• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 11 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 15° / 9°
Céu nublado
Qui.
 15° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 15° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 7°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os avieiros já morreram há muito

Opinião  »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

"Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. "

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras. No calmo calor das tardes desciam pelo Tejo toros abraçados vindos de Vila Nova da Barquinha carregados por juntas de bois pisando trilhos lamacentos de bostas.
Vindos de Vieira de Leiria, os avieiros desciam pelo Tejo e atracavam nas palhotas do Cartaxo ou do Escaroupim ou de Salvaterra ou das Caneiras e aí procuravam outras águas em melhores invernos. Muito lutaram os avieiros contra os donos do Tejo e das terras por uma nova vida e pelo ambiente. Ainda hoje o IPT de Santarém tenta recuperar essa cultura, mas ela é apenas um distante simulacro da realidade.
Na Azinhaga, no local em que as águas se juntam, as garças-reais e os patos-bravos festejam o ambiente esperando pacientemente que as águas do Almonda e do Tejo engrossem um leito só. Mas o Almonda não é só um rio, é o conjunto de todos os seus afluentes e das suas memórias, a ribeira do Alvorão, lavou muitas cuecas que a rapaziada por lá deixou, numa escapadinha a uma aula do mestre Brás na Escola Industrial, depois do primeiro cigarro às escondidas no meio das ameias do castelo, no preciso momento em que o Quilhocas brigava com um achigã preso pelo beicinho, e muitos anos antes do Fernando Pereira retirar do Paul do Boquilobo mais uma rede atafulhada de preciosidades que foi guardando na memória.
Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. E procuravam nas suas águas o reflexo da sua própria vida. Tratar o rio como amigo, saber-lhe todas as histórias, conhecer-lhe todas as manhas, morrer-lhe as tristezas, ouvi-lo atentamente, saudá-lo. Mas, quando aparecia, o Tubarão do Tejo criado por Alves Redol nos Avieiros, devorava a raia miúda, aqueles que nas águas calmas julgavam ter direito a um poucochinho do seu rio. Os avieiros faziam-lhe frente com as suas bateiras, as palhotas e a fataça na telha, mas não resistiram às mandíbulas do tempo e do bicho.
O rio a todos servia porque todos o respeitavam. E todos o mereciam, porque o seu interesse era público, servia a todos, e todos se serviam dele mesmo sem o conhecerem de perto. Era esse o seu indiscutível interesse público.
Parece que agora outros interesses se levantam e tudo fazem para espezinhar a vida dos que veem nos rios uma parte importante da vida de todos e dão a cara e põem o lombo a jeito dos novos Tubarões do Tejo, actuais donos das terras, das fábricas e dos rios, lhes ferrarem o dente. Quem ousa defender o Tejo ou qualquer outro rio, percorrendo os passos de bom cidadão, tem a vida feita num oito. Torturam-no com processos-crime, pedidos de indemnização e processos disciplinares. Afogam-no nas próprias águas do rio que tanto venera.
Os interesses que agora se levantam estão muito longe de serem públicos. Destroem tudo o que se atravessar à sua frente. Tecem à sua volta uma teia de interesses e tudo devoram. São os novos Tubarões do Tejo. Só os avieiros os podiam impedir, mas esses já morreram há muito. Já não têm Tejo para viver.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder