• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os avieiros já morreram há muito

Opinião  »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

"Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. "

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras. No calmo calor das tardes desciam pelo Tejo toros abraçados vindos de Vila Nova da Barquinha carregados por juntas de bois pisando trilhos lamacentos de bostas.
Vindos de Vieira de Leiria, os avieiros desciam pelo Tejo e atracavam nas palhotas do Cartaxo ou do Escaroupim ou de Salvaterra ou das Caneiras e aí procuravam outras águas em melhores invernos. Muito lutaram os avieiros contra os donos do Tejo e das terras por uma nova vida e pelo ambiente. Ainda hoje o IPT de Santarém tenta recuperar essa cultura, mas ela é apenas um distante simulacro da realidade.
Na Azinhaga, no local em que as águas se juntam, as garças-reais e os patos-bravos festejam o ambiente esperando pacientemente que as águas do Almonda e do Tejo engrossem um leito só. Mas o Almonda não é só um rio, é o conjunto de todos os seus afluentes e das suas memórias, a ribeira do Alvorão, lavou muitas cuecas que a rapaziada por lá deixou, numa escapadinha a uma aula do mestre Brás na Escola Industrial, depois do primeiro cigarro às escondidas no meio das ameias do castelo, no preciso momento em que o Quilhocas brigava com um achigã preso pelo beicinho, e muitos anos antes do Fernando Pereira retirar do Paul do Boquilobo mais uma rede atafulhada de preciosidades que foi guardando na memória.
Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. E procuravam nas suas águas o reflexo da sua própria vida. Tratar o rio como amigo, saber-lhe todas as histórias, conhecer-lhe todas as manhas, morrer-lhe as tristezas, ouvi-lo atentamente, saudá-lo. Mas, quando aparecia, o Tubarão do Tejo criado por Alves Redol nos Avieiros, devorava a raia miúda, aqueles que nas águas calmas julgavam ter direito a um poucochinho do seu rio. Os avieiros faziam-lhe frente com as suas bateiras, as palhotas e a fataça na telha, mas não resistiram às mandíbulas do tempo e do bicho.
O rio a todos servia porque todos o respeitavam. E todos o mereciam, porque o seu interesse era público, servia a todos, e todos se serviam dele mesmo sem o conhecerem de perto. Era esse o seu indiscutível interesse público.
Parece que agora outros interesses se levantam e tudo fazem para espezinhar a vida dos que veem nos rios uma parte importante da vida de todos e dão a cara e põem o lombo a jeito dos novos Tubarões do Tejo, actuais donos das terras, das fábricas e dos rios, lhes ferrarem o dente. Quem ousa defender o Tejo ou qualquer outro rio, percorrendo os passos de bom cidadão, tem a vida feita num oito. Torturam-no com processos-crime, pedidos de indemnização e processos disciplinares. Afogam-no nas próprias águas do rio que tanto venera.
Os interesses que agora se levantam estão muito longe de serem públicos. Destroem tudo o que se atravessar à sua frente. Tecem à sua volta uma teia de interesses e tudo devoram. São os novos Tubarões do Tejo. Só os avieiros os podiam impedir, mas esses já morreram há muito. Já não têm Tejo para viver.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...