• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Maio 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 34° / 19°
Céu limpo
Qua.
 33° / 20°
Céu limpo
Ter.
 32° / 20°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-04-05  »  Inês Vidal

"A Ana João tem razão. Não vai ficar tudo bem."

Por estes dias, pedi às minhas filhas que pintassem um arco-íris para pendurarmos na porta de casa. Algo que dissesse, em todas as línguas latinas, e a quem por ali passasse, “vai ficar tudo bem”. No fundo, acho que me queria sentir uma boa mãe, daquelas que passaram os últimos quinze dias em casa a fazer de ponte entre seus filhos, uma escola fechada e uma resma de aulas online que mais parecia trabalhos forçados. Obrigada a ir trabalhar, se calhar mais ainda do que em dias normais, acabei por ceder à pressão das imagens passadas pelas muitas mães perfeitas que expunham nas redes sociais os seus belos trabalhos manuais de isolamento.

O bom da história é que, para mães imperfeitas, há filhas perfeitas. E a Ana João, contrariadíssima a pintar arco-íris com a legenda “Andrá tutto bene”, disse-me do alto da sua lucidez: “Sabes que não vai ficar tudo bem, não sabes? Isto é só para eles se entreterem porque não têm nada que fazer”. Parei sem resposta para tanta certeza num corpo de apenas 10 anos, e antes de me sorrir orgulhosa da filha que ali cresce, percebi que de facto não sou, nem quero ser, a mãe perfeita das redes sociais.

A Ana João tem razão. Não vai ficar tudo bem. Pelo caminho, morrerão muitas pessoas e muitas mais ainda morrem de solidão, todos os dias, aos bocadinhos. Pelo caminho, muitos filhos chorarão a ausência dos pais que, para os proteger, não voltarão tão cedo a casa. Pelo caminho, ficarão hábitos obsessivos de luta contra um bicho que não se vê, mas que se tem feito sentir. Pelo caminho, surgirá um mundo novo, nunca mais igual ao que deixámos para trás, onde nos abraçávamos e beijávamos sem distância.
Não sei se temos real noção daquilo que estamos a pedir às pessoas. Se me pedissem para ficar quinze dias em casa sem sair, fazia-o. Sei o que digo por experiência própria. Quando a causa é maior, é fácil acatar tal pedido. Mas reconheço que estamos a pedir muito a grande parte das pessoas. Especialmente àquelas a quem efectivamente exigimos que fechem a porta e vejam o mundo através de uma pequena janela embaciada.

A verdade é que já antes deste qualquer vírus que nos veio revolucionar a vida, a faixa etária mais idosa morria de solidão. O que hão-de dizer agora, quando lhe pedimos para não sair, para não verem os filhos ou netos, para não trocarem palavras com vizinhos, para não virem ao mercado à terça-feira, para não se confessarem na missa ou ao balcão da sua farmácia. Uma espécie de assalto disfarçado, assinado por quem nos lidera, onde a hipótese dada é apenas uma: “A morte ou a morte”.

Há muitos lados negros nesta história. Aliás, poucos são os que se pintam das cores do arco-íris. Por mais bandeiras que coloquemos à janela e palmas que entoemos nas varandas, por mais idílico o cenário das muitas horas que as famílias vão ter, finalmente, para se gozar uns aos outros, não vamos ficar todos bem. Muitos vão morrer. Muitos vão descobrir que não era aquela pessoa que queriam por perto, muitos vão sentir saudades do tempo que não passavam em casa, muitos vão descobrir que não notam qualquer diferença porque sozinhos já estavam, mas mais ainda vão sofrer na pele os efeitos da solidão que foram construindo.

Não li frase melhor que esta sobre estes dias que atravessamos: “Não romanciemos a pandemia”. Não há arco-íris que lhe dê cor, não há sonho que se torne realidade. Não há nada de bom que possa sair de uma situação em que dizemos às pessoas qual a vida que podem ou não podem viver!

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)


O meu pai de fato azul escuro e gravata e um bem visível cravo vermelho. Naquele momento. senti-me compensado pela espera de 22 anos desde o negro Abril de 1953. »  2020-05-09  »  José Alves Pereira

De quantos Abris se faz uma vida que já vai longa? Cada um contará os seus, aqueles que não se medem pelo calendário, mas são marcos de destaque e lembrança. É o caso do 25 de Abril, data fronteira entre o antes e o depois; um antes que se vai escoando com a memória dos que o viveram e vão desaparecendo, e um depois que o não pode olvidar.
(ler mais...)


Onde estavas no 25 de Abril de 2020? »  2020-05-09  »  Jorge Salgado Simões

Já se pode falar do 25 de Abril? Já podemos falar do 25 de Abril sem se ser acusado de arreigado comunista ou perigoso fascista? É que isto este ano foi mesmo mau demais para ser verdade.

Eu sou dos que ainda cá não estava em 1974.
(ler mais...)


Não sou digno de ti »  2020-05-09  »  Carlos Tomé

Não foi “E depois do adeus” nem a “Grândola” que me adormeceram nessa noite, mas sim “Non son degno di te” (“Não sou digno de ti”) de Gianni Morandi, suplicada por alguém depois de dizer a frase ao telefone da rádio, o romantismo italiano adocicando-me os ouvidos, embalando-me o sono num colchão renovado com a renovação das camisas de milho.
(ler mais...)


E o futuro? »  2020-05-09  »  AnabelaSantos

Não é o futuro depois da pandemia, é o futuro simplesmente.
Vamos deixar, hoje, de lado este campo lexical que tanto nos tem atormentado e que ocupa as vinte e quatro horas do nosso dia: Covid-19, pandemia, confinamento, desconfinamento, estado de emergência, estado de calamidade, vírus, coronavírus, número de mortos, curados e infetados… Vamos descansar!
Mas, se falo em tormento por causa da situação actual, penso que o meu tema de hoje não será muito mais leve.
(ler mais...)


25 de Abril de 2020 »  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia

A celebração do 25 de Abril deste ano foi, do ponto de vista simbólico, a mais importante de sempre. Tem múltiplos aspectos a merecer realce. Em primeiro lugar a controvérsia lançada por quem, do ponto de vista político, queria que as celebrações não se realizassem.
(ler mais...)


E agora? por João Carlos Lopes »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril de 2020
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  José Ricardo Costa 25 de Abril Nunca Mais!