• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

OS AMIGOS DE OLEX

Opinião  »  2015-09-25  »  José Ricardo Costa

"Começamos por estudar História mas será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro"

Já me pude aperceber que há muitos jovens entusiasmados com a mitologia dos anos 60, olhando para os portugueses que terão hoje 60 e 70 anos e imaginando uma juventude de sexo, droga e rock and roll, quiçá, tendo alguns deles estado em Woodstock. E soubessem eles o que foi o Maio de 68 e ainda iriam pensar que os seus pais também tivessem andado por cá a proibir proibir e outras coisas engraçadas do género. Ora, acontece que Portugal não teve anos 60. Portugal, nos anos 60, era o TV Rural, as picarias, o Cantinflas mais o Django e o Sartana, a Crónica Feminina, as festas de aldeia, o Roberto Carlos, o Nelson Ned, a Hermínia Silva e o Gianni Morandi no Quando o Telefona Toca, o Benfica-Sporting na telefonia, Madalena Iglésias vs. Simone de Oliveira, a orgulhosa conquista da montanha francesa pelo Joaquim Agostinho, as casas de pasto, os salões de bilhar, os magalas, longe da terra, a mandar piropos às moças ou a dizer «Adeus, até ao meu regresso» mas sem direito a filmes de Hollywood e a manifestações subversivas e nada de pretos de cabeleira loira e brancos de carapinha. Enfim, mais do que o trio sex, drugs and rock and roll, Portugal era a Gina, as minis da Sagres e o Nilton César a cantar «Receba as flores que lhe dou/ e em cada flor um beijo meu».

Claro que havia jovens a ir a Londres e a Paris, por exemplo, no Interail, mas sair do Portugal rural desse tempo ou de uma Lisboa ou Porto, ainda provincianas, era como ir à Lua. Claro que se ouvia Doors, Rolling Stones, Led Zeppelin e Cat Stevens, este para os lascivos slows dançados em festas de garagem, mas isso era para quem tinha dinheiro para comprar discos, garagem para dançar e andasse no liceu, raridade naquele tempo uma vez que, para a maioria, a juventude era vivida a trabalhar.

Isto em Portugal. Mas mesmo em Inglaterra, EUA ou França, o que foram os anos 60? Na nossa consciência actual os anos 60 foram uma década de contestação, subversiva, marcada por comportamentos desviantes e anti-burgueses. Como foi construída nas nossas cabeças esta imagem dos anos 60? Com um filme chamado Woodstock (que não passou de um simples fim-de-semana de guitarradas eléctricas), meia-dúzia de fotografias que se transformaram em ícones, umas canções que falam de sexo e uns velhotes narcisistas que falam hoje daquele tempo como se o seu tempo e as suas acções fossem o centro da História. Mas até que ponto estas referências traduzem fielmente uma época? Como podemos nós dizer que conhecemos e penetramos nos anos 60, graças a essas referências? Como é possível que, tão pouco tempo depois, já exista tanta mitologia nas nossas cabeças a respeito de uma época cujos protagonistas ainda estão vivos?

Ora, se a imaginação se liberta tão fácil e rapidamente para divagar sobre acontecimentos tão recentes, como podemos nós dizer que conhecemos o que foi viver durante a Revolução Francesa? Ou viver na Inglaterra vitoriana? Ou no Renascimento? Ou na Idade Média? Não podemos. Falar em liberdade, igualdade e fraternidade no século XVIII é tão válido como falar em sexo, drogas e rock and roll nos anos 60 ou reduzir parte do século XX português a Deus, pátria e família. Tudo chavões, slogans que jamais traduzirão o que efectivamente se viveu. Independentemente do vasto material documental que possamos ter, cada vez me convenço mais de que a nossa representação do passado será sempre um produto da imaginação. Começamos por estudar História mas, depois de adormecermos sobre os livros, será sempre a imaginação e a mitologia, como o Olex no cabelo, a fazer o seu trabalho de restauro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição