• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os avieiros já morreram há muito

Opinião  »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

"Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. "

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras. No calmo calor das tardes desciam pelo Tejo toros abraçados vindos de Vila Nova da Barquinha carregados por juntas de bois pisando trilhos lamacentos de bostas.
Vindos de Vieira de Leiria, os avieiros desciam pelo Tejo e atracavam nas palhotas do Cartaxo ou do Escaroupim ou de Salvaterra ou das Caneiras e aí procuravam outras águas em melhores invernos. Muito lutaram os avieiros contra os donos do Tejo e das terras por uma nova vida e pelo ambiente. Ainda hoje o IPT de Santarém tenta recuperar essa cultura, mas ela é apenas um distante simulacro da realidade.
Na Azinhaga, no local em que as águas se juntam, as garças-reais e os patos-bravos festejam o ambiente esperando pacientemente que as águas do Almonda e do Tejo engrossem um leito só. Mas o Almonda não é só um rio, é o conjunto de todos os seus afluentes e das suas memórias, a ribeira do Alvorão, lavou muitas cuecas que a rapaziada por lá deixou, numa escapadinha a uma aula do mestre Brás na Escola Industrial, depois do primeiro cigarro às escondidas no meio das ameias do castelo, no preciso momento em que o Quilhocas brigava com um achigã preso pelo beicinho, e muitos anos antes do Fernando Pereira retirar do Paul do Boquilobo mais uma rede atafulhada de preciosidades que foi guardando na memória.
Todos eram avieiros que viviam a vida de todos os rios. E procuravam nas suas águas o reflexo da sua própria vida. Tratar o rio como amigo, saber-lhe todas as histórias, conhecer-lhe todas as manhas, morrer-lhe as tristezas, ouvi-lo atentamente, saudá-lo. Mas, quando aparecia, o Tubarão do Tejo criado por Alves Redol nos Avieiros, devorava a raia miúda, aqueles que nas águas calmas julgavam ter direito a um poucochinho do seu rio. Os avieiros faziam-lhe frente com as suas bateiras, as palhotas e a fataça na telha, mas não resistiram às mandíbulas do tempo e do bicho.
O rio a todos servia porque todos o respeitavam. E todos o mereciam, porque o seu interesse era público, servia a todos, e todos se serviam dele mesmo sem o conhecerem de perto. Era esse o seu indiscutível interesse público.
Parece que agora outros interesses se levantam e tudo fazem para espezinhar a vida dos que veem nos rios uma parte importante da vida de todos e dão a cara e põem o lombo a jeito dos novos Tubarões do Tejo, actuais donos das terras, das fábricas e dos rios, lhes ferrarem o dente. Quem ousa defender o Tejo ou qualquer outro rio, percorrendo os passos de bom cidadão, tem a vida feita num oito. Torturam-no com processos-crime, pedidos de indemnização e processos disciplinares. Afogam-no nas próprias águas do rio que tanto venera.
Os interesses que agora se levantam estão muito longe de serem públicos. Destroem tudo o que se atravessar à sua frente. Tecem à sua volta uma teia de interesses e tudo devoram. São os novos Tubarões do Tejo. Só os avieiros os podiam impedir, mas esses já morreram há muito. Já não têm Tejo para viver.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição