filmes de Hollywood e a manifestações subversivas e nada de pretos de cabeleira loira e brancos de carapinha. Enfim, mais do que o trio sex, drugs and rock and roll, Portugal era a Gina, as minis da Sagres e o Nilton César a cantar «Receba as flores que lhe dou/ e em cada flor um beijo meu».

Claro que havia jovens a ir a Londres e a Paris, por exemplo, no Interail, mas sair do Portugal rural desse tempo ou de uma Lisboa ou Porto, ainda provincianas, era como ir à Lua. Claro que se ouvia Doors, Rolling Stones, Led Zeppelin e Cat Stevens, este para os lascivos slows dançados em festas de garagem, mas isso era para quem tinha dinheiro para comprar discos, garagem para dançar e andasse no liceu, raridade naquele tempo uma vez que, para a maioria, a juventude era vivida a trabalhar.

Isto em Portugal. Mas mesmo em Inglaterra, EUA ou França, o que foram os anos 60? Na nossa consciência actual os anos 60 foram uma década de contestação, subversiva, marcada por comportamentos desviantes e anti-burgueses. Como foi construída nas nossas cabeças esta imagem dos anos 60? Com um filme chamado Woodstock (que não passou de um simples fim-de-semana de guitarradas eléctricas), meia-dúzia de fotografias que se transformaram em ícones, umas canções que falam de sexo e uns velhotes narcisistas que falam hoje daquele tempo como se o seu tempo e as suas acções fossem o centro da História. Mas até que ponto estas referências traduzem fielmente uma época? Como podemos nós dizer que conhecemos e penetramos nos anos 60, graças a essas referências? Como é possível que, tão pouco tempo depois, já exista tanta mitologia nas nossas cabeças a respeito de uma época cujos protagonistas ainda estão vivos?

Ora, se a imaginação se liberta tão fácil e rapidamente para divagar sobre acontecimentos tão recentes, como podemos nós dizer que conhecemos o que foi viver durante a Revolução Francesa? Ou viver na Inglaterra vitoriana? Ou no Renascimento? Ou na Idade Média? Não podemos. Falar em liberdade, igualdade e fraternidade no século XVIII é tão válido como falar em sexo, drogas e rock and roll nos anos 60 ou reduzir parte do século XX português a Deus, pátria e família. Tudo chavões, slogans que jamais traduzirão o que efectivamente se viveu. Independentemente do vasto material documental que possamos ter, cada vez me convenço mais de que a nossa representação do passado será sempre um produto da imaginação. Começamos por estudar História mas, depois de adormecermos sobre os livros, será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...